CARNAVAL CORUMBÁ 2018
   

especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Internacional - 28/04/2011 - 09h09

Imigrantes e japoneses solidários em meio à tragédia




Por Redação Pantanal News/Envolverde

Tóquio, Japão, 27/4/2011 – Quando o terremoto de nove graus e o posterior tsunami atingiram, em 11 de março, a aldeia da costa japonesa onde viviam, a filipina Mariline Shoji e seu marido perderam tudo o que possuíam. “Pude ouvir o rugido do enorme tsunami à distância enquanto fugia para um terreno mais elevado”, contou Shoji, que vive há mais de 30 anos em Gamo, uma área até então pitoresca localizada em de Miyagi. “Quando meu marido e eu voltamos no dia seguinte, a água tinha arruinado nossa casa e todos os nossos pertences”, recordou.

Shoji, que trabalha no escritório do governo local assessorando moradores estrangeiros, disse à IPS que ela e seu marido buscaram abrigo em casas de amigos. Seu filho está casado e não vive com eles. “Não pretendo voltar para as Filipinas. Logo reconstruiremos nosso lar em outro lugar, definitivamente, longe do oceano”, afirmou Shoji, que comprava cortinas quando a tragédia aconteceu.

A história desta filipina é semelhante à de outros estrangeiros que decidiram não abandonar as áreas devastadas. Um deles é Akter Hossain, de Bangladesh, que abriu seu hotel, o Asian Garden, para mais de 400 residentes que fugiam da radioatividade que vazou após o impacto do tsunami na central nuclear de Fukushima. “Atualmente, há 30 retirantes que podem residir em meu hotel gratuitamente. Isto é o mínimo que posso fazer para devolver a enorme ajuda japonesa que recebemos em Bangladesh quando um desastre natural nos atingiu”, disse Hossain.

Histórias como a sua se convertem em símbolos da solidariedade no Japão, onde os estrangeiros sempre foram marginalizados. A imprensa japonesa elogiou o trabalho da enfermeira indonésia Rita Retnaningtyas, que continuou cuidando de seus pacientes no afetado hospital local.

“Admiro sua força para continuar trabalhando com outros japoneses em um momento em que havia tanto caos. Como estrangeira que nunca sofreu terremotos nem tsunamis, e demonstrou um compromisso extraordinário”, afirmou Wataru Fujiwara, porta-voz do Hospital Nacional de Miyagi, uma das áreas mais danificadas, com mais de 15 mil desaparecidos ou mortos, segundo os últimos dados oficiais.

Estatísticas do governo local indicam que os estrangeiros que vivem em Tohoku, onde ocorreu o pior desastre natural do pós-guerra no Japão, são principalmente estudantes, trabalhadores imigrantes ou suas mulheres. Não há números oficiais disponíveis, mas a maioria é de chineses, seguidos por sul-coreanos, filipinos e tailandeses. Muitos estão empregados em pequenas e médias empresas espalhadas pela região, e trabalham nos setores de manufatura, pesca ou agrícola.

O êxodo de estrangeiros que ocorreu pouco depois do desastre se converteu em questão importante. Yuko Tanakja, diretor do Centro Multilíngue de Chamadas de Auxílio, disse que a situação dos estrangeiros não era fácil após o terremoto, quando tiveram que decidir se partiam ou ficavam. “A radiação emitida pela usina de Fukushima levou os governos estrangeiros a orientarem seus cidadãos a partirem. Isso significava abandonar empregos e mesmo famílias, se casados com japoneses”, disse Tanaka.

Musatoshi Tateno, também do Centro Multilíngue, afirmou que o terremoto criou problemas importantes em matéria de políticas trabalhistas para a população imigrante. “Quando os trabalhadores estrangeiros voltaram aos seus países, as empresas japonesas e eles mesmos sentiram a perda. Os trabalhadores precisam dos salários para enviar dinheiro aos seus familiares, mas tiveram de partir porque as rígidas regras locais não permitem mudar para emprego em áreas mais seguras”, explicou.

A Associação de Pequenas e Médias Empresas, que representa o setor pesqueiro e manufatureiro de Tohoku e depende da mão-de-obra estrangeira, também registrou perda de trabalhadores que retornaram aos seus países de origem. Contudo, um mês depois da tragédia, há sinais de que muitos deles estão regressando.

O Centro Multilíngue, um serviço para residentes estrangeiros criado por governos locais, os ajuda a fazer a difícil adaptação. “Oferecemos serviços de apoio a estrangeiros afetados pelo terremoto, e também aos que querem voltar. Os temas mais graves para eles são como encontrar novos empregos e casas para alugar”, disse Tanaka.

O sacerdote Charles Bolduc, que está à frente da igreja católica Motodera, na cidade de Sendai, capital de Miyagi, orienta e apoia estrangeiros afetados pelo desastre. “A terrível catástrofe mostrou na realidade como japoneses e estrangeiros se ajudam entre si. As notícias sobre estrangeiros que partem não ofuscam a enorme solidariedade existente além das nacionalidades. Esta é a lição real de esperança”, disse Bolduc. Envolverde/IPS

 

Siga as notícias do Portal Pantanal News no Twitter:
www.twitter.com/PantanalNews

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 

zap2
Comentários
 
Últimas notícias do canal
08/01/2018 - 07h50
Cachorrinha reencontra donos após ser capturada por águia nos EUA
24/10/2017 - 11h16
Em Assunção, Ruiter expõe desafios e oportunidades para viabilidade de hidrovia
14/09/2017 - 10h45
Raras girafas brancas são observadas em parque no Quênia
11/09/2017 - 14h23
Distantes, moradores de MS vivem angústia com parentes nos EUA
08/09/2017 - 07h10
Aquidauanense que mora no Texas relata desespero com furacão
 
Últimas notícias do site
16/01/2018 - 15h43
Secretaria disponibiliza 80 mil doses de vacina contra febre amarela em MS
16/01/2018 - 14h30
Obra de qualidade é uma das marcas do Governo, diz Rose depois de visitar Corumbá
16/01/2018 - 10h30
Ipê-roxo é primeira árvore do Cerrado a ter genoma sequenciado
16/01/2018 - 08h40
Rebanho de MS cresceu para 21.8 milhões de cabeças de gado em 2017, diz Iagro
16/01/2018 - 08h34
Prefeitura de Corumbá implanta ponto eletrônico
 

88

ZAP NOVO
Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.