zap
   

especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
O Estado do Pantanal - 02/10/2014 - 07h21

Primeiro plantio de mudas de árvores é feito na história do Pantanal

2.200 mudas e sementes de carandá foram plantadas no último mês de setembro




Divulgação

Mudas de carandí

Divulgação

Plantio de mudas de carandí

Divulgação

Sementes germinadas de carandí

Divulgação

Carandí pantaneiro
Por Assessoria / Redação Pantanal News

 Uma ação inédita aconteceu no Pantanal neste mês de setembro. Através do Projeto Biomas, resultado de uma parceria entre a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – Embrapa, cerca de 2.200 mudas e sementes de carandá foram plantadas nesse mês na Fazenda Santo Expedito, localizada no Pantanal da Nhecolândia, Mato Grosso do Sul. "O plantio de mudas de árvores nativas nessa escala aconteceu pela primeira vez na história do bioma", diz Catia Urbanetz, pesquisadora da Embrapa Pantanal e coordenadora regional do Projeto.

 
Com o objetivo de pesquisar e viabilizar soluções através do uso das árvores na propriedade rural brasileira, o Projeto Biomas teve início em 2010. Investigando as formas de utilizar essas árvores para atender a necessidades de sustentabilidade ambiental, econômica e social, protegendo e recuperando as propriedades, a iniciativa deve envolver mais de 200 pesquisadores de diferentes instituições do país e 300 multiplicadores até 2019, segundo dados do site do Projeto – www.projetobiomas.com.br

No Pantanal

Na região pantaneira, o Projeto Biomas foi implementado no final de 2012. Os objetivos regionais são disponibilizar técnicas de recuperação da vegetação nativa (florestal ou campestre) e inserir o uso da árvore nos sistemas de produção locais – considerando, no processo, o novo código florestal. Assim, pesquisadores e técnicos produziram cerca de 27.000 mudas de 30 espécies nativas de árvores para atender a cerca de 20 projetos de pesquisa, que devem ser implantados na Fazenda Santo Expedito a partir de janeiro de 2015. O plantio do carandá foi o primeiro experimento de campo iniciado pelo projeto.
 
De acordo com a professora Iria Ishii, pesquisadora da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) e membro do comitê gestor regional do Projeto, a escolha das espécies nativas para a produção de mudas foi feita analisando não apenas critérios de preservação, mas também de funcionalidade. "A gente selecionou as espécies que são madeireiras, utilizadas pelos fazendeiros na construção civil, na construção de cercas e outros", diz Iria. Além das madeireiras, a professora afirma que também foram selecionadas espécies de árvores frutíferas, de forma a conciliar um retorno de curto e longo prazo para o produtor rural. 

A preparação

Para produzir as mudas, a equipe do Projeto Biomas começou uma coleta de sementes em agosto do ano passado. Ainda de acordo com a professora Iria, foram coletadas mais de 150.000 sementes para se chegar às 27.000 mudas. A partir de março deste ano, elas foram plantadas em tubetes de plástico e mantidas em um viveiro construído no campo experimental da Embrapa Pantanal, a fazenda Nhumirim, recebendo cuidados diários até a época adequada de plantio. "Todos os dias, é preciso verificar se elas estão recebendo muita ou pouca água, por exemplo", afirma o viveirista do Projeto, Fábio de Jesus Lemos.
 
Entre as plantas cultivadas no viveiro existem guanandis, tarumãs, cumbarus, manduvis, aroeiras, jatobás, piúvas ou ipês roxos e várias outras espécies. De acordo com o engenheiro florestal Gustavo Ibarreche, as árvores que deram origem a essas mudas foram escolhidas com cuidado para assegurar a saúde das plantas. "Escolhemos árvores sadias, sem doenças, com sementes bem formadas. Sempre buscamos, no mínimo, dez matrizes diferentes para assegurar a variabilidade genética", diz Gustavo. Ao mesmo tempo em que as sementes eram coletadas, o engenheiro conta que a equipe abria trincheiras para conhecer o solo onde as mudas seriam plantadas. 

O plantio

Acompanhando a topografia dos 37 hectares que formam a área experimental – cedida em parceria pelo proprietário da Fazenda, Alfredo Machado – o primeiro plantio do Projeto no Pantanal foi feito ao longo de uma baía, atendendo às necessidades dos pequenos carandás, que gostam desse tipo de ambiente. As informações são de Catia Urbanetz. Ela afirma que, entre mudas da espécie e sementes germinadas, foram plantadas 2.200 árvores. 
 
A coordenadora regional também conta que os pesquisadores do grupo desenvolveram uma técnica para fazer as sementes de carandá germinarem em apenas uma semana, em comparação ao período de 2 a 4 meses necessários para esse processo. "Se as sementes plantadas tiverem sucesso em campo, recomendaremos o plantio direto de sementes, poupando os 12 meses necessários para a produção das mudas – o que diminuiria os custos do processo", diz Catia.
 
Os pesquisadores devem avaliar tanto o desempenho das sementes no campo quanto os métodos de plantio. A professora Iria e a equipe do Projeto estão testando vários espaçamentos entre as plantas, fazendo o plantio em parcelas de 15 x 15m com distâncias entre as árvores de 2,5 x 2,5m, 2 x 2m, 1,5 x 1,5m e 1 x 1m. De acordo com Gustavo Ibarreche, as diferentes distâncias devem ajudar a medir fatores como taxa de crescimento das árvores, altura e características da madeira em condições variadas. "Nos diferentes tipos de densidade (quantidade de plantas por parcela), vamos ter uma resposta diferente da planta: ela vai crescer um pouco mais ou um pouco menos e a qualidade da madeira também deve variar", diz Gustavo. 

Expectativas

De acordo com Catia, as conclusões dos estudos e técnicas de plantio desenvolvidas pelo Projeto Biomas serão transformadas em cartilhas e cursos online. Técnicos multiplicadores do Senar serão capacitados para divulgar essas informações aos produtores. Ela também diz que o plantio de árvores nativas nas propriedades poderá ter um impacto econômico muito positivo, já que um dos maiores custos para fazendas no Pantanal é a confecção de cercas –muitas das quais são feitas com a madeira das espécies estudadas pelo Projeto. 
 
"Muitos fazendeiros utilizam o recurso natural madeireiro que já existe em suas propriedades, mas nunca o repõem. Um dia, ele poderá acabar", afirma Catia. Segundo Gustavo, "esse projeto mostra para o produtor que ele pode separar uma área para plantar árvores, usando a madeira para a manutenção da fazenda, de cercas, porteiras ou até para outras finalidades, como a comercialização do material".
 
Além dos aspectos econômicos, a pesquisa do Projeto deve favorecer ainda a preservação e a sustentabilidade nas propriedades rurais pantaneiras. "Como o Projeto Biomas no Pantanal vai trabalhar exclusivamente com espécies nativas, várias dessas técnicas poderão ser aplicadas em ações de recuperação de vegetação para atender as exigências do novo Código Florestal", afirma Catia. Ainda de acordo com a pesquisadora, a equipe deverá plantar mais 25.000 mudas de 30 espécies nativas a partir de janeiro de 2015, assim que começarem as chuvas.

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 


Comentários
 
Últimas notícias do canal
17/05/2017 - 09h41
Cientistas desenvolvem alimentos processados de pescado pantaneiro
16/05/2017 - 14h17
Sete famílias deixam suas casas com início da cheia no Pantanal de MS
12/05/2017 - 09h50
Hidrovia do Rio Paraguai é tema de Road Show em Corumbá
04/05/2017 - 06h29
A palmeira que desponta como novo 'ouro verde' do Brasil
02/05/2017 - 12h05
'Banho de São João', de Corumbá, é selecionado para receber recursos do Ministério do Turismo
 
Últimas notícias do site
22/05/2017 - 16h06
“Pobre Diabo Louco e seu Discurso para Moscas” na Mostra Boca de Cena
22/05/2017 - 15h52
Defesa de Temer desiste de recurso no STF que pedia suspensão de inquérito
22/05/2017 - 15h44
Deputado Dr. Paulo Siufi reúne farmacêuticos para discutir Anteprojeto do Piso Salarial
22/05/2017 - 11h41
Plataformas online abrem inscrições gratuitas para simulado do Enem
22/05/2017 - 11h06
Campanha de vacinação contra gripe termina na sexta-feira
 

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.