zap
   

especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Artigos - 23/05/2011 - 08h09

Ode à Ignorância em um País de Nanicos Culturais




Por Hiram Reis e Silva

“Todas as feições sociais do nosso idioma constituem objeto de disciplinas científicas, mas bem diferente é a tarefa do professor de língua portuguesa, que espera encontrar no livro didático o respaldo dos usos da língua padrão que ministra a seus discípulos, variedade que eles deverão conhecer e praticar no exercício da efetiva ascensão social que a escola lhes proporciona”. (Presidente da Academia Brasileira de Letras - Marcos Vinicios Vilaça)
 
-  ONG Educa Ativa
 
Vera Masagão Ribeiro é graduada em Letras pela Universidade de São Paulo, doutora em Educação pela PUC-SP e coordenadora de programas e pesquisadora da ONG Ação Educativa, que atua em assessoria, pesquisa e informação visando à defesa de direitos educacionais e da juventude.
 
Masagão é a (IR)responsável pedagógica pelo polêmico livro “Por Uma Vida Melhor”. Em entrevista, concedida à rádio CBN, tentou justificar a barbárie cometida contra a língua pátria no seu famigerado livro (muito minúsculo mesmo), afirmando que é obrigação do estudante dominar as normas cultas e incultas da língua e optar pela que achar mais adequada. Masagão assevera que existe um preconceito sexista contra a norma culta e justificou sua colocação citando o caso de estudantes que ao falar corretamente em suas comunidades foram taxados de “homoafetivos” ou como “veados”. No seu hilário, para não dizer trágico discurso, Masagão tenta nos convencer que busca apenas não permitir que jovens heterossexuais das camadas mais humildes da população sofram constrangimento em suas comunidades de origem.
 
No nosso país os nanicos intelectuais ditam as normas para educar os nossos filhos e o governo se esforça para que as classes menos favorecidas não tenham condições de almejar um futuro melhor. O livro, pago com o imposto do contribuinte, que traz expressões como “nós pega o peixe” ou “os menino pega o peixe” é o único livro de português que foi distribuído neste ano pelo Programa Nacional do Livro Didático para a Educação de Jovens e Adultos do MEC.
 
Quando estudante e mais tarde como educador aprendi que o educando servia de agente irradiador da cultura e de ascensão social de sua família e da comunidade da qual era membro. Em um país de “nanicos culturais” o nivelamento é por baixo, a cultura deve se submeter à ignorância da maioria em nome do “politicamente correto”. As políticas de cotas de acesso, ao ensino universitário, buscam garantir às minorias de todos os matizes raciais, sociais e sexuais que pessoas cada vez mais despreparadas sejam alçadas a cursos superiores, sem a qualificação necessária, perpetuando, com isso, nossa condição de país de terceiro mundo indefinidamente.
 
-  Por Uma Vida Melhor
 
O livro faz uma abordagem nitidamente político-ideológica, estimulando o conflito, trazendo para a sala de aula mais um ingrediente de estímulo à desordem e ao ódio. Verifique abaixo trechos do livro Por Uma Vida Melhor:
 
É importante saber o seguinte: as duas variantes (norma culta e popular) são eficientes como meios de comunicação. A classe dominante utiliza a norma culta principalmente por ter maior acesso à escolaridade e por seu uso ser um sinal de prestígio. Nesse sentido, é comum que se atribua um preconceito social em relação à variante popular, usada pela maioria dos brasileiros.
 
“Os livro ilustrado mais interessante estão emprestado”. Você pode estar se perguntando: “Mas eu posso falar os livro?”. Claro que pode. Mas fique atento porque, dependendo da situação, você corre o risco de ser vítima de preconceito linguístico.
 
-  Nota da ABL
 
O Cultivo da Língua Portuguesa é preocupação central e histórica da Academia Brasileira de Letras e é com esta motivação que a Casa de Machado de Assis vem estranhar certas posições teóricas dos autores de livros que chegam às mãos de alunos dos cursos Fundamental e Médio com a chancela do Ministério da Educação, órgão que se vem empenhando em melhorar o nível do ensino escolar no Brasil. (...)
 
A posição teórica dos autores do livro didático que vem merecendo a justa crítica de professores e de todos os interessados no cultivo da língua padrão segue caminho diferente do que se aprende nos bons cursos de Teoria da Linguagem. (...)
 
-  Opinião de Mattoso Câmara Jr.
 
O primeiro e grande linguista brasileiro afirma:
 
Assim, a gramática normativa tem o seu lugar no ensino, e não se anula diante da gramática descritiva. Mas é um lugar à parte, imposto por injunções de ordem prática dentro da sociedade. É um erro profundamente perturbador misturar as duas disciplinas e, pior ainda, fazer linguística sincrônica com preocupações normativas. O manual que o ministério levou às nossas escolas não o ajudará no empenho pela melhoria a que o ministro tão justamente aspira.
 
-  Opinião de José Ribamar Sarney de Araújo Costa
 
O ex-Presidente José Sarney disse que:
 
É nesse quadro que o Brasil resolve criminalizar quem fala corretamente e quer ensinar a que os outros também o façam. Isso, dizem, é discriminação. Ensinar não é discriminar, a função do professor é ensinar e corrigir. Ora, corrigir quem fala errado, chamar atenção para o erro nunca é discriminar. Os teóricos da defesa do erro de gramática são os primeiros que deveriam aprender a aprender. Uma língua de cultura é uma evolução da língua. Sem regras ela se torna outra língua, passando por crioulo, dialeto ou outra coisa que se queira chamar.
 
-  Aboliu-se o mérito e agora aprova-se a frase errada para não constranger
Fonte: Bom dia Brasil, 17/05/2011
Alexandre Garcia comenta o livro de português, abonado pelo MEC, que defende que não há o errado na língua portuguesa, mas o inadequado.
Quando eu estava no primeiro ano do grupo escolar e falávamos errado, a professora nos corrigia, porque estava nos preparando para vencer na vida. É notório que o conhecimento liberta, forma eleitores e contribuintes conscientes, gente que cresce e faz o país crescer.
 
É notório que o conhecimento vem pela educação na escola, em casa e na vida. E é óbvio que a raiz de tudo está na capacidade de se comunicar, na linguagem escrita que transmite e difunde o conhecimento e o pensamento. Isso é o que diferencia o homem dos outros animais.
 
A educação liberta e torna a vida melhor, nos livra da ignorância, que é a condenação à vida difícil. Quem for nivelado por baixo terá a vida nivelada por baixo.
 
Pois, ironicamente, esse livro se chama “Por uma vida melhor”. Se fosse apenas uma questão linguística, tudo bem, mas faz parte do currículo de quase meio milhão de alunos. E é abonado pelo Ministério da Educação. Na moda do politicamente correto, defende-se o endosso a falar errado para evitar o preconceito linguístico.
 
Ainda hoje, todos viram o chefão do FMI algemado. Aqui no Brasil, ele não seria algemado porque não ofereceria risco. No Brasil, algemas constrangem os detidos. Aqui, os alunos analfabetos passam automaticamente de ano para não serem constrangidos. Aboliu-se o mérito e agora aprova-se a frase errada para não constranger.
 
A Coreia saiu arrasada da guerra através de duas ou três décadas de educação rígida. A China, que há poucos anos estava atrás do Brasil, sabe onde está indo a razão de 10% ao ano do PIB: com educação rígida, tradicional, competitiva e premiando o mérito. Aqui, estamos apontando para o sentido contrário.
 
–  Blog e Livro
 
Os artigos relativos ao “Projeto–Aventura Desafiando o Rio–Mar”, Descendo o Solimões (2008/2009), Descendo o Rio Negro (2009/2010), Descendo o Amazonas I (2010/2011), e da “Travessia da Laguna dos Patos I (2010), estão reproduzidos, na íntegra, ricamente ilustrados, no Blog http://desafiandooriomar.blogspot.com.
 
O livro “Desafiando o Rio–Mar – Descendo o Solimões” está sendo comercializado, em Porto Alegre, na Livraria EDIPUCRS – PUCRS, na rede da Livraria Cultura (http://www.livrariacultura.com.br/scripts/cultura/busca/busca.asp?tipoBusca=1&sid=7107322541333728388820667&k5=F7FB814&uid=&par=cnews&bmodo=&palavratitulo=Desafiando+o+Rio-mar&modobuscatitulo=pc&palavraautor=&modobuscaautor=pc&palavraeditora=&palavracoleca) e na Livraria Dinamic – Colégio Militar de Porto Alegre. Pode ainda ser adquirido através do e–mail: hiramrsilva@gmail.com.
 
Para visualizar, parcialmente, o livro acesse o link:
http://books.google.com.br/books?id=6UV4DpCy_VYC&dq=%22hiram+reis+e+silva%22&source=gbs_navlinks_s


Coronel R/1 de Engenharia do Exército Hiram Reis e Silva
Professor do Colégio Militar de Porto Alegre (CMPA)
Presidente da Sociedade de Amigos da Amazônia Brasileira (SAMBRAS)
Presidente do Instituto dos Docentes do Magistério Militar – Seção Porto Alegre (IDMM)
Vice Presidente da Academia de História Militar Terrestre do Brasil - RS (AHIMTB)
Acadêmico da Academia de História Militar Terrestre do Brasil (AHIMTB)
Membro do Instituto de História e Tradições do Rio Grande do Sul (IHTRGS)
Colaborador Emérito da Liga de Defesa Nacional
Site: http://www.amazoniaenossaselva.com.br
Blog: http://desafiandooriomar.blogspot.com
Blog: http://diarioriomar.blogspot.com/
E–mail: hiramrs@terra.com.br


Os artigos publicados com assinatura não representam a opinião do Portal Pantanal News. Sua publicação tem o objetivo de estimular o debate dos problemas do Pantanal do Mato Grosso do Sul e de Mato Grosso, do Brasil e do mundo, garantindo um espaço democrático para a livre exposição de correntes diferentes de pensamentos, idéias e opiniões. redacao@pantanalnews.com.br

 

Siga as notícias do Portal Pantanal News no Twitter:
www.twitter.com/PantanalNews

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 


Comentários
lucas, em 24/05/2011 - 17h50

VOces da academia brasileira de letras se acham os maioresa da lingua portuguesa enquanto sabe se que a maioria dos membros nao cursaram a faculdade de letras.Que altoriadade voces tem para jugar certo ou errado.E por ultimo a casa de machado de assis.Ele foi um brilhante escritor mas analfabeto do mesmo jeito.

Claudeko, em 24/05/2011 - 09h46

É, recusar a companhia do assassino, agora é discriminação preconceituosa. Não se pode recusar o erro. Então, o que o professor vai corrigir?

 
Últimas notícias do canal
24/04/2017 - 09h53
Dr. Francisco Cavalcante Mangabeira – Parte V
20/04/2017 - 15h12
Adolescentes em risco de suicídio e o jogo da Baleia Azul
18/04/2017 - 15h00
Dr. Francisco Cavalcante Mangabeira – Parte IV
18/04/2017 - 14h55
Dr. Francisco Cavalcante Mangabeira – Parte III
18/04/2017 - 14h50
Dr. Francisco Cavalcante Mangabeira – Parte II
 
Últimas notícias do site
24/04/2017 - 13h30
Polícia prende jovem com maconha e cocaína em Aquidauana
24/04/2017 - 12h55
Clima muda e entressafra faz preço do leite subir 8% ao produtor de MS
24/04/2017 - 10h39
Corpo do cantor Jerry Adriani é velado no Rio
24/04/2017 - 09h56
Declaração do Imposto de Renda termina sexta; fique atento ao prazo
24/04/2017 - 09h53
Dr. Francisco Cavalcante Mangabeira – Parte V
 

zap

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.