especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Aldeias do Pantanal - 18/07/2014 - 08h17

MS lidera rankings do Cimi de suicídios e homicídios contra índios

Estado reúne 62% dos assassinatos de indígenas do Brasil, diz relatório. Especialistas falam sobre as circunstâncias do conflito no estado.




Por Ricardo Campos Jr. do G1 MS / Redação Pantanal News

Indígenas e policiais frente a frente na fazenda Buriti (Foto: Tatiane Queiroz/G1 MS)Indígenas e policiais em confronto na reintegração de posse da fazenda Buriti (Foto: Tatiane Queiroz/G1 MS)

Em números absolutos, Mato Grosso do Sul teve 33 índios assassinados em 2013, quantidade que coloca o estado em primeiro no ranking de homicídios contra indígenas segundo relatório do Conselho Indigenista Missionário (Cimi), divulgado na quinta-feira (17). Conforme a entidade, o valor representa 62% da quantidade de óbitos pelo mesmo motivo no Brasil.

Do número total de casos, 31 foram cometidos entre pessoas da etnia guarany-kaiwá e dois contra terenas. Houve queda em relação a 2012, quando foram registradas 37 mortes. No Brasil, em 2013, foram 53 homicídios cometidos contra indios. Entre as vítimas, 43 são homens e 6 mulheres. Nos outros quatro casos, o sexo dos envolvidos não foi determinado.

Pelo menos 15 óbitos, conforme o Cimi, ocorreram em função de brigas ou tiveram relação com consumo de álcool. Seis foram em virtude de conflitos agrários. Uma das vítimas foi o terena Oziel Gabriel, baleado durante uma tentativa de reintegração de posse em uma região conhecida como Buriti, em Sidrolândia, a 64 km de Campo Grande.

O assessor jurídico do Cimi em Mato Grosso do Sul, Luiz Henrique Eloy, explicou ao G1 que a intenção do documento, feito há 20 anos pela entidade, é denunciar a violência sofrida pelos povos indígenas no estado.

“A leitura que nós fazemos é que essa violência está intimamente ligada à questão territorial. As comunidades que estão acampadas às margens de estradas ou que estão confinadas em pequenas reservas concentram esses números de violência”, disse.

MPF em MS apura atuação da polícia em reintegração de posse de fazenda (Foto: Divulgação/MPF)Ferimento causado em índio durante reintegração
de posse (Foto: Divulgação/MPF)

Segundo ele, não é descartada a possibilidade de que seja feita uma denúncia internacional da situação. “O Brasil é um país que assina todos os tratados de direitos humanos, mas esses tratados não estão sendo cumpridos, os direitos humanos não estão sendo respeitados”.

Mato Grosso do Sul também lidera o ranking de suicídios cometidos por indígenas. O Cimi contabilizou 50, enquanto dados da Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai) apontam 73 mortes por esse motivo, índice que sofreu aumento em relação a 2012, quando foram registradas 53 mortes desse tipo. Das vítimas, 72 pertenciam à etnia guarany-kaiwá, a maioria com idades entre 15 e 30 anos.

Para o sociólogo Paulo Cabral, os índices de violência no estado podem ter diversos motivos. Primeiramente, é preciso entender que as capacidades de adaptação às adversidades variam de etnia para etnia, algumas têm mais facilidade em lidar com mudanças, como por exemplo os terenas. Os guarany-kaiwá, segundo ele, têm uma situação mais complicada ligada à miserabilidade e discriminação.

A leitura que nós fazemos é que essa violência está intimamente ligada à questão territorial. As comunidades que estão acampadas às margens de estradas ou que estão confinadas em pequenas reservas concentram esses números de violência"
Luiz Henrique Eloy, assessor jurídico do Cimi

“A proximidade com a cidade favorece o contato com drogas lícitas e ilícitas e isso de alguma maneira também pode contribuir para um incremente da violência”, explica. Fatores ligados à disputa por terra podem contribuir para uma acentuação do problema.

 

“Para os guarany-kaiwá, diferente dos ofaié, eles querem aquelas terras em que seus ancestrais estão sepultados. Muitos tekohas [terras consideradas sagradas] foram distribuídas pelo Governo Federal. O outro pedaço da situação são alguns espertalhões que de fato esbulharam terras indígenas”, fala o sociólogo.

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 

area
Comentários
 
Últimas notícias do canal
26/10/2017 - 07h05
MS: Cestas de alimentos beneficiam 2.855 mil famílias indígenas
05/05/2017 - 16h18
Campanha de vacinação dos povos indígenas 2017 começa nesta sábado
23/03/2017 - 10h58
Mato Grosso do Sul: Indígenas recebem cestas de alimentos da Conab
09/02/2017 - 10h14
Presidente nacional da Funai visita Dourados e áreas de conflito em MS
23/01/2017 - 07h27
Mitologia dos índios Guaranis vai representar o Brasil no Festival de Berlim
 
Últimas notícias do site
13/12/2017 - 06h38
Dia amanhece com sol entre nuvens, mas previsão é de temperatura alta
12/12/2017 - 14h30
Produção de grãos em MS cresce 40%, alta acima da média nacional
12/12/2017 - 12h51
Emoção, luzes e alegria marcam a noite de abertura da Vila do Natal em Aquidauana
12/12/2017 - 08h51
Governo divulga resultado dos recursos do concurso da Polícia Civil
12/12/2017 - 08h42
Calor predomina e meteorologistas alertam para baixa umidade do ar
 

zap

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.