especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Pesquisa no Pantanal - 19/09/2011 - 16h57

Pesquisadores podem propor tratamento alternativo para a pitiose









Por Redação Pantanal News/Ana Maio - Embrapa Pantanal

 A Unesp (Universidade Estadual Paulista) de Botucatu e o Instituto de Física da USP (Universidade de São Paulo), em São Carlos, estão avaliando a eficácia da terapia fotodinâmica antimicrobiana como forma alternativa ao tratamento químico da pitiose equina. A terapia fotodinâmica utiliza um determinado comprimento de onda luminosa como forma de combater a doença.

De acordo com a professora Sandra de Moraes Gimenes Bosco, da Unesp, trata-se de uma terapia promissora para a pitiose em cavalos. Ensaios em laboratório com coelhos já foram realizados, com resultados satisfatórios.

Sandra deve se dedicar às pesquisas relacionadas à avaliação da flora bacteriana associada à pitiose. Ele lembra que a doença é razoavelmente recente e muitos veterinários ainda não pensam no diagnóstico de pitiose quando são chamados a tratar feridas em equinos.

Segundo ela, até em humanos pode estar ocorrendo subnotificação. Até hoje, apenas um caso humano foi confirmado no Brasil (e na América Latina). Em 2002, um paciente do interior de São Paulo procurou médicos em Botucatu e o diagnóstico só foi concluído no ano seguinte. Ele foi curado.

Há relatos de casos de pitiose em humanos na Tailândia. O professor Carlos Eduardo Pereira dos Santos, da UFMT (Universidade Federal de Mato Grosso), disse que a alta incidência de talassemia (doença associada ao ferro) nessa população poderia estar relacionada aos casos de pitiose. Na Tailândia, há produção de arroz em várzeas e a doença é considerada ocupacional.

EFICÁCIA

Carlos deve se dedicar ao estudo da epidemiologia da pitiose. “Estou estudando a dinâmica da pitiose, já que ela depende da interação do animal com o ambiente, e a eficácia da vacina no Pantanal de Mato Grosso”, afirmou.

O professor está concluindo sua tese de doutorado sobre o assunto e afirma que a vacina tem eficácia no tratamento da doença, principalmente quando se comparam os animais tratados e os que não receberam o medicamento.

“Os resultados foram bem satisfatórios, mas dependem de variáveis como o tamanho e a idade da lesão. Quanto mais tardio o tratamento, mais refratário o animal. É preciso avaliar o comprometimento orgânico que a lesão causou no animal.”

Ele disse que há muitas lesões similares, do ponto de vista clínico, e nem sempre o diagnóstico tem sido correto. “Às vezes acham que tudo é pitiose. Mas nem sempre é”, afirmou. Segundo Carlos, o diagnóstico pode ser feito com a coleta de soro do animal e o material é enviado ao Lapemi (Laboratório de Pesquisas Micológicas) da Universidade Federal de Santa Maria (RS). O resultado sai em poucos dias.

“Quanto mais precoce o diagnóstico, maiores as chances de cura”, afirmou o professor.

Carlos avaliou também a ocorrência da pitiose em bovinos. Como os bois não ficam na água (apenas se não houver opção), a incidência é menor. A ocorrência nas duas espécies também está relacionada à idade. O pesquisador avaliou 76 casos de pitiose em equinos e apenas em um deles o animal era jovem (8 meses). A faixa mais atingida vai dos 3,5 aos 6 anos.

Nos oito casos da doença em bovinos que ele estudou, 90% tinham menos de um ano de idade.

Os dois professores participaram na semana passada de uma reunião técnica para definir a continuidade das pesquisas sobre pitiose equina. A reunião aconteceu na Embrapa Pantanal (Corumbá-MS), Unidade da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - Embrapa, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.


 

Siga as notícias do Portal Pantanal News no Twitter:
www.twitter.com/PantanalNews

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 

zap2
Comentários
 
Últimas notícias do canal
14/10/2015 - 11h00
Expedição de barco pelo Pantanal de MS discute preservação ambiental
26/08/2013 - 08h03
Em MS, médicos de outros países fazem provas para revalidar diploma
30/01/2013 - 08h45
Embrapa Pantanal firma convênio para o fortalecimento da Apicultura em Mato Grosso do Sul
30/10/2012 - 16h45
PRF apreende veículo com CRLV falso
05/09/2012 - 13h45
Pesquisadores questionam alterações da Lei de Pesca do Mato Grosso
 
Últimas notícias do site
23/11/2017 - 15h48
Em Brasília, prefeito viabiliza recursos para Corumbá e busca apoio para curso de Medicina
23/11/2017 - 15h31
No Ministério do Turismo, prefeito discute liberação de verbas para distrito turístico
23/11/2017 - 14h46
Corumbá comemora neste dia 23 o Dia Municipal da Cultura
23/11/2017 - 14h26
PMA prende e autua em R$ 60 mil trio de pescadores no rio Paraguai
23/11/2017 - 08h46
Durante fiscalização PMA apreende caminhão com uma tonelada de agrotóxico
 

zap

88

ZAP NOVO
Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.