CARNAVAL CORUMBÁ 2018
   

especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Internacional - 03/11/2011 - 11h05

Segurança pública diante dos movimentos de protesto no mundo é tema de conferência no Rio




Por Redação Pantanal News/Agência Brasil

Alana Gandra
Repórter da Agência Brasil

Rio de Janeiro - A 8ª Conferência do Forte de Copacabana, que será aberta hoje (3) à noite no Rio, vai debater, entre outros temas, a fragilidade da segurança pública internacional diante dos movimentos de protesto que se espalham no mundo em decorrência da crise financeira em países da União Europeia. O encontro é promovido pela Fundação Konrad Adenauer e pelo Centro Brasileiro de Relações Internacionais (Cebri).

Para o representante da Fundação Konrad Adenauer no Brasil (KAS), o alemão Thomas Knirsch, doutor em ciências políticas pela Universidade de Bonn, os desafios desse fenômeno novo para o sistema político-financeiro são maiores nos países que enfrentam mais problemas de dívida pública, entre eles a Grécia, Espanha, Portugal e a Itália. “Porque, desta vez, não é uma crise bancária, como a provocada pela quebra do [banco de investimentos] Lehman Brothers, nos Estados Unidos.

Diante desse quadro, a juventude, que lidera os principais movimentos de protesto no mundo, não sabe se os políticos são capazes de tomar as melhores decisões para sair da crise, uma vez que se mostram controlados pelo mercado financeiro, disse Thomas Knirsch. “É um desafio geral e também uma desconfiança em relação ao sistema econômico e financeiro mundial”. Segundo o especialista, se os bancos tomam decisões de alto risco, “quem vai pagar a conta final?”

A dúvida é se a questão tem a ver com os próprios bancos ou com os governos, por meio dos impostos cobrados ao povo, para evitar que o sistema econômico, financeiro e político fique desestabilizado. Segundo Knirsch, o problema é que não se sabe muito sobre esses movimentos de protesto, porque cada vez mais, eles são organizados por meio das redes sociais. Um exemplo foi a revolução registrada nos países árabes, citou. “É fácil convocar as pessoas para irem às ruas protestar. E como as autoridades públicas vão enfrentar esse fenômeno?”

Trata-se, disse o doutor em ciências políticas, de importante desafio para o desenvolvimento da democracia global. Ele lembrou que na Alemanha e nos países nórdicos surgiu um novo partido político (Partido Pirata), cuja programa está concentrado na proteção à liberdade de expressão na internet. “É a única agenda que o partido tem. Não há outro tema político”.

Com quase 9% dos votos, o Partido Pirata conseguiu, pela primeira vez, representação em um parlamento estadual na Alemanha, nas eleições realizadas em setembro deste ano. Os piratas defendem o uso da internet para dar mais transparência à política.

“A juventude está desenvolvendo uma nova forma de protesto”. Isso será, no futuro, um tema a mais de preocupação para a segurança internacional, para os sistemas de inteligência e os atores que tomam decisões econômicas e políticas, disse Thomas Knirsch. Para ele, a segurança pública se mostra fragilizada diante desses movimentos. “Se você não limita o acesso à internet, como a China está fazendo, você vai ter um protesto ainda maior da população”. A tendência é que esses movimentos dos jovens sejam crescentes, conquistando o apoio de segmentos da sociedade civil e de empresas.

Knirsch alertou, porém, que ainda não se pode afirmar que isso constituirá uma ameaça à segurança pública. Ele acredita que a questão deve ser uma preocupação dos governos e dos responsáveis pela manutenção da ordem pública. “Eles têm que encontrar uma forma de diálogo com esses grupos. Porque, sem diálogo, vai ser muito difícil chegar a uma solução”.

A 8ª Conferência do Forte de Copacabana vai até amanhã (4), abordando Os Novos Temas na Agenda de Segurança Internacional.

 

Siga as notícias do Portal Pantanal News no Twitter:
www.twitter.com/PantanalNews

 

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 

zap2
Comentários
 
Últimas notícias do canal
08/01/2018 - 07h50
Cachorrinha reencontra donos após ser capturada por águia nos EUA
24/10/2017 - 11h16
Em Assunção, Ruiter expõe desafios e oportunidades para viabilidade de hidrovia
14/09/2017 - 10h45
Raras girafas brancas são observadas em parque no Quênia
11/09/2017 - 14h23
Distantes, moradores de MS vivem angústia com parentes nos EUA
08/09/2017 - 07h10
Aquidauanense que mora no Texas relata desespero com furacão
 
Últimas notícias do site
17/01/2018 - 13h28
Inmet coloca Capital e 31 municípios em alerta devido a risco de tempestade
17/01/2018 - 08h01
Fazendeiro é autuado em R$ 15 mil por armazenamento ilegal de embalagens de agrotóxicos
17/01/2018 - 07h52
Carnaval de Corumbá: continuam abertas inscrições para ambulantes e praça de alimentação
17/01/2018 - 07h49
Reinaldo participa da Showtec e Rose visita cidade atingida por chuva
17/01/2018 - 07h05
Carnaval de Corumbá: atrações tem até sexta-feira para realizar cadastro
 

zap

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.