especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Indústria e Comércio - 09/03/2012 - 10h45

Mulheres já são maioria entre empreendedoras apoiadas pelo Banco da Gente




Por Redação Pantanal News/Karina Lima-Notícias.MS

Divulgação

 

Campo Grande (MS) – Mulheres estão indo à luta em Mato Grosso do Sul para tornar realidade o desejo de ter um negócio próprio. O crescimento do empreendedorismo entre o público feminino é uma realidade incontestável para o Banco da Gente, instituição financeira de microcrédito ligada ao Governo do Estado que oferece empréstimo em condições facilitadas para quem muitas vezes não consegue acesso nos bancos tradicionais.

As oportunidades são as mesmas para homens e mulheres, mas são “elas” que nos últimos anos mais têm feito uso das linhas de crédito. “Há cinco anos as mulheres eram 20% da nossa clientela; hoje representam mais de 50%, e a tendência é aumentar”, revela o diretor-geral do Banco da Gente, Márcio Laabs.

O empreendedorismo feminino crescente percebido pelo Banco é confirmado pelo Sebrae MS, que acaba de divulgar uma pesquisa mostrando que a cada ano surgem mais empresas comandadas por mulheres em vários setores. Segundo o levantamento, dos empreendedores por oportunidade – aqueles que enxergaram uma chance de melhoria na vida profissional e não somente a necessidade - 53% são mulheres e 46%, homens.

Onde chegar, como chegar

O fato de mais mulheres estarem apostando na ideia de um negócio próprio não é a única boa notícia. O melhor é que elas estão se preparando profissionalmente para conseguir levar adiante o empreendimento sonhado. “Normalmente as mulheres se preparam mais que os homens. Elas vão, fazem treinamentos, participam mesmo dos cursos, se preocupam com a qualificação”, elogia Laabs.

O comércio e, principalmente, os serviços são setores em que as novas empreendedoras estão apostando.

Um exemplo? Partindo do conhecimento prático em cortar cabelo, fazer as unhas, depilar, massagear, muitas estão deixando de ser empregadas para poder estampar com orgulho na fachada o nome de um salão de beleza próprio – este é um ramo entre os que mais crescem.

No Bosque da Esperança, região Norte da Capital, o “Beleza Natural – Moda e Beleza” atrai clientes do entorno e de outros cantos da cidade. “Minha maior propaganda hoje é o ‘boca a boca’. Vem gente de tudo quanto é bairro. Tem gente simples aqui da região, e tem mulheres de melhor poder aquisitivo que vêm de longe pra ser atendida. O atendimento é igual para todas e o preço é justo”, orgulha-se Adriana de Oliveira Matias. Com recursos emprestados do Banco da Gente ela começou com o salão há três anos, e há seis meses agregou uma loja ao negócio, vendendo roupas e bolsas.

O trabalho é puxado e exige dedicação integral, mesmo para quem tem dois filhos e mais um a caminho. Mas a mulher de 33 anos que veio de Aral Moreira para Campo Grande em busca de vida melhor diz que a força de vontade é sua maior qualidade. Adriana deixou para trás os trabalhos escassos e temporários onde não conseguia ganhar salário mínimo e, na Capital, foi doméstica, diarista, vendedora e cobradora de ônibus intermunicipal antes de apostar no negócio próprio.

Além da disposição, ela faz questão de lembrar o valioso suporte da família para manter as coisas funcionando. A irmã é parceira integral em todo no atendimento à clientela; a mãe, indispensável na decoração e todo o cuidado visual do lugar; nas mãos do pai Adriana deixa os serviços de reparos e consertos de qualquer coisa que estrague.  “Tenho que dizer: se não fossem eles dando força, ficaria difícil”.  

À dedicação própria e da família, Adriana juntou aquele ingrediente importante destacado pelo diretor do Banco da Gente: a preparação para empreender. Fez os cursos voltados para o bom nascimento de um negócio e aprendeu sobre fluxo de caixa. Se tudo está valendo a pena? “Eu nasci para isso”, ela diz.

Sucesso e desafios

Do outro lado da cidade, no Jardim São Conrado, a Mercearia Silva leva o nome de Cícero Alexandre da Silva, mas poderia se chamar “Cavalcante de Lima”, o sobrenome de Francisca, a esposa empreendedora que toca o comércio junto com o marido. O casal se tornou cliente do Banco da Gente na montagem do mercado e agora já está pagando um segundo empréstimo, que serviu para melhorar gôndolas, prateleiras e trocar o velho balcão.

“O que eu acho que foi mais importante para a gente conseguir montar o negócio foi a determinação e o carinho pelo trabalho”, resume a comerciante, de 49 anos. Determinação que Francisca demonstrava bem antes, quando por muito tempo trabalhou com a confecção de tapetes artesanais, que vendia de porta em porta.

O cuidado em se adequar ao interesse dos clientes também é ingrediente importante. Só ela e o marido tocam o negócio, e mesmo assim optaram por um ritmo puxado de trabalho, sem intervalo, de segunda a sábado. “A gente abre das 7 horas até às oito da noite. Decidimos não fechar na hora do almoço porque tem muita gente que precisa comprar alguma coisa bem nessa hora. E vamos até às oito pra atender quem chega do trabalho”.

Mãe de três filhas, Francisca diz que seu maior desejo para as mulheres é que elas tenham mais oportunidades. Pensando principalmente nas filhas, a comerciante lamenta que ainda faltem oportunidades no mercado de trabalho convencional mesmo para jovens que se esforçaram para concluir a faculdade. “Acho que ainda tem, sim, um pouco de discriminação. Muitas vezes as pessoas acham que a mulher não tem competência”, lamenta, citando a filha de 24 anos, recém graduada em Administração e Marketing, que está à procura de trabalho.

A jovem é motivo de orgulho. “Ela mesma se esforçou, conseguiu bolsa, trabalhou o tempo todo da faculdade praticamente para pagar o estudo”. Otimista, a mãe espera que as barreiras que ainda existem acabem de vez. “Como antigamente ainda tinha muito machismo, hoje ainda tem muitos homens que acham que as mulheres querem ser mais que eles, tomar o lugar deles. Mas não é isso. Elas só precisam de mais oportunidade”.

 

Siga as notícias do Portal Pantanal News no Twitter:
www.twitter.com/PantanalNews

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 

area
Comentários
 
Últimas notícias do canal
17/03/2017 - 09h40
Indústria sem Fronteiras é criado para aquecer economia em municípios
20/01/2016 - 09h43
Exportação de industrializados fecha 2015 com queda de 21,9% em MS
17/12/2015 - 08h30
Mesmo com crise, indústria de alimentos projeta crescer em MS
19/10/2015 - 07h05
Terminal de Porto Murtinho será reaberto nesta terça com embarque de 6 mil toneladas de açúcar
02/10/2015 - 06h54
MS vence disputa com 3 estados e garante industria de R$1,6 bilhão
 
Últimas notícias do site
15/12/2017 - 12h35
Comandante e Subcomandante da PMA de Corumbá são homenageados
15/12/2017 - 12h01
PMA autua proprietário rural por armazenamento ilegal de embalagens de agrotóxicos
15/12/2017 - 10h56
Fazendeiro é autuado por armazenamento ilegal de madeira
15/12/2017 - 10h21
Cachorro é resgatado de penhasco de 15 metros por bombeiros em MS
15/12/2017 - 06h39
Com poucas chances de chuva, 6ª-feira será de sol e altas temperaturas
 

zap

88

ZAP NOVO
Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.