zap
GOV EMPREGO 22-06
   

especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Meio ambiente - 26/12/2013 - 06h13

Araras-azuis encantam turistas no Pantanal de Mato Grosso do Sul

Turismo de observação proporciona contato com casais e filhotes de aves. Passeio leva visitantes a conhecerem o Projeto 'Arara Azul'.




Tatiane Queiroz/G1 MS

Filhote de arara-azul

Tatiane Queiroz/G1 MS

Técnicos do projeto durante trabalho na fazenda Caiman

Tatiane Queiroz/G1 MS

Bióloga Neiva Guedes
Por Tatiane Queiroz do G1 MS/Redação Pantanal News

O canto e a exuberância das araras-azuis encantam os turistas que visitam as fazendas do Pantanal de Mato Grosso do Sul. A espécie, que já correu risco de extinção, não está mais ameaçada graças a ações ambientais desenvolvidas para a preservação da biodiversidade do bioma.

O projeto “Arara Azul”, criado pela bióloga Neiva Guedes, é uma dessas ações. Os técnicos do projeto trabalham com o manejo e recuperação de ninhos naturais e com a instalação e manutenção de ninhos artificiais.

 

Segundo ela, já foram registrados 413 ninhos naturais no Pantanal sul-mato-grossense e já foram instalados 267 artificiais. Todos são monitorados pelos técnicos do projeto.

O “Arara Azul” já dura 25 anos. Segundo a bióloga, quando a pesquisa começou, existiam pouco mais de 1,5 mil araras-azuis no Pantanal. Atualmente, estima-se que sejam sejam mais de 5 mil.

No Refúgio Ecológico Caiman, localizado em Miranda, a 203 km de Campo Grande, os turistas podem acompanhar os técnicos do projeto no trabalho de campo, conhecer os ninhos naturais e artificiais e observais os casais e os filhotes dessa espécie de aves.

Os pesquisadores escalam as árvores, retiram os filhotes do ninho, examinam, pesam, medem, coletam amostras do sangue, colocam uma anilha com um número de identificação em uma das patas e um chip sob a pele de cada um. Durante o passeio, o turista vivencia todas as etapas do trabalho.

Os hóspedes saem com a equipe no próprio veículo do projeto, uma Toyota Hilux, por isso, a atividade é limitada a no máximo três pessoas por período. O turista pode optar pelo passeio de meio período, realizado durante a manhã, que custa R$ 200 por pessoa; ou pelo passeio que dura todo o dia, realizado de manhã e à tarde com um intervalo para o almoço, no valor de R$ 400 por pessoa. A renda do passeio é revertida para o projeto Arara Azul. O projeto, realizado atualmente no Pantanal de Miranda, é mantido pela Fundação Toyota do Brasil.

Espécie
As araras-azuis pertencem à famíliaPsittacidae, a mesma dos papagaios, periquitos e maritacas. Elas vivem aos pares, em famílias ou em bandos. São monogâmicas, ou seja, formam um casal para toda a vida delas. Quando adultas, podem medir até 1 metro e pesar 1,3 kg.

As aves se alimentam de castanhas de duas espécies de palmeiras: acuri e bocaiuva. Segundo Neiva, 90% dos ninhos naturais são encontrados em uma única espécie de árvore: a manduvi, que chega a 18 metros de altura e possue o tronco macio.

“As araras aproveitam buracos ou cavidades já feitas nas árvores por outros bichos e fazem os ninhos”, explica a bióloga.

As araras-azuis começam a se reprouzir com 8 ou 9 anos. Cada uma coloca, em média, dois ovos, mas geralmente, apenas um dos filhotes sobrevive. “Os filhotes são alvos de muitos predadores, como tucanos, gralhas, gambás e jaguatiricas”.
 

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 

area
Comentários
 
Últimas notícias do canal
28/06/2017 - 08h00
Retirada dos jacarés de cartão postal de MS é suspensa por causa de risco à multidão
27/06/2017 - 09h48
Inverno e tempo seco trazem beleza rosa com floradas de ipês
22/06/2017 - 15h50
Cães para adoção serão vacinados gratuitamente nesta sexta
21/06/2017 - 13h32
Coordenador ambiental alerta sobre incêndios florestais no inverno em MS
21/06/2017 - 11h16
Monumento natural que funciona como balneário ganha plano de manejo em Bonito, MS
 
Últimas notícias do site
28/06/2017 - 12h48
Gás de cozinha começa a faltar em MS e preço deve subir ainda mais
28/06/2017 - 11h25
Produtos típicos de festa junina estão até 18% mais caros neste ano
28/06/2017 - 10h35
IFMS abre vagas para pós-graduação em Aquidauana, Corumbá e Naviraí
28/06/2017 - 09h09
Polícia Militar recupera motocicleta furtada
28/06/2017 - 08h00
Retirada dos jacarés de cartão postal de MS é suspensa por causa de risco à multidão
 

zap

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.