BANNER GOV EDUCAÇÃO JAN
   

especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Esportes - 17/10/2013 - 17h15

Governo federal cria comitê para monitorar preços na Copa do Mundo

Grupo irá acompanhar preços, tarifas e qualidade dos serviços no mundial. Colegiado interministerial será comandado pela Casa Civil.




Por G1 MS

 A presidente Dilma Rousseff criou nesta quinta-feira (17) um comitê interministerial para acompanhar os preços, as tarifas e a qualidade de serviços durante os jogos da Copa do Mundo de 2014. O comitê terá a responsabilidade de monitorar hotéis, restaurantes, aeroportos e outros serviços turísticos das 12 cidades-sedes do país, informou a assessoria da Casa Civil.


A comissão foi instaurada por determinação da presidente e será coordenada pela Casa Civil, segundo nota oficial divulgada pela pasta. A primeira reunião técnica do grupo ocorrerá no próximo dia 24.

De acordo com a chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, haverá um “monitoramento sistemático” do comportamento dos agentes prestadores desses serviços durante a realização da Copa, mas não haverá tabelamento de preço.

“Não tabelamos, nem tabelaremos preços, mas nós não permitiremos abusos. Vamos utilizar todos os instrumentos à disposição do Estado para garantir a defesa dos direitos do consumidor, seja ele brasileiro, ou estrangeiro”, disse a ministra no comunicado oficial.

Mais tarde, por meio do perfil da Casa Civil no microblog Twitter, a ministra disse que “não há motivos para preocupação” e que o Brasil receberá a todos “com preço justo na Copa”. “Cabe ao governo, ao Estado brasileiro, monitorar e garantir a defesa dos direitos dos consumidores”, complementou Gleisi.

No Twitter, ministra da Casa Civil diz que "não há motivos para preocupação" sobre os preços durante a Copa (Foto: Reprodução)No Twitter, ministra da Casa Civil diz que "não há motivos para preocupação" sobre os
preços durante a Copa (Foto: Reprodução)

 

 

 

 

Comitê de preços da Copa
Irão integrar o grupo interministerial responsável pelo acompanhamento dos preços durante a Copa representantes dos ministérios do Esporte, Justiça, Turismo, Secretaria de Aviação Civil (SAC), Fazenda e Saúde. As duas últimas pastas serão representadas pela 
Receita Federal, pela Secretaria de Acompanhamento Econômico e pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Ministério da Justiça, de acordo com a nota, manterá contato com os Procons das 12 cidades-sede com o objetivo de fazer um “diagnóstico detalhado dos preços e da qualidades de serviços, como hotéis e restaurantes.

Além disso, o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) analisará os setores aéreo e hoteleiro no Brasil para identificar eventuais inibições da concorrência.

'Pior dos mundos'
Na última terça (15), o presidente da Embratur, Flávio Dino, solicitou que órgãos de defesa econômica e o Ministério Público investigassem eventuais abusos no setor aeronáutico brasileiro. Na visão de Dino, as atuais regras do mercado aéreo nacional são o “pior dos mundos”.

“O pior dos mundos é mercado monopolizado com liberdade tarifária plena, que é o que temos hoje no Brasil”, disse Dino ao G1.

O dirigente do órgão responsável por promover o turismo no país protocolou representações no Ministério Público e no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) alertando sobre as tarifas exorbitantes cobradas nas semanas do mundial. Ele também enviou um ofício para o ministro da Secretaria de Aviação Civil, Moreira Franco, pedindo que a pasta investigue eventuais irregularidades nas práticas empresariais das companhias aéreas do país.

Reportagem publicada nesta segunda (14) pelo jornal "Folha de S. Paulo" revelou que as tarifas aéreas no período do mundial da Fifa do ano que vem estão até dez vezes mais caras do que as registradas em um dia normal.

Mesmo se for comprado com antecedência de oito meses, um bilhete de ida e volta para a ponte aérea entre os aeroportos de Congonhas (São Paulo) e Santos Dumont (Rio) chega a custar R$ 2.393 no dia 12 de junho, data da abertura da Copa, informou a publicação. O valor corresponde a pouco menos do que uma passagem de ida e volta para Nova York (EUA), por exemplo.

Flávio Dino atribui os preços estratosféricos que estão sendo praticados nas semanas da Copa à “falta de bom senso” dos empresários do setor aéreo brasileiro. De acordo com ele, as altas tarifas podem gerar um prejuízo na imagem do Brasil como destino turístico.

Apesar de o dirigente da Embratur defender a imposição de um teto para bilhetes aéreos, o presidente da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Marcelo Guaranys, descartou nesta quarta (16) estabelecer um teto para preços de passagens aéreas como forma de evitar abusos durante a Copa.

De acordo com Guaranys, a legislação atual não permite controle de preços. “A lei estabelece liberdade tarifária. Agimos dentro da determinação legal. Qualquer alteração nesse sentido tem que ser feito por nova legislação”, ressaltou.

Aéreas defendem preço livre
Em nota oficial divulgada na terça-feira, a Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear) defendeu o regime de liberdade tarifária das passagens aéreas no país, vigente desde 2002. A associação, que representa as companhias Avianca, Azul, Gol, TAM e Trip, sustenta que "o tabelamento de preços não trouxe benefícios para os consumidores".

"O número de passageiros transportados triplicou, saltando de pouco mais de 30 milhões de pessoas para mais de 100 milhões em 2012, enquanto o preço médio dos bilhetes caiu 43%", argumentou a entidade.

A Abear justificou o preço elevado das passagens na época da Copa devido à alta demanda, "atípica, muito concentrada em dias e horários específicos", segundo o comunicado. Informou ainda que discute com o governo e outras companhias como "atender a esse quadro".

A associação também culpou o sistema tributário pelos preços elevados dos voos domésticos, especialmente a tributação sobre o combustível.

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 

area
Comentários
 
Últimas notícias do canal
04/01/2018 - 10h28
Corumbaense estreia na Copa São Paulo e desafio é diante do Corinthians
04/01/2018 - 07h07
Comercial empata com Coritiba e Corumbaense pega o Corinthians
02/01/2018 - 09h14
Com dois times de MS, Copa São Paulo abre temporada do futebol brasileiro
27/12/2017 - 12h40
Convênio termina e Prefeitura devolve administração do Arthur Marinho para LEC
01/12/2017 - 13h40
Em grupo com Suíça, Costa Rica e Sérvia, Brasil pode pegar Alemanha nas oitavas
 
Últimas notícias do site
23/01/2018 - 10h20
Unidades de conservação podem ser administradas por parcerias público-privadas
22/01/2018 - 13h13
PMA multa fazendeiro em R$ 16,8 mil por desmatamentos durante a operação Cervo-do-Pantanal
22/01/2018 - 10h32
Em feira de adoção, 61 cães e 37 gastos ganham família e novo lar
22/01/2018 - 10h12
Corumbá já tem Corte de Momo para comandar Carnaval 2018
22/01/2018 - 09h35
Esta receita de arroz carreteiro é cremosa e vai fazer sucesso no seu churrasco
 

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.