zap
   

especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Emprego - 03/04/2012 - 14h29

Trabalho degradante é flagrado pela segunda vez nas obras da Estrada Parque




Luiz Carlos Alves da Luz

Trecho da Estrada Parque onde os trabalhadores foram encontrados



Interior do ônibus da empresa Ascol utilizado como alojamento pelos trabalhadores



Ônibus da empresa Ascol onde os trabalhadores dormiam
Por Redação Pantanal News/Ministério Público do Trabalho em Mato Grosso do Sul


Agesul descumpre liminar da Justiça do Trabalho que a obrigava a fiscalizar a regularidade das em obras de reforma das pontes na região do Pantanal. Construtora também descumpriu TAC firmado com o MPT.

 

 

Campo Grande (MS) – Operação conjunta do Ministério Público do Trabalho (MPT), Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) e Polícia Federal, realizada na região do Pantanal, de 27 a 29 de março, flagrou, pela segunda vez, trabalho degradante nas obras de reforma da Estrada Parque, a MS-185. Cinco trabalhadores foram encontrados em situação degradante, na região da vazante XVII, em obra de responsabilidade da empresa Ascol Construções Ltda.

 

A fiscalização comprovou o descumprimento da liminar concedida pela Justiça do Trabalho para obrigar o Estado, por meio da Agência Estadual de Gestão de Empreendimentos (Agesul), a fiscalizar as obras objeto de concessão pública. Verificou, ainda, o descumprimento do termo de ajuste de conduta (TAC) firmado pela Ascol com o MPT, que reiterou as condutas irregulares flagradas na primeira fiscalização.

 

Os trabalhadores dormiam no ônibus adaptado com beliches com colchões inadequados. Além disso, a empresa não fornecia roupas de camas. No interior do ônibus também eram guardados equipamentos, materiais e ferramentas. Já a cozinha funcionava em um barraco de madeira improvisado na beira da estrada. Conforme acrescenta o procurador do Trabalho Rafael Salgado, “como se não bastasse, os poucos equipamentos de proteção encontrados no local estavam em péssimo estado de conservação”.

 

No local, também não havia instalações sanitárias e as roupas eram lavadas no corixo. Segundo relato dos trabalhadores, a água para o consumo e para o banho era buscada em pousada próxima ao local. As irregularidades foram constatadas em região onde há muitos empreendimentos turísticos visitados por turistas brasileiros e estrangeiros.


Reincidência - A primeira ação conjunta que flagrou as irregularidades foi realizada em setembro de 2011. Na ocasião, 30 trabalhadores foram encontrados alojados em barracos de lona, às margens do rio, em situação degradante, sem carteira assinada e sem equipamentos de proteção. Para sanar as irregularidades, as empresas terceirizadas, entre as quais a Ascol, firmaram TACs, comprometendo-se a adequar as condições de trabalho.

 

Por causa da omissão na fiscalização das normas de saúde, segurança e higiene no trabalho das obras de reconstrução de pontes, o MPT ajuizou ação contra o governo do Estado. Em janeiro deste ano, a Justiça do Trabalho concedeu liminar que condenou a Agesul a fiscalizar o cumprimento da legislação trabalhista pelas empresas contratadas para execução de obras e serviços públicos, como medida urgentes para resguardar a saúde e a vida dos trabalhadores empregados nessas obras.

 

Providências – Segundo Rafael Salgado, as obras foram encontradas nas mesmas condições irregulares flagradas em 2011, o que comprova o descumprimento da liminar, por parte da Agesul, e do TAC, por parte da empresa Ascol. A liminar concedida previa multa de R$ 10 mil por descumprimento de cada obrigação. Por causa da reincidência, o MPT pretende acionar a Justiça do Trabalho para pedir a execução da liminar e do TAC.

 

Siga as notícias do Portal Pantanal News no Twitter:
www.twitter.com/PantanalNews

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 


Comentários
 
Últimas notícias do canal
19/04/2017 - 16h55
Nota Oficial- Superintendência Regional do Trabalho em Campo Grande
11/04/2017 - 09h41
Tribunal Regional Eleitoral continua com inscrições para 24 vagas de estágio
04/01/2017 - 10h05
Governo abre 12 vagas em processo seletivo com salários de R$ 3,9 mil
14/12/2016 - 08h18
Ministério de Trabalho realiza mutirão de atendimento em 8 cidades de MS
25/11/2016 - 07h31
UFMS abre no dia 29 inscrição de processo seletivo para 12 vagas
 
Últimas notícias do site
25/05/2017 - 07h14
Aprovado PL do Deputado Dr. Paulo Siufi que Institui o Programa de Terapia Floral em MS
25/05/2017 - 06h17
Quinta-feira deve ser de calor em MS e possibilidade de chuvas à tarde
24/05/2017 - 16h26
Temer aciona tropas federais para proteger Planalto e ministérios após vandalismo, anuncia Jungmann
24/05/2017 - 15h14
Carreta do Hospital do Câncer terá exames preventivos semana que vem na Capital
24/05/2017 - 15h13
Deputado Dr. Paulo Siufi defende direito de mães à amamentação em local adequado
 

zap

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.