zap
ANIVERSÁRIO CORUMBÁ 2017
   

especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Artigos - 04/03/2013 - 15h21

Tefé, AM – Coari, AM




Por Hiram Reis e Silva

-    Adeus Caros Amigos de Tefé

Em Tefé tivemos a oportunidade de eliminar algumas contraturas musculares que nos afligiam graças às mãos hábeis do Sargento Miro da sessão de saúde da 16ª Brigada. Por estas amazônicas coincidências o Miro é filho do professor e historiador Humberto Ferreira Lisboa, autor do livro “Fonte Boa - chão de heróis e fanáticos”, a quem tivemos a oportunidade de entrevistar, às dez horas, do dia 21 de dezembro de 2008, em Fonte Boa, AM, na nossa descida pelo Rio Solimões. O Mestre, nascido e criado em Fonte Boa, era professor de História do Ensino Médio e um estudioso de sua cidade.

Acordamos às 04h40, nossa próxima jornada de mais de 100 km determinava que partíssemos antes dos primeiros raios do astro rei. Quando a viatura, dirigida pelo Cabo Viana, passou, às cinco horas, na frente da residência do Ten Cel Marcelo Rojo, Comandante da 16ª Base Logística de Selva este já estava a postos para nos acompanhar até o porto da 16ª Ba Log. Levamos as embarcações até a água e iniciamos os preparativos para a nova jornada. Estávamos envolvidos nessa rotina quando chegou o Chefe do EM da 16ª Bda Inf Sl, Coronel Dougmar Nascimento das Mercês. Despedimo-nos dos caros amigos e da guarnição que estava de serviço guardando nas nossas lembranças o carinho e a fidalguia dos caros irmãos de farda de Tefé.

-    Foco na Missão

Partimos alegres não apenas por termos cumprido com total dedicação e estoicismo o reconhecimento dos quase 3.000 km do Rio Juruá, mas, sobretudo, por este fato ser devidamente reconhecido e aplaudido por todos os membros da 16ª Bda Inf Sl, a guardiã oficial da Bacia do Juruá. Eu me sentia muito mais leve com a temporária sensação de dever cumprido. Temporária, na verdade, pois as informações e dados coletados iam merecer ainda meses de trabalho antes de serem apresentados ao Gen Ex Villas Bôas, Cmt CMA, e ao Gen Div Fraxe Diretor do DNIT. Desde o início da Expedição Belarmino Mendonça eu tinha assumido o compromisso de cumprir, a qualquer preço, minha missão. Nunca em minha vida deixei de levar a bom termo qualquer missão engendrada por meus superiores hierárquicos e não ia ser agora do alto de meus 62 anos de vida, dos quais mais de quatro décadas, na ativa ou na reserva, dedicadas ao meu exército e à minha pátria, que eu iria fracassar ou, pior ainda, desistir.

Tínhamos chegado a remar até 13 horas em um único dia, suportado tempestades e banzeiros, sol causticante, assédio dos insetos, dores musculares lancinantes, mas fomos recompensados pela hospitalidade ribeirinha, pelo apoio das autoridades e empresários, pela oportunidade de fazer parte de uma pequena equipe de guerreiros formidáveis que encararam cada desafio com um sorriso nos lábios, gratos pelo ensejo de poder testar seus limites e, sobretudo, de chegar a cada meta diária com a agradável sensação de dever cumprido.

-    Partida para Comunidade Iracema (26.02.72)

“Olha esta água, que é negra como tinta.
Posta nas mãos, é alva que faz gosto;
Dá por visto o nanquim com que se pinta,
Nos olhos, a paisagem de um desgosto”.
(Quintino Cunha)

Aproveitando as luzes da cidade e da lua rumamos lentamente, no início, para aquecer os músculos. Despedimo-nos das “águas negras como tinta” do Lago de Tefé e adentramos no leitoso e barrento Solimões. Foi somente neste momento que os primeiros raios do dorminhoco Sol estendiam preguiçosamente seus raios matizando com maestria o horizonte à nossa proa. A área já eram minha conhecida apesar das mudanças, aqui e ali, provocadas pela feroz torrente do tumultuário Rio. Passamos, por volta das 09h30, ao largo de Caiambé onde eu aportara, no dia 03.01.2009, e contatara a senhora Valdecia dos Santos Silva, mais conhecida como Beti, secretária da Escola Estadual Amélia Lima, que alojou-nos na sala de aula número 01, com ar condicionado, e franqueou-nos o acesso às instalações sanitárias e cozinha da escola.

Mais tarde, por volta do meio-dia, acostei em Jutica onde, em 04.01.2009, eu conhecera o escritor e latifundiário, patrão daquelas terras, Jones Cunha, que havia nos oferecido um café com sucos, tapioca e pupunha, além de me presentear com seu livro “Jutica, o brilho da terra”. Um morador informou-nos que o Jones estava em Manaus e que tomássemos muito cuidado no percurso até Coari, não especificando a razão de sua recomendação.

Pelas três horas da tarde passamos pela Comunidade Santa Sofia, onde eu havia parado no flutuante do Sr. Plínio, mais conhecido como Bom Fim. Um filho de paraibanos que migrou com sua família do Juruá por pressão de seringalistas. Aposentado, com os filhos criados e morando em Manaus, resolveu procurar sossego no pequeno vilarejo às margens do Lago Catuá, junto com sua amável esposa Conceição que era, na época (janeiro de 2009) a Presidente da Comunidade de Santa Sofia. A Srª Rita, irmã da Dona Conceição, informou que ambos estavam em Coari fazendo compras e que só retornariam depois das dezessete horas. Aproamos para a Comunidade Iracema.

Depois de remarmos 107 km, durante onze horas entre paradas e remadas (9,7 km/h), chegamos a Iracema onde fomos acolhidos gentilmente na residência da Srª Nilzete Ferreira Lopes. Enquanto o Mário montava nosso acantonamento na grande sala da residência o Marçal preparava a enorme dourada comprada pelo Mário. O nosso cozinheiro conseguiu na Comunidade os condimentos necessários e proporcionou um belo jantar que foi compartilhado pela nossa anfitriã e seus dois filhos Élson e Bruno. O capricho e a limpeza da residência e do seu entorno são de causar inveja aos mais exigentes. As panelas e demais utensílios de cozinha estavam imaculadamente limpos, a casa pintada, com cores vivas, possuía instalações amplas e extremamente asseadas.

Pedi ao Mário que tirasse algumas fotografias da escolinha localizada no alto do barranco e cujo acesso, segundo informações que eu colhera em 2009 e confirmara agora, se dava por intermédio de 162 degraus de madeira. O Mário aproveitou a subida até o topo do morro, de onde fez algumas belas tomadas, e contou os degraus. O número correto é de 102 embora há anos se refiram à bela povoação como a Comunidade dos 162 degraus.

-    Partida para Coari (27.02.72)

“Samaumeira! Liana e flores, em festa,
Descem da copa imensa que a amplidão fareja...
E o sol, em sangue e ouro, portentoso beija
A soberana - graça e força - da floresta.

Mas quando, em transe, o vento sopra as tempestades,
E lhe fere, zimbrando, a colossal umbela,
Luta, esbraveja, cai... grandiosamente bela,
Porém jamais se curva como os vis covardes! ...”
(Almino Álvares Affonso)

Partimos, por volta das 05h20, para uma jornada de 122 km, fazendo votos para que o tempo colaborasse, pois do contrário, seria difícil atingir nosso objetivo antes do pôr-do-sol. Estava muito escuro e somente depois de mais de 90 minutos de remo é que começaram a despontar na nossa proa os primeiros e dolentes raios solares. O amanhecer era magnífico e as nuvens que adornavam o firmamento prenunciavam um tórrido dia. Procuramos navegar bem afastados das margens, o Mário deixara o motor de popa de 40 HP em condições de ser utilizado imediatamente tendo em vista a notícia de piratas que estariam agindo indiscriminadamente abordando e assaltando navegantes por estas bandas. Só nos faltava mais essa, por ironia do destino, no Baixo Juruá, os ribeirinhos achavam que nós éramos traficantes ou bandoleiros e agora, no Solimões, nós é que poderíamos ser vítimas destes.

Felizmente nada aconteceu e vencemos noventa quilômetros sem grandes surpresas ou cansaço. Parece, porém, que São Pedro, mais uma vez queria nos colocar em cheque. Há 32 km de Coari, um vendaval seguido de chuva torrencial obrigou-nos a procurar abrigo em uma ilha a Boreste. Como sempre, depois da ventania que precede as amazônicas tempestades, desta feita com ventos de 50 km/h seguidos de rajadas que beiravam os 70 km/h, e da chuva torrencial, que durou uns vinte minutos, sobrevieram banzeiros com ondas de mais de metro que vinham de todos os lados chacoalhando as embarcações ao seu bel prazer.

Mais uma vez o fleumático “Cabo Horn” fabricado pela Opium Fiberglass, de meu caro amigo Fábio Paiva, cortava a água como se estivesse navegando em águas tranquilas fazendo pouco do tumultuário e nervoso movimento aquático que o cercava e golpeava freneticamente seu casco. Mais uma vez rendo homenagens a esta magnífica embarcação que já enfrentou mais de 8.000 km na Amazônia e que jamais deixou de corresponder às minhas expectativas enfrentando ventos e banzeiros consideráveis com uma estabilidade invejável.

Os recreios, embarcações de passageiros, tinham buscado refúgio nas margens tal a ferocidade da tormenta. Continuamos nossa navegação e ao contornarmos uma grande “angustura” a montante de Coari avistamos a cidade a uns vinte km de distância. O Mário contatou, por telefone, nossa equipe de terra gaúcha e o Major PM Norte que nos garantira apoio em Coari. Logo que chegamos às escadarias próximas ao Porto naufragado de Coari, que foi ao fundo após uma reforma mal feita, avistamos a tropa do Maj PM Norte que nos aguardava.

Seguindo orientação dos Policiais Militares deixamos a nossa lancha aportada junto a um flutuante denominado Mercadinho Paulão, de propriedade do Sr. Paulo Lopes de Oliveira, e guardamos nossas bagagens e combustível em local seguro no mesmo flutuante. Os caiaques foram acomodados na embarcação também de propriedade do Paulão chamada Kaillon de Paula. Graças a gestões do Cmt Norte junto à Prefeitura de Coari ficamos muito bem acomodados no Hotel LH.

-    Investimento em Soberania

Mais uma vez apelamos a nossos investidores para que continuem colaborando, cada um dentro de suas posses, para que possamos cumprir a meta de chegar a Manaus. Aqueles que ainda não conhecem nosso projeto peço que visitem o Blog: http://www.desafiandooriomar.blogspot.com

Conta Bancária de Hiram Reis e Silva
Banco do Brasil (001) - Agência: 4848 - 8
Conta Corrente: 117 889 - X
CPF: 415 408 917-04
Endereço: Rua Dona Eugênia, 1227
CEP 90630-150 - Porto Alegre - RS
Telefone: (51) 9234 2378
E-mail:    hiramrsilva@gmail.com

-    Livro do Autor

O livro “Desafiando o Rio-Mar – Descendo o Solimões” está sendo comercializado, em Porto Alegre, na Livraria EDIPUCRS – PUCRS e na rede da Livraria Cultura (http://www.livrariacultura.com.br). Para visualizar, parcialmente, o livro acesse o link:
http://books.google.com.br/books?id=6UV4DpCy_VYC&printsec=frontcover#v=onepage&q&f=false

Coronel de Engenharia Hiram Reis e Silva
Professor do Colégio Militar de Porto Alegre (CMPA);
Presidente da Sociedade de Amigos da Amazônia Brasileira (SAMBRAS);
Membro da Academia de História Militar Terrestre do Brasil – RS (AHIMTB – RS);
Membro do Instituto de História e Tradições do Rio Grande do Sul (IHTRGS);
Colaborador Emérito da Liga de Defesa Nacional.
E-mail: hiramrsilva@gmail.com

Os artigos publicados com assinatura não representam a opinião do Portal Pantanal News. Sua publicação tem o objetivo de estimular o debate dos problemas do Pantanal do Mato Grosso do Sul e de Mato Grosso, do Brasil e do mundo, garantindo um espaço democrático para a livre exposição de correntes diferentes de pensamentos, idéias e opiniões. redacao@pantanalnews.com.br

 

Siga as notícias do Portal Pantanal News no Twitter:
www.twitter.com/PantanalNews

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 

zap2
Comentários
 
Últimas notícias do canal
04/09/2017 - 09h11
3ª Etapa da Expedição Centenária Roosevelt-Rondon (Parte III)
04/09/2017 - 09h06
3ª Etapa da Expedição Centenária Roosevelt-Rondon (Parte II)
04/09/2017 - 09h01
3ª Etapa da Expedição Centenária Roosevelt-Rondon (Parte I)
28/07/2017 - 16h47
Chapéu Bandeirante
24/07/2017 - 09h01
Atentado à Vida de Plácido de Castro
 
Últimas notícias do site
22/09/2017 - 17h12
Vídeo: Ministro oficializa migração de 23 rádios da frequência AM para FM
22/09/2017 - 17h00
Vídeo: Ministro assina documento que autoriza migração de rádios AM para FM em MS
22/09/2017 - 15h58
Aquidauana sedia encontro para debater inclusão no IFMS
22/09/2017 - 14h39
Projeto Florestinha realizou Educação Ambiental para alunos em comemoração ao dia da árvore
22/09/2017 - 13h11
PMA apreende redes e liberta peixes dos petrechos ilegais
 

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.