TRANSPARENCIA GOV DEZ
   

especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Indústria e Comércio - 07/03/2013 - 08h29

Indústria deixa de ser território restrito dos homens para conquistar as mulheres












Por Redação Pantanal News/Karina Lima-Notícias.MS

Atualmente, conforme o Radar da Fiems, 25,8% dos 130,5 mil trabalhadores do setor em Mato Grosso do Sul são do sexo feminino

Diferente do início do século XX, quando o setor industrial era uma profissão quase que exclusivamente para pessoas do sexo masculino, o início do XXI está sendo marcado pelo ingresso, cada vez maior, das mulheres no então restrito mercado de trabalho dos homens: o chão das fábricas. Levantamento do Radar Industrial da Fiems, com base nos dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) do Ministério do Trabalho e Emprego, aponta que até janeiro deste ano as mulheres já respondem por 25,8% do total de 130.573 trabalhadores do setor industrial de Mato Grosso do Sul, o que representa 33.700 trabalhadoras.

A maioria, ou seja, 14.504, atua nas indústrias de produtos alimentícios e bebidas, logo em seguida aparece o segmento do vestuário, têxtil e artefatos em tecidos, com 6.487 trabalhadoras, tendo em 3º lugar a indústria da construção civil, com 3.033 industriárias, enquanto na 4ª colocação está a indústria química de produtos farmacêuticos, veterinários e perfumaria, com 2.173 mulheres, e, em 5º, a indústria de calçados, com 1.635. Um exemplo é a ex-doméstica Josefa Ribeiro Gomes da Silva, 47 anos, que trocou a antiga profissão para atuar como costureira industrial em uma fábrica de Campo Grande.

Ela reforça que as condições de trabalho na indústria Agosto Confecções são melhores e trazem um retorno financeiro bem mais satisfatório, além da segurança da carteira assinada. "Trabalho de segunda à sexta-feira e ainda tenho tempo para cuidar da minha casa e da família. Antes não tinha horário, trabalhava também nos fins de semana e não sobrava o tempo que eu queria para estar com os meus filhos", afirmou. 

Exemplo de esforço e determinação, a costureira Sueli Beatriz Flores, 36 anos, também funcionária da Agosto Confecções, deixou de lado as atividades do lar para ingressar na indústria do vestuário. "Aprendi tudo na prática dentro da fábrica e confesso que a adaptação foi rápida. Isso tudo foi há quatro anos e agora só vou sair do ramo mesmo quando me aposentar, porque simplesmente adoro o que faço", falou.

Para Sueli Flores, muito além de uma satisfação profissional, o emprego também rendeu mais renda e qualidade de vida. "É mais uma soma de valores. Ajudo meu marido e ganhamos mais oportunidade de compra", ressaltou. A antiga dona de casa Daiany Durães de Morais, 24 anos, trocou a velha profissão para atuar, há dois anos, no Frigorífico JBS. "Estou muito satisfeita com o trabalho e garanto que a curiosidade foi o que despertou minha atenção nessa atividade", informou.

Além disso, ela destaca que a renda fixa e os benefícios também foram atrativos para o seu ingresso na indústria frigorífica. "Foi uma forma rentável de ajudar minha família. O emprego é fixo, também temos cesta básica e outros benefícios", disse.

Já a colega Luciana Linhares, 31 anos, também colaboradora do Frigorífico JBS, atua na área há apenas seis meses e acrescenta que, com a operação de máquinas e o desenvolvimento de novas competências, a mulher amplia suas possibilidades profissionalmente, além da melhoria salarial. "O trabalho é de segunda à sexta-feira, temos algumas vantagens e ainda a chance de crescer dentro da empresa. Nós já rompemos a barreira de que alguns trabalhos são apenas para homens", declarou.

Qualificação

Cada vez mais as mulheres estão conquistando fatias do mercado de trabalho que antes eram preenchidas somente por homens e um exemplo disso é a procura delas pelos cursos oferecidos pelo Senai para atender o setor industrial de Mato Grosso do Sul. De acordo com dados do gerente de educação da entidade no Estado, Marcos Costa, dos mais de 11 mil alunos matriculados até fevereiro deste ano nos mais de 184 cursos em diversas modalidades oferecidas pelo Senai, 50% é composto por mulheres.

Segundo o diretor-regional do Senai, Jesner Escandolhero, a cada ano que passa, mais e mais mulheres procuram as unidades em busca de cursos até então exclusivos do universo masculino. "A velha máxima de que essa ou aquela qualificação era apenas para homens não existe mais, ficou ultrapassada e fora de uso. Agora, as mulheres disputam vagas em qualquer um dos nossos cursos, seja na construção civil ou na automação industrial, nada está fora do escala de interesse delas", garantiu.

Ele acrescenta que a construção civil, considera a última profissão considerada um grande tabu para as mulheres, deixou de ser um terreno masculino para receber mais e mais trabalhadoras. "Hoje, as empresas de construção civil preferem as mulheres nos serviços de acabamento e pintura. Elas são mais cuidadosas e caprichosas e isso já foi comprovado nesses empreendimentos que estão sendo erguidos em Campo Grande, onde boa parte dos empregados que fazem o acabamento é composta por mulheres", destacou.

Esse é o caso da servente de obras Márcia Ramos, 25 anos, que atua em um dos canteiros de obras da Plaenge em Campo Grande. "No começo os colegas estranhavam a minha presença, mas depois eles acostumaram e constaram que sou perfeitamente capaz de executar o mesmo tipo de serviço que os homens executam", garantiu.

Assim também pensa a servente Maria de Fátima dos Santos, 41 anos. "Eu passei pela mesma situação e posso afirmar que o preconceito com mulheres trabalhando na construção civil está diminuindo. Acredito que, em breve, será comum. Graziela Ferreira da Cruz, 29 anos, que atua na parte de serviços

Siga as notícias do Portal Pantanal News no Twitter:
www.twitter.com/PantanalNews

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 

area
Comentários
 
Últimas notícias do canal
17/03/2017 - 09h40
Indústria sem Fronteiras é criado para aquecer economia em municípios
20/01/2016 - 09h43
Exportação de industrializados fecha 2015 com queda de 21,9% em MS
17/12/2015 - 08h30
Mesmo com crise, indústria de alimentos projeta crescer em MS
19/10/2015 - 07h05
Terminal de Porto Murtinho será reaberto nesta terça com embarque de 6 mil toneladas de açúcar
02/10/2015 - 06h54
MS vence disputa com 3 estados e garante industria de R$1,6 bilhão
 
Últimas notícias do site
15/12/2017 - 16h34
Acumulada, Mega-Sena sorteia prêmio de R$ 39 milhões neste sábado
15/12/2017 - 16h02
Veado e tatu são resgatados e devolvidos a natureza
15/12/2017 - 12h35
Comandante e Subcomandante da PMA de Corumbá são homenageados
15/12/2017 - 12h01
PMA autua proprietário rural por armazenamento ilegal de embalagens de agrotóxicos
15/12/2017 - 10h56
Fazendeiro é autuado por armazenamento ilegal de madeira
 

zap

88

ZAP NOVO
Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.