zap
   

especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Forças Armadas - 19/12/2008 - 16h40

Número de embarcações disponíveis é insuficiente para necessidades da Marinha, diz comandante




Por Alex Rodrigues, da Agência Brasil

O comandante da Marinha, Julio Soares de Moura Neto, admitiu hoje (19) que o número de embarcações de que a Força dispõe é insuficiente para o cumprimento da missão de patrulhar e defender o extenso litoral brasileiro e as vias fluviais do país.

“Dispomos de mais de 100 embarcações e o número das disponíveis [em plenas condições de uso] não é o mais importante, mas sim que a quantidade [total] é insuficiente para cumprirmos nossa missão”, afirmou o almirante, ao deixar o prédio do Ministério da Defesa, onde acertaou detalhes para a assinatura do contrato, na semana que vem,com o governo francês, permitindo que o Brasil construa quatro submarinos convencionais, além do casco de primeiro submarino brasileiro com propulsão nuclear.

Moura Neto elogiou o Plano Estratégico de Defesa Nacional, assinado ontem (18) pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Para o comandante, a formulação de uma estratégia nacional para o setor possibilitará que a Marinha e as demais Forças recebam os recursos de que necessitam.

“A estratégia vai organizar a Defesa e as Forças Armadas. Com isso, vamos receber os meios necessários para cumprirmos nossa missão”, afirmou Moura Neto. “O programa de reaparelhamento da Marinha, que está condicionado à aprovação da estratégia nacional, é que fará com que tenhamos esse meio”, completou.

O comandante defendeu as mudanças sugeridas pelo Plano Estratégico, como o reposicionamento das tropas ao longo do território nacional, com a ampliação da presença de unidades do Exército, da Marinha e da Aeronáutica nas fronteiras e ênfase na vigilância dos rios Amazonas e Paraguai-Paraná.

“O plano estratégico da Marinha já frisava que tínhamos necessidade de tomar conta não apenas da foz do Rio Amazonas, mas também de suas vias e das do Rio Paraguai-Paraná. Agora vamos ter os meios necessários para isso”, disse Moura Neto, voltando a demonstrar seu otimismo com o plano estratégico.

A estratégia nacional de Defesa estabelece que a Marinha deve iniciar os estudos e preparativos para estabelecer uma base naval de uso múltiplo o mais próximo possível da foz do Rio Amazonas. Determina também que duas áreas litorâneas continuarão a merecer atenção especial no que diz respeito à necessidade de controlar o acesso marítimo ao Brasil: a faixa que vai de Santos (SP) a Vitória (PR) – onde foram identificados os campos petrolíferos submarinos do Pré-Sal - e a área em torno da foz do rio Amazonas. "Ainda não há uma decisão final sobre a instalação da nova base. Isso continua em estudo", destacou Moura Neto.

O plano estratégico também prevê que a Marinha contará com submarinos convencionais e de propulsão nuclear, armados com mísseis; um corpo de fuzileiros navais permanentemente prontos para entrar em ação e defender instalações navais e portuárias, arquipélagos e ilhas oceânicas; navios de grande porte capazes de operar e de permanecer por longo tempo em alto-mar e embarcações de combate, transporte e patrulha oceânica, litorânea e fluvial.

Além do contrato assinado entre os governos brasileiro e francês para construção de submarinos convencionais e nuclear, um contrato de transferência de tecnologia permitirá à Helibrás construir, em Itajubá (MG), 50 helicópteros de transporte, modelo EC-725, que serão adquiridos pelo Ministério da Defesa e distribuídos às três Forças. Segundo Moura Neto, a Marinha deverá receber 16 A Helibrás é controlada pela francesa Eurocopter, em sociedade com o governo de Minas Gerais. O valor do negócio ainda não foi divulgado.

A presença da Marinha nas bacias fluviais deverá ser facilitada pela inauguração de um modelo multimodal de transporte, contemplando a construção das Hidrovias do Paraná-Tietê, do Madeira, do Tocantins-Araguaia e do Tapajós-Teles Pires. Por orientação do plano, “as barragens serão, quando possível, providas de eclusas, de modo a assegurar franca navegabilidade às hidrovias”.

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 


Comentários
 
Últimas notícias do canal
16/11/2017 - 16h40
6º Distrito Naval terá cerimônia alusiva ao Dia da Bandeira
14/11/2017 - 15h29
Marinha abre seleção para contratação voluntários de nível superior
07/11/2017 - 08h00
Marinha comemora 80 anos do Navio Monitor Parnaíba
30/10/2017 - 10h35
PMA e Marinha autuam pescadores e apreendem 13 embarcações
25/10/2017 - 10h51
Exército treina 3,4 mil militares no sul de MS para uso do Sisfron
 
Últimas notícias do site
17/11/2017 - 16h03
Viralizou: cachorrinho 'penetra' na balada é a imagem mais fofa que você vai ver hoje
17/11/2017 - 10h18
Fim de semana tem sertanejo, funk, comédia e teatro
17/11/2017 - 07h53
Confira as ocorrências dos Bombeiros das últimas horas
17/11/2017 - 07h44
Proprietários rurais são autuados por manterem carvoarias ilegais
17/11/2017 - 06h14
Confira as ocorrências dos Bombeiros das últimas horas
 

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.