zap
   

especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Artigos - 23/10/2012 - 10h21

Ainda o Dia do Professor






Por Hiram Reis e Silva

Ninguém nega o valor da educação e que um bom professor é imprescindível. Mas, ainda que desejem bons professores para seus filhos, poucos pais desejam que seus filhos sejam professores. Isso nos mostra o reconhecimento que o trabalho de educar é duro, difícil e necessário, mas que permitimos que esses profissionais continuem sendo desvalorizados. Apesar de mal remunerados, com baixo prestígio social e responsabilizados pelo fracasso da educação, grande parte resiste e continua apaixonada pelo seu trabalho. A data é um convite para que todos, pais, alunos, sociedade, repensemos nossos papéis e nossas atitudes, pois com elas demonstramos o compromisso com a educação que queremos. Aos professores, fica o convite para que não descuidem de sua missão de educar, nem desanimem diante dos desafios, nem deixem de educar as pessoas para serem “águias” e não apenas “galinhas”. Pois, se a educação sozinha não transforma a sociedade, sem ela, tampouco, a sociedade muda. (Paulo Freire - Verdades da Profissão de Professor)
-    Cotas nas Universidades

Quando o governo tupiniquim resolve estabelecer cotas raciais contraria a própria Constituição Federal que estabelece que todos são iguais perante a Lei ou será que nossos governantes consideram que os descendentes de negros e índios não são cidadãos brasileiros ou são “mais iguais” que os demais. Tenho sangue índio nas veias como mais da metade da população deste país, seria justo pleitearmos cotas especiais nas Universidades?

Em 2000, um estudo do laboratório Gene, da Universidade Federal de Minas Gerais, mostrou que 33% dos brasileiros que se consideravam brancos tinham DNA mitocondrial vindo de mães índias. “Em outras palavras, embora desde 1500 o número de nativos no Brasil tenha se reduzido a 10% do original (cerca de 3,5 milhões para 325 mil), o número de pessoas com DNA mitocondrial ameríndio aumentou mais de dez vezes”, escreveu o geneticista Sérgio Danilo Pena no “retrato molecular do Brasil”. Esses números sugerem que muitos índios largaram as aldeias e passaram a se considerar brasileiros.

O Governo precisa investir na educação e não se utilizar de mecanismos esdrúxulos para beneficiar minorias atuantes. No meu tempo procuravam o ensino particular apenas aqueles que não tinham capacidade intelectual para acompanhar o excelente ensino público proporcionado pelo Estado. Mecanismos de exceção atestam que o governo reconhece sua incompetência em solucionar o fracassado modelo de ensino adotado até então.

-    Exemplos que vem de Longe

Nas minhas amazônicas andanças tive a oportunidade de conhecer personalidades fantásticas. Minha jornada de aprendizado permeou entre a sabedoria da gente simples das ribeiras e a cultura dos intelectuais citadinos da mais alta estirpe. Ouvi extasiado suas histórias de vida, sua coragem em arrostar as dificuldades de toda a ordem e sua brava persistência em prosseguir quando momentaneamente fracassavam.

Uma dessas criaturas fabulosas que mais chamaram minha atenção pela gentileza com que nos brindou ao receber-nos em sua bela residência em Porto Velho, RO, pelo exemplo de vida e conhecimento que demonstrou ao contar-nos a história de sua região foi o Professor Dante.

O Professor Doutor Dante Fonseca, da Universidade Federal de Rondônia, historiador e escritor renomado enviou um comentário a respeito de meu artigo sobre o “Dia do professor”, publicado no dia 15 de outubro, que faço questão em dividir com os leitores.

-    Professor Dante Ribeiro Fonseca

Meu caro Hiram, tudo isso que está acontecendo com o Brasil é uma tristeza. A demagogia substituiu não somente o bom senso, mas também o senso comum. Hoje somos governados por minorias ativistas encasteladas em ONGs que falam em nome da sociedade mas sem consultá-la. Essas organizações nada têm de não governamentais, pois são custeadas com dinheiro público. Resultado, se não foi esse modelo de política que aí está que construiu a perversa realidade educacional que hoje vivemos ele tem a culpa de aprofundar o fosso. 60% dos brasileiros são analfabetos funcionais, 20% dos jovens entre 16 e 20 anos não estudam e nem trabalham, são percentuais espantosos. Onde vamos parar.

Estamos construindo uma geração de analfabetos e mimados, o professor não tem mais autoridade em sala de aula. Agora temos que consumir mais um produto importado pela mediocridade de nossas elites intelectuais, o “bullying”. Com isso completamos o ciclo. Além de mimados vamos criar uma geração de florzinhas. Já passou da hora de mudar esse modelo educacional que cria cifras ficcionais. Contudo, agora eles investem em destruir a universidade pública, assim como antes o fizeram com a escola pública.

O ministro da educação, ao ser perguntado sobre a dificuldade dos cotistas em acompanharem o curso superior aconselhou cinicamente a que providenciássemos “aulas de reforço”. É assim, o povo continua enganado. As cotas são cortinas de fumaça, não têm o condão de reduzir a brutal desigualdade social existente em nosso país. É como o governo dissesse aos pobres: “Não vamos dar boas escolas públicas a todos vocês, mas como compensação vamos facilitar para que alguns de vocês entrem na universidade”.

Hoje se um aluno zerar no vestibular e houver vaga no curso escolhido temos que matriculá-lo. Criaram um “índice de sucesso” que na verdade é um índice de aprovação, meramente quantitativo. Vejo cada vez mais alunos desistirem dos cursos de magistério horrorizados com a realidade com a qual conviverão profissionalmente e com a remuneração, menor que a do pipoqueiro da porta da escola onde serão professores. Para quê o sacrifício? Para quê o esforço? No primeiro concurso para policial ou nível médio do Poder Judiciário é aquela evasão, pois ganha-se mais e sacrifica-se menos. Além disso, preocupado com a evasão, que tem aumentado mesmo na ausência desses concursos, perguntei aos alunos sobre causas do fenômeno. Responderam-me que os que desistem declaram fazê-lo por não poder acompanhar as leituras. Resultado, continuamos a ter uma escola elitista, para os ricos as boas escolas particulares, para os pobres o lixo que se tornou (porque nem sempre foi assim) a escola pública.

O ciclo certamente se completará com a universidade pública. A escola brasileira precisa mudar a filosofia que a tem dirigido pelos últimos quarenta anos. De concessão em concessão, de pedagogismo em pedagismo chegamos a uma escola que nem ensina quanto mais educa. Hoje professores são agredidos e alunos mortos a facadas pelos seus colegas dentro das escolas, uma situação impensável há quarenta anos. Certo estava Oliveira Viana na década de 30, no Brasil temos uma legislação avançadíssima, sempre tivemos, para acobertar uma realidade social que com ela entra em conflito (e isso vale também para o período da escravidão, guardadas as devidas proporções).

Sou professor e pai de dois brasileiros. O rapaz é advogado e a moça prepara-se para enfrentar o vestibular de medicina. Trabalho desde os nove anos de idade, lutei para superar a pobreza em que nasci, não fui agraciado com cota ou bolsa família. No meu tempo existia a caixa escolar que fornecia uniforme e material escolar para os alunos pobres, mas uma reprovação e perdia-se o benefício.

Lutei e consegui sair da pobreza às minhas custas e hoje vejo minha filha castigada com uma oportunidade menor de entrar para a universidade pública, em função das cotas, porque seu pai e sua mãe foram bem sucedidos em superar uma situação social adversa. Que país é esse, que premia o fracasso e pune o sucesso? Paro por aqui, desculpe o desabafo. O Brasil precisa mudar, mas não vislumbro nas experiências políticas passadas e presentes as boas mudanças que pretendemos. Não vislumbro também nas forças políticas partidárias em jogo atualmente nenhuma com capacidade de comandar as mudanças.

Att. Dante Fonseca (ainda professor)
-    Livro do Autor

O livro “Desafiando o Rio-Mar – Descendo o Solimões” está sendo comercializado, em Porto Alegre, na Livraria EDIPUCRS – PUCRS, na rede da Livraria Cultura (http://www.livrariacultura.com.br) e na Associação dos Amigos do Casarão da Várzea (AACV) – Colégio Militar de Porto Alegre.

Para visualizar, parcialmente, o livro acesse o link:

http://books.google.com.br/books?id=6UV4DpCy_VYC&printsec=frontcover#v=onepage&q&f=false


Coronel de Engenharia Hiram Reis e Silva
Professor do Colégio Militar de Porto Alegre (CMPA);
Presidente da Sociedade de Amigos da Amazônia Brasileira (SAMBRAS);
Membro da Academia de História Militar Terrestre do Brasil - RS (AHIMTB - RS);
Membro do Instituto de História e Tradições do Rio Grande do Sul (IHTRGS);
Colaborador Emérito da Liga de Defesa Nacional.
E-mail: hiramrs@terra.com.br
Blog: http://www.desafiandooriomar.blogspot.com

Os artigos publicados com assinatura não representam a opinião do Portal Pantanal News. Sua publicação tem o objetivo de estimular o debate dos problemas do Pantanal do Mato Grosso do Sul e de Mato Grosso, do Brasil e do mundo, garantindo um espaço democrático para a livre exposição de correntes diferentes de pensamentos, idéias e opiniões. redacao@pantanalnews.com.br


Siga as notícias do Portal Pantanal News no Twitter:
www.twitter.com/PantanalNews

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 

area
Comentários
 
Últimas notícias do canal
24/04/2017 - 09h53
Dr. Francisco Cavalcante Mangabeira – Parte V
20/04/2017 - 15h12
Adolescentes em risco de suicídio e o jogo da Baleia Azul
18/04/2017 - 15h00
Dr. Francisco Cavalcante Mangabeira – Parte IV
18/04/2017 - 14h55
Dr. Francisco Cavalcante Mangabeira – Parte III
18/04/2017 - 14h50
Dr. Francisco Cavalcante Mangabeira – Parte II
 
Últimas notícias do site
24/04/2017 - 13h30
Polícia prende jovem com maconha e cocaína em Aquidauana
24/04/2017 - 12h55
Clima muda e entressafra faz preço do leite subir 8% ao produtor de MS
24/04/2017 - 10h39
Corpo do cantor Jerry Adriani é velado no Rio
24/04/2017 - 09h56
Declaração do Imposto de Renda termina sexta; fique atento ao prazo
24/04/2017 - 09h53
Dr. Francisco Cavalcante Mangabeira – Parte V
 

zap

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.