zap
   

especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Artigos - 10/03/2012 - 09h53

Descriminalização das Iniquidades, Criminalização da Fé






Por Hiram Reis e Silva

Ora o homem natural não compreende as coisas do Espírito de Deus, porque lhe parece loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente.

(Coríntios: 2 – 14)

E, por se multiplicar a iniquidade, o amor de muitos esfriará.

(Mateus: 24 – 12)

O Conselho da Magistratura do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJ-RS) determinou, no dia 02.03.12, por decisão unânime, a retirada dos símbolos religiosos das dependências da Justiça gaúcha. A decisão do TJ-RS foi requerida por uma ação de seis organizações ligadas à defesa dos direitos dos homossexuais e das mulheres: a Liga Brasileira de Lésbicas (LBL), o grupo Nuances, a ONG Somos, a ONG Themis, a Rede Feminista de Saúde e a Marcha Mundial de Mulheres. Os ativistas pleiteiam, também, a retirada de símbolos religiosos da Câmara Municipal de Porto Alegre, do Governo do Estado e da Assembleia Legislativa. Na democracia de hoje as ruidosas e ignaras minorias determinam as normas a serem seguidas pela maioria omissa e silenciosa.

-  A CRUZ

    Fonte: Revista Planeta Especial, Junho 1983

Os idiotizados ativistas de todos os matizes religiosos e/ou sexuais que se opõem à presença ostensiva e tradicional da cruz em repartições públicas desconhecem que seu simbolismo ultrapassa os parcos limites da crença cristã, seguida pela grande maioria dos brasileiros, pois sua origem é anterior a do próprio Cristo.

(...) O significado arquetipal do símbolo da cruz é sempre o da conjunção dos opostos: o eixo vertical (masculino) com o eixo horizontal (feminino); o positivo com o negativo; o homem com a mulher; o superior com o inferior; o tempo com o espaço; o ativo com o passivo; o Sol com a Lua; a vida com a morte; Espírito e matéria, etc. A união dos opostos é a idéia central contida na simbologia da crucificação de Cristo, e a razão pela qual a cruz foi escolhida como emblema magno do cristianismo. O sentido básico da crucificação é o de experienciar a essência do antagonismo, uma idéia que reside na própria raiz da existência, já que tudo no universo (e no homem) nasce e se desenvolve a partir do choque doloroso de forças antagônicas.

A cruz tem um significado religioso e esotérico para povos tão distintos e tão distantes como os fenícios, persas, etruscos, romanos, egípcios, celtas, peruanos, mexicanos e os indígenas da América Central e do Norte.

A teosofia explica o sentido místico da cruz como sendo originário do dualismo andrógino presente em todas as manifestações da natureza. A cruz significa, assim, a idéia do homem regenerado, aquele que conseguiu integrar harmoniosamente as suas duas partes e que, “crucificado” como mortal, como homem de carne com suas paixões, renasce como imortal.

Na simbologia rosacruz, cruz ocupa posição proeminente. Aqui ela simboliza os quatro reinos da natureza. O reino mineral anima a todas as substâncias químicas, de maneira que a cruz feita de qualquer material é símbolo desse reino. O madeiro inferior da cruz representa o reino vegetal, porque, esotericamente, as correntes dos espíritos-grupos que dão vida às plantas provêm do centro da Terra. O madeiro superior simboliza o homem, porque as correntes vitais que animam o ser humano descem do Sol e impregnam o planeta Terra. O madeiro horizontal simboliza o reino animal, que se encontra entre os reinos vegetal e humano, com a sua coluna vertebral na posição horizontal. O estudioso Cirlot, uma das maiores autoridades mundiais em símbolos, explica também que a cruz, como o símbolo da “Árvore da Vida”, funciona como emblema do “eixo do mundo”. Situada no centro ou coração místico do cosmos, a cruz transforma-se, simbolicamente, na ponte ou escada através da qual a alma pode chegar a Deus. A cruz afirma assim a relação básica entre o mundo celestial e o terreno. Em outras palavras, é através da experiência da crucificação (o conhecimento vivenciado dos opostos) que se chega ao centro de si mesmo (a iluminação). Carl Jung comenta também que, em algumas tradições, a cruz é símbolo do fogo e dos sofrimentos da vida. Tal concepção parece ter origem no fato de que os dois eixos da cruz estão associados com os dois bastões de madeira que o homem primitivo usava para produzir o fogo, esfregando um no outro até produzir combustão. Um dos bastões era considerado masculino, e o outro, feminino.

-  Criminalização da Fé

    Fonte: Baseado em reportagens do Foxnews e Pundit Press de 29.06.11

No Cemitério Nacional de Houston, nos Estados Unidos, as lápides mortuárias padronizadas e alinhadas se estendem monotonamente pelo gramado cuidadosamente aparado. Não existem imagens, lembranças piedosas, apenas frios blocos de pedra. Os túmulos são identificados segundo os números das colunas ou linhas. Um ridículo e triste monumento ao ateísmo. Aos familiares e amigos que visitam seus entes queridos não é permitido nem mesmo expressar sua religião. Nas locuções de despedida, os veteranos de Guerra e voluntários são proibidos de empregar as palavras “Deus”, “Deus te abençoe”, ou “Jesus”, nos funerais ou cartões de condolências, estas palavras são consideradas pelos administradores como “ofensivas”. A antiga Capela só é aberta pela diretora para realizar reuniões ou sessões de treinamento. O prédio não é mais chamado “Capela”, mas “local de encontro”. O veterano da Guerra do Vietnã, Nobleton Jones, foi proibido de recitar a frase que usou nas últimas décadas:

-   Rogamos a Deus que lhe conceda, e à sua família, graça, misericórdia e paz.

Jones declarou que:

-   Isso me faz sentir diminuído, mesmo porque passei meu tempo no exército lutando para que as pessoas tivessem a liberdade de usar essas palavras.

-  França, 2009

A grande maioria da Assembléia Nacional da França votou pela proibição de símbolos religiosos nas escolas públicas do país. A Assembléia votou pelo banimento do uso de véus muçulmanos, solidéus judaicos e crucifixos cristãos nas escolas, os alunos que insistirem em usar tais peças poderão ser expulsos.

-  Espanha, 2009

O Governo do premier socialista José Luiz Rodríguez Zapatero sancionou uma nova lei sobre a liberdade religiosa proibindo o uso dos símbolos religiosos nas escolas públicas espanholas.

-  Itália, 2011

Alegra-nos que haja respeito pela liberdade e identidade cultural de um povo, de matriz cristã. Os símbolos têm um significado cultural, e isso não ofende ou obriga alguém a acreditar. (Manuel Morujão - da Conferência Episcopal Portuguesa)

O Tribunal Europeu dos Direitos Humanos autorizou a presença de crucifixos nas escolas públicas italianas.

-  Brasil

Na sessão de 29 de maio de 2009, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) indeferiu cinco representações que pediam a proibição dos símbolos religiosos das dependências do Poder Judiciário. Para o CNJ os objetos não feriam a laicidade do Estado, pois eram apenas manifestações da cultura brasileira e em nada interferiam nas ações do Judiciário.

Não vai demorar muito para que os brasileiros se vejam obrigados a abolir todos os feriados religiosos, alterar o nome de Ruas, Cidades, Municípios e destruir obras de arte que retratem símbolos e imagens religiosas. A exclusão dos símbolos religiosos das repartições públicas é uma demonstração contundente de que o Estado tomou partido dos que não crêem.

A laicidade de um Estado estabelece a aceitação e o respeito a todas as religiões e não a proibição de sua livre manifestação ou confinamento a ambientes restritos, como se o espaço público fosse privilégio ou propriedade de “talibãs” que se incomodam com a fé alheia.

-  Frade Demétrius dos Santos Silva

O Frade Demétrius concorda plenamente com a retirada dos símbolos religiosos das repartições publicas, e publicou no jornal “Folha de São Paulo”, de 09 de agosto de 2009, sua opinião:

Nosso Estado é laico e não deve favorecer esta ou aquela religião. A cruz deve ser retirada! Aliás, nunca gostei de ver cruz em tribunais, onde os pobres tem menos direitos que os ricos e onde sentenças são barganhadas, vendidas e compradas. Não quero mais ver a cruz nas Câmeras legislativas, onde a corrupção é a moeda mais forte. Não quero ver, também, a cruz em delegacias, cadeias e quartéis, onde os pequenos são constrangidos e torturados. Muito menos, a Cruz em pronto-socorros e hospitais, onde pessoas pobres morrem sem atendimento. É preciso retirar a Cruz das repartições públicas, porque Cristo não abençoa a sórdida política brasileira, causa das desgraças, das misérias e sofrimentos dos pequenos, dos pobres e dos favorecidos.

-  Anne Graham Lotz

Anne Graham Lot, filha de William Franklin “Billy” Graham Jr., pregador batista norte-americano foi entrevistada, anos atrás, no programa “The Early Show”, da CBS NEWS, pela apresentadora Jane Clayson.

(...) À vista dos acontecimentos recentes... ataque dos terroristas, tiroteio nas escolas, etc. Eu creio que tudo começou desde que Madeline Murray O’Hare, se queixou de que era impróprio se fazer oração nas escolas americanas como se fazia tradicionalmente, e nós concordamos com a sua opinião.

Depois disso, alguém disse que seria melhor também não ler mais a Bíblia nas escolas... A Bíblia que nos ensina que não devemos matar, não devemos roubar, e devemos amar o nosso próximo como a nós mesmos. E nós concordamos.

Logo depois, o Dr. Benjamin Spock disse que não deveríamos bater em nossos filhos quando eles se comportassem mal, porque suas personalidades em formação ficariam distorcidas e poderíamos prejudicar sua auto-estima. E nós dissemos: “um perito nesse assunto deve saber o que está falando”, e então concordamos com ele.

Depois alguém disse que os professores e os diretores das escolas não deveriam disciplinar os nossos filhos quando eles se comportassem mal. Os administradores escolares então decidiram que nenhum professor em suas escolas deveria tocar em um aluno quando se comportasse mal, porque não queriam publicidade negativa, e não queriam ser processados. E nós concordamos com tudo.

Aí alguém sugeriu que deveríamos deixar que nossas filhas fizessem aborto, se elas assim o quisessem, e que nem precisariam contar aos pais. E nós aceitamos essa sugestão sem ao menos questioná-la.

Em seguida algum membro da mesa administrativa escolar muito sabido disse que, como rapazes serão sempre rapazes, e que como homens iriam acabar fazendo o inevitável, que então deveríamos dar aos nossos filhos tantas camisinhas quantas eles quisessem, para que eles pudessem se divertir à vontade, e que nem precisaríamos dizer aos seus pais que eles as tivessem obtido na escola. E nós dissemos, “está bem”.

Depois alguns dos nossos oficiais eleitos mais importantes disseram que não teria importância alguma o que nós fizéssemos em nossa privacidade, desde que estivéssemos cumprindo com os nossos deveres. Concordando com eles, dissemos que para nós não faria qualquer diferença o que uma pessoa fizesse em particular, incluindo o nosso Presidente da República, desde que o nosso emprego fosse mantido e a nossa economia ficasse equilibrada.

Então alguém sugeriu que imprimíssemos revistas com fotografias de mulheres nuas, e disséssemos que isto é uma coisa sadia, e uma apreciação natural da beleza do corpo feminino. E nós também concordamos. Depois uma outra pessoa levou isto um passo mais adiante e publicou fotos de crianças nuas e foi mais além ainda, colocando-as à disposição na Internet. E nós dissemos, “está bem, isto é democracia, e eles têm direito de ter a liberdade de se expressar e fazer isso”.

A indústria de entretenimento então disse: “Vamos fazer shows de TV e filmes que promovam profanação, violência e sexo ilícito. Vamos gravar música que estimule o estupro, sexo, drogas, assassínio, suicídio e temas satânicos”. E nós dissemos: “Isto é apenas diversão, e não produz qualquer efeito prejudicial. Ninguém leva isso a sério mesmo, então que façam isso!”

Agora nós estamos nos perguntando por que nossos filhos não têm consciência, e por que não sabem distinguir entre o bem e o mal, o certo e o errado, porque não lhes incomoda matar pessoas estranhas ou seus próprios colegas de classe ou a si próprios... Provavelmente, se nós analisarmos tudo isto seriamente, iremos facilmente compreender: Nós colhemos exatamente aquilo que semeamos!

Uma menina escreveu um bilhetinho para DEUS, dizendo: “Senhor, por que não salvaste aquela criança na escola?” A resposta Dele seria: “Querida criança, não me deixam entrar nas escolas!” Do Seu DEUS.

É triste como as pessoas simplesmente culpam DEUS e não entendem por que o mundo está indo a passos largos para o inferno. É triste como cremos em tudo que os jornais e a TV dizem, mas duvidamos do que a Bíblia nos diz. É triste como todo o mundo quer ir para o céu, desde que não precise crer, nem pensar ou dizer qualquer coisa que a Bíblia ensina. É triste como alguém diz: “Eu creio em DEUS”, mas ainda assim segue a Satanás, que por sinal, também ‘crê’ em DEUS. É engraçado como somos rápidos para julgar, mas não queremos ser julgados!”

-  Ensino Religioso

E aconteceu que, concluindo Jesus este discurso, a multidão se admirou da sua doutrina; porquanto os ensinava como tendo autoridade; e não como os escribas.

(Mateus: 7 - 28, 29)

O Ensino Religioso, de matrícula facultativa, é parte integrante da formação básica do cidadão, constitui disciplina dos horários normais das escolas públicas de Ensino Fundamental, assegurado o respeito à diversidade cultural religiosa do Brasil, vedadas quaisquer formas de proselitismo (Lei nº 9.475, de 22 de julho de 1997). A Organização das Nações Unidas critica o ensino religioso promovido por centenas de escolas públicas brasileiras que não estariam cumprindo os preceitos do caráter laico do Estado. O relatório apresentado ao Conselho de Direitos Humanos da ONU, preparado pela paquistanesa Farida Shaheed, alerta que intolerância religiosa e racismo “persistem” na sociedade brasileira. O assunto colocou o Vaticano e o governo brasileiro em descompasso diplomático.

O ensino religioso não é uma aula de catequese. O currículo dependerá fundamentalmente da comunidade para a qual está sendo elaborado e deverá promover um diálogo inter-religioso, baseado no respeito às diferenças.

-  Descriminalização das Iniquidades

É interessante verificar a preocupação exacerbada dos governos de todo o mundo em eliminar o ensino da religião e os símbolos religiosos, mesmo contrariando a maioria de seus cidadãos, ao mesmo tempo em que são tão coniventes em aceitar a Descriminalização das Drogas e tantas outras Iniquidades. A Comissão Global sobre Drogas reunida, em fevereiro deste ano, em Genebra, sugeriu que os países trabalhassem pela legalização e regulamentação do uso da maconha considerando que esta seria a melhor maneira de combater o tráfico de drogas e suas consequências.

O mau exemplo francês deveria servir de exemplo aos governos de todo mundo. Depois de proibir o véu islâmico fizeram o mesmo com o turbante dos alunos Sikhs. Alunos e alunas são expulsos ou proibidos assistir às aulas desencadeando um tremendo impasse judicial. O Governo Francês sugeriu, então, a criação de Conselhos Disciplinares proporcionando um espaço para o direito de defesa dos alunos que se sentissem excluídos ou discriminados. Os ignorantes “talibãs franceses” deixaram de considerar que um símbolo religioso adotado oficialmente, por uma Instituição Pública, pode causar constrangimento às minorias religiosas, constituindo uma forma de proselitismo, mas quando este símbolo é usado por um aluno ou aluna, este critério absolutamente não se aplica.

É interessante verificar que os governantes franceses de hoje que apóiam tais medidas discricionárias são os mesmos que condenaram os militantes Talibãs que demoliram as maiores estátuas de pedra do mundo com a imagem de Buda. Uma delas media 53 metros de altura era a maior imagem de um Buda de pé do mundo. O motivo? As estátuas contrariavam sua religião.

-  Livro

O livro “Desafiando o Rio-Mar – Descendo o Solimões” está sendo comercializado, em Porto Alegre, na Livraria EDIPUCRS – PUCRS, na rede da Livraria Cultura (http://www.livrariacultura.com.br) e na AACV – Colégio Militar de Porto Alegre.

Para visualizar, parcialmente, o livro acesse o link:

http://books.google.com.br/books?id=6UV4DpCy_VYC&printsec=frontcover#v=onepage&q&f=false.
 

Coronel de Engenharia Hiram Reis e Silva
Professor do Colégio Militar de Porto Alegre (CMPA);
Presidente da Sociedade de Amigos da Amazônia Brasileira (SAMBRAS);
Vice- Presidente da Academia de História Militar Terrestre do Brasil - RS (AHIMTB - RS);
Membro do Instituto de História e Tradições do Rio Grande do Sul (IHTRGS);
Colaborador Emérito da Liga de Defesa Nacional.
Site: http://www.amazoniaenossaselva.com.br
E-mail: hiramrs@terra.com.br
Blog: http://www.desafiandooriomar.blogspot.com


Os artigos publicados com assinatura não representam a opinião do Portal Pantanal News. Sua publicação tem o objetivo de estimular o debate dos problemas do Pantanal do Mato Grosso do Sul e de Mato Grosso, do Brasil e do mundo, garantindo um espaço democrático para a livre exposição de correntes diferentes de pensamentos, idéias e opiniões. redacao@pantanalnews.com.br

 

Siga as notícias do Portal Pantanal News no Twitter:
www.twitter.com/PantanalNews

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 


Comentários
Celso Silva, em 11/03/2012 - 12h47

Discordo do seu ponto de vista. Instituições públicas não devem ostentar nenhum simbolo religioso pois as questões ali discutidas devem ser imparciais livres de qualquer direcionamento religioso. Não se trata de falta de fé nem de espiritualidade e sim de bom senso pois nem todos são séctos do mesmo credo embora nosso pais tenha uma religião oficial, o catolicismo. A diversidade religiosa em nosso pais é muito grande. Então que se represente todas as religiões praticadas aqui ou nenhuma. Quanto ao ensino religioso; aqui nunca foi ensino religioso e sim cristianização. Se fosse de fato ensino religioso então todas as religiões deveriam ser abordadas nessas aulas e não somente a história cristã embora seja inegável a contribuição e a influência do cristianismo na civilização ocidental. Apesar disso é njusto e injustificável ministrar as aulas de ensino religioso como estava sendo feito. Com todo respeito a sua opinião mas esse é meu ponto de vista. Obrigado pelo espaço.

Maria Auxiliadora Mozzelli, em 10/03/2012 - 12h21

Infelizmente, o que ocorre hoje em dia, é que o capitalismo selvagem está valorizando o "ter" e não o "ser", está impondo que consumir bastante é ser feliz, mas na realidade é apenas frustrações, pois consumir materiais é ilusório, porque uma vez conquistado o que conseguiu, continua o vazio espiritual, que não está sendo preenchido pela fé em algo mais sublime que um simples objeto, ou seja, em Jesus Cristo, filho de Deus, que nos ensinou o amor ao próximo.Bem afirma o Frade Demetrius dos Santos Silva, que o simbolo da cruz não deve mesmo ser colocados em Repartições Públicas, pois as mesmas, em sua maioria, não pregam o amor ao próximo, mas são a favor do capitalismo selvagem, onde o "ter" e não o"ser" é que vale, haja visto, o favorecimento dos ricos em detrimento dos pobres e as grandes injustiças que cometem contra esses desafortunados.

 
Últimas notícias do canal
22/05/2017 - 09h01
Heraldo Pereira e Bosco Martins: um breve reencontro entre amigos
04/05/2017 - 14h30
Dr. Francisco Cavalcante Mangabeira – Parte VI
02/05/2017 - 11h08
O poeta de Sobral
24/04/2017 - 09h53
Dr. Francisco Cavalcante Mangabeira – Parte V
20/04/2017 - 15h12
Adolescentes em risco de suicídio e o jogo da Baleia Azul
 
Últimas notícias do site
23/06/2017 - 16h02
TVE em Maracaju: governador Reinaldo e prefeito Maurílio Azambuja reativam sinal neste sábado
23/06/2017 - 14h16
Projeto de Moka quer acabar com distorção na disputa por vaga a pessoa com deficiência
23/06/2017 - 14h06
Fim de semana será de clima seco, com noites frias e tardes ensolaradas
23/06/2017 - 12h41
PMA autua pecuarista em degradar nascentes e dois córregos e áreas protegidas de matas ciliares
23/06/2017 - 10h35
Deputado Dr. Paulo Siufi solicita recolhimento de livro infantil que aborda incesto
 

zap

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.