zap
   

especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Brasil - 30/09/2011 - 11h05

Para ministro, Brasil tem de repensar financiamento para a saúde




Por Redação Pantanal News/Agência Brasil

Thais Leitão
Repórter da Agência Brasil

Rio de Janeiro - O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, disse hoje (30), no Rio de Janeiro, que o Brasil vai ter que pensar em formas de financiar o setor para dar conta das novas pressões por recursos, como os crescentes gastos com tratamentos de vítimas de acidentes de carros e motos no país. Ele evitou, no entanto, definir como o governo fará para aumentar a arrecadação destinada à pasta.

Na semana passada, a Câmara dos Deputados aprovou a regulamentação da Emenda Constitucional nº 29, que prevê percentuais mínimos de aplicação de recursos na Saúde pela União, pelos estados e municípios, mas rejeitou o item que previa a criação da Contribuição Social para a Saúde (CSS). O imposto, semelhante à extinta Contribuição Provisória por Movimentação Financeira (CPMF), incidiria sobre as movimentações bancárias. O projeto ainda será analisado pelo Senado.

“O importante é que o debate foi aberto. A regulamentação da Emenda 29 é importante porque cria mais um mecanismo de controle do uso dos recursos da Saúde pelas três esferas de governo, mas não define claramente como vamos financiar o setor ao longo dos anos. O Brasil vai ter que pensar em como fazer isso [financiar a saúde], mas não cabe ao ministro definir, esse é um debate que o Congresso deve fazer”, afirmou.

Padilha destacou que somente no ano passado foram gastos, em recursos do Sistema Único de Saúde (SUS), aproximadamente R$ 190 milhões em procedimentos decorrentes de acidentes com motos e carros, o que ele classificou como “epidemia que o Brasil tem enfrentado”. Ainda de acordo com o ministro, o SUS registrou, em 2010, 145 mil internações pelo mesmo motivo. Cerca de 35% dos leitos hospitalares nos prontos-socorros do país e quase 40% dos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) são ocupados por vítimas de acidentes de trânsito.

“Isso traz novas pressões de financiamento para a área da Saúde, mas a preocupação do ministério é fazer mais com o que temos, reduzindo os desperdícios”, acrescentou.

Padilha lembrou que, como parte da política de combate aos gastos desnecessários serão analisados, em parceria com a Controladoria-Geral da União (CGU), os relatórios feitos pelas diretorias dos seis hospitais federais que funcionam no Rio de Janeiro. Os documentos foram solicitados após equipes da CGU encontrarem indícios de irregularidades em serviços como limpeza e fornecimento de alimentos nas unidades de saúde, durante auditoria feita a pedido do ministério.

“Seremos incansáveis em relação a isso. O relatório está em análise final e os hospitais estão fazendo suas respostas. Vamos analisar cada detalhe e as auditorias vão continuar, porque queremos que façam parte de uma política permanente em serviços executados pelos governos federal, estaduais e municipais para combater desperdícios”, explicou.

Ele destacou, ainda, que com as medidas de gestão implementadas com esse objetivo, foi possível economizar, somente no primeiro semestre de 2011, cerca de R$ 600 milhões em processos de aquisição de medicamentos e insumos.

O ministro da Saúde participou na manhã de hoje (30) da inauguração da exposição Ver o Peso, do artista goiano Siron Franco, na nova sede do Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia Jamil Haddad (Into), no Rio de Janeiro. A obra, composta por 400 balanças sobre as quais são posicionados pés moldados em gesso, além de pratos cheios de remédios para emagrecer, é uma contribuição ao enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis, como a obesidade. A redução das mortes prematuras por esse tipo de doença é uma das prioridades do Ministério da Saúde para os próximos anos.

 

Siga as notícias do Portal Pantanal News no Twitter:
www.twitter.com/PantanalNews

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 

area
Comentários
 
Últimas notícias do canal
18/10/2017 - 15h40
Casa pega fogo em Marília e bombeiros salvam casal de cães e oito filhotes
11/10/2017 - 08h00
Horário de verão 2017 começa neste domingo; moradores de 10 estados e DF devem adiantar relógio em 1 hora
14/09/2017 - 10h20
'Geladeira solidária' disponibiliza alimentos de graça em São Carlos, SP
04/08/2017 - 08h50
Luiz Melodia morre aos 66 anos, em decorrência de câncer de medula
24/04/2017 - 10h39
Corpo do cantor Jerry Adriani é velado no Rio
 
Últimas notícias do site
20/10/2017 - 15h38
Asfalto entre Piraputanga e Camisão vai impulsioncar ecoturismo na região
20/10/2017 - 15h06
Alerta prevê tempestades em 43 municípios de Mato Grosso do Sul
20/10/2017 - 14h13
PMA autua proprietária rural por exploração ilegal de madeira
20/10/2017 - 12h30
PMA autua jovem por manter ave silvestre em cativeiro
20/10/2017 - 11h33
Incêndio em parque estadual de MS é controlado após uma semana com ajuda de chuva, diz Imasul
 

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.