zap
   

especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Meio ambiente - 18/10/2014 - 07h25

Calor histórico faz população sentir na pele efeitos do desmatamento




Por Lidiane Kober do Campo Grande News / Redação Pantanal News

Prédios tomam conta de área verde e o resultado são temperaturas extremas (Foto: Marcos Ermínio)Prédios tomam conta de área verde e o resultado são temperaturas extremas (Foto: Marcos Ermínio)

Os dias angustiantes de calor histórico e baixa umidade estão fazendo a população sentir na pele os efeitos da ação humana na natureza. Diante das temperaturas recordes e dos fenômenos climáticos, muitos céticos estão reavaliando valores e passando a acreditar em alertas de ambientalistas. Os dados superlativos até surpreendem meteorologistas, que cogitam estudos para esclarecer a onda de calor, sem chuva em pleno início da primavera.

“É uma situação atípica que precisará ser avaliada com mais cuidado”, disse o meteorologista Natálio Abrão Filho, do Centro Meteorológico da Uniderp/Anhanguera. Segundo ele, é comum registrar as temperaturas mais elevadas do ano em outubro, porém, não é normal uma quinzena de temperaturas recordes, associada à ausência de chuva por tão longo período.

“As chuvas de verão começam no início da primavera, mas esse ano não começou”, estranhou Natálio. “Nunca ficamos uma quinzena de outubro sem chuva, em 1999, tivemos 12 dias sem chuva, mas as altas temperaturas não foram seguidas”, emendou. Questionado se há um novo fenômeno climático em ação, o meteorologista reforçou que a situação é atípica e merece estudos.

De acordo com ele, uma massa de ar seco parou na região Centro-Oeste do País e impede a vinda de frentes frias ao Estado. “No Sul, que sofre influência das frentes frias da Argentina, está chovendo, mas quando elas chegam no Paraná, a massa de ar seco desvia para o oceano”, explicou. Ao mesmotempo, o fluxo de vento, responsável por trazer umidade à região, está desviado para o Nordeste do país.

Para Natálio, os fenômenos climáticos são resultado da ação do homem na natureza. “Fatores, como o desmatamento, urbanização, poluição, queimadas, expansão de cidades, contribuem para gerar temperaturas extremas”, avaliou.

Nenos céticos - Diretor-presidente da Ecoa (Ecologia e Ação), André Luiz Siqueira frisa que a discussão da responsabilidade do homem com os fenômenos climáticos é antiga, porém, observa que apenas agora a população começou a deixar o ceticismo de lado, justamente por sentir na pele e “no bolso” os efeitos.

“Sempre houve essa discussão, mas as pessoas estão menos céticas, diante dos são fenômenos climáticos extremos”, comentou. “Antes, pensavam que o debate vinha dos 'eco-chatos', no entanto, os efeitos passaram a arder no bolso, com perdas de safras, e passaram a refletir mais sobre os efeitos da emissão de gases na camada de ozônio”, acrescentou.

Para ele, a prova de que o assunto virou discussão séria é a reação dos próprios poderes constituídos. “Os governos estão lançando programas para proteger o meio ambiente”, ressaltou o diretor-presidente da Ecoa.

Nossa culpa – Como exemplo simples da ação do homem na natureza e suas consequências, André Luiz cita a supressão vegetal. “Campo Grande poderia sofrer menos efeitos se tivesse mais planejamento, se áreas verdes fossem mais conservadas”, disse. “Para sentir o efeito disso, basta ir do Centro da Capital ao Parque dos Poderes para perceber a diferença de temperatura em áreas sem vegetação”, completou.

Ele enfatiza ainda que é válido o trabalho de “formiguinha”, com cada um fazendo a sua parte. “Temos que prestar atenção ao uso das áreas verdes, elas não podem se restringir só aos parques. É preciso conhecer nossas leis e cobrar a efetivação delas”, defendeu. “Também devemos respeitá-las e, por exemplo, não construir mais de 80% da área de nossa casa sem permeabilização e fazer a coleta seletiva do lixo acontecer”, finalizou.

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 

zap2
Comentários
 
Últimas notícias do canal
16/11/2017 - 13h00
PMA, entidades, prefeituras e comunidade realizam limpeza do rio Amambai
13/11/2017 - 11h23
PMA autua fazendeiro por armazenamento ilegal de embalagens de agrotóxicos
10/11/2017 - 15h20
PMA recolhe filhote de cervo-do-pantanal em fazenda
08/11/2017 - 12h42
Fruta típica do Cerrado, guavira agora é símbolo de Mato Grosso do Sul
07/11/2017 - 16h36
PMA e Bombeiros resgatam arara presa em linha de pipa
 
Últimas notícias do site
20/11/2017 - 15h50
Conab divulga preços de frutas e hortaliças no mês de outubro nos Ceasas
20/11/2017 - 12h50
Laudo descarta que macaco achado morto na Capital teve febre amarela
20/11/2017 - 11h53
Ocupantes de submarino argentino estão vivos, acredita Marinha
20/11/2017 - 10h35
Militares de Campo Grande ajudam em buscas a submarino na Argentina
20/11/2017 - 09h13
Sem-terras são autuados em R$ 11 mil por exploração ilegal de madeira
 

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.