zap
MAIS OBRAS MS 3 MESES
   

especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Artigos - 14/05/2012 - 10h09

Desenvolvimento humanista




Por Bruno Peron Loureiro

Bruno Peron

Em 1990, um grupo de economistas asiáticos arquitetou o conceito de "desenvolvimento humano" e formulou a primeira edição de seu Relatório no âmbito do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), um órgão da Organização das Nações Unidas (ONU). A frase que ensejou a fundação deste novo conceito é: "As pessoas são a riqueza real de uma nação".

O desenvolvimento deveria enfatizar, assim, as pessoas e trazê-las ao centro do processo de transformação da sociedade nos debates e nas políticas econômicas. Na visão do paquistanês Mahbub ul Haq, fundador do Relatório, o objetivo básico deste empreendimento é ampliar as escolhas das pessoas.

O economista indiano Amartya Sen, em seu turno, declarou que "desenvolvimento humano" é "avançar a riqueza da vida humana, em vez da riqueza da economia na que seres humanos vivem". A partir de então, o conceito de "desenvolvimento humano" não se aplica somente desde as pesquisas anuais do PNUD, mas também em vários contextos nacionais ao redor do mundo, isto é, inspira governos em várias esferas.

Estas ideias serviram de ponto de partida para uma reflexão mais ampla e inclusiva do conceito de desenvolvimento a fim de elucidar maneiras alternativas de transformar os países em função de algo mais que a utilidade materialista das mercadorias. Um dos argumentos favoráveis a esta guinada paradigmática refere-se ao desafio de reduzir as desigualdades nas avaliações anteriores à criação do Relatório.

O que constituiu o paradigma de "desenvolvimento humano" na década de 1990, que foi tomada pela onda de preceitos neoliberais, certamente difere do que significa hoje, uma vez que se trata de um conceito dinâmico, ou seja, que se condiciona na medida da transformação que provoca nas sociedades.

O PNUD declara que, mesmo nos países que enfrentaram condições econômicas adversas, a maioria das pessoas vive com mais saúde, longevidade, educação e acesso a bens e serviços. Comparativamente, o conceito similar de Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) classifica os países da Organização das Nações Unidas em função de critérios como expectativa de vida, nível educativo e renda real (não a per capita). Nele, porém, as desigualdades assumem outras proporções.

Em 2010, o Relatório de Desenvolvimento Humano cumpriu seu vigésimo aniversário. No Prefácio da edição deste ano, Helen Clark, diretora do PNUD, declarou que "o desenvolvimento nacional deve ser medido não simplesmente pela renda, como tem sido há muito tempo, mas também pela expectativa de vida e alfabetização".

Inúmeros têm sido os esforços para agregar variáveis ao conceito de "desenvolvimento" de modo a suavizar que ele mesmo, afinal de contas, desigualou tudo o que hoje tenta combater ou reduzir em nome do humanismo.

A gestação do Relatório de Desenvolvimento Humano conformou uma tentativa de "humanizar" a carga economicista do conceito de "desenvolvimento". O risco, no entanto, é de que a economia, que em si encerra também um aspecto de desenvolvimento humano, passe a fagocitar outras esferas humanas dentro de suas diretrizes políticas através de uma fachada legitimadora que encubra a reivindicação de um "desenvolvimento" efetivamente mais humanitário. Noutras palavras, o aspecto "humano" do "desenvolvimento" não se deve transformar noutro elemento mais para avaliação de crescimento, renda, demanda, oferta, oscilação, etc.

O conceito de "desenvolvimento humano" não resolve, ainda, o impasse do humanismo como fim na medida em que aquele redunda no próprio "desenvolvimento" a despeito da boa vontade de seus ideólogos e das políticas que o aplicam.

Será possível olhar com menos desconfiança quando não seja a economia o campo ou a disciplina que nos tente redimir dos pecados do "desenvolvimento".

http://www.brunoperon.com.br

Os artigos publicados com assinatura não representam a opinião do Portal Pantanal News. Sua publicação tem o objetivo de estimular o debate dos problemas do Pantanal do Mato Grosso do Sul e de Mato Grosso, do Brasil e do mundo, garantindo um espaço democrático para a livre exposição de correntes diferentes de pensamentos, idéias e opiniões. redacao@pantanalnews.com.br

 

Siga as notícias do Portal Pantanal News no Twitter:
www.twitter.com/PantanalNews

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 


Comentários
 
Últimas notícias do canal
28/07/2017 - 16h47
Chapéu Bandeirante
24/07/2017 - 09h01
Atentado à Vida de Plácido de Castro
22/05/2017 - 09h01
Heraldo Pereira e Bosco Martins: um breve reencontro entre amigos
04/05/2017 - 14h30
Dr. Francisco Cavalcante Mangabeira – Parte VI
02/05/2017 - 11h08
O poeta de Sobral
 
Últimas notícias do site
19/08/2017 - 17h12
Vídeo: Ministro oficializa migração de 23 rádios da frequência AM para FM
19/08/2017 - 17h00
Vídeo: Ministro assina documento que autoriza migração de rádios AM para FM em MS
19/08/2017 - 09h45
PMA autua empresa de Mato Grosso e apreende carreta com carga ilegal de madeira
19/08/2017 - 09h01
AGENDONA: Fim de semana tem tradicional 'Bon Odori', espetáculo 'Improváveis' e mais
19/08/2017 - 08h00
Em Campo Grande, ministro autoriza migração de 36 emissoras AM para FM
 

zap

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.