zap
   

especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Artigos - 25/04/2011 - 07h57

Queda do dólar e políticas cambiais




Por Bruno Peron Loureiro

Passados alguns meses em 2011, a cotação do dólar estadunidense caiu pouco mais de 5,5% frente ao real brasileiro. A moeda do país do Norte foi vendida a R$1,57 no início de abril, piso que não se alcançava há mais de dois anos e meio.

Para facilitar o entendimento das oscilações de moeda, a revista britânica "The Economist" criou o medidor de cotação pelo preço de venda do "Big Mac". O lanche vendido no Brasil, segundo esta ferramenta comparativa, ficou mais caro que o dos Estados Unidos e, de 120 nações onde este produto é vendido, o brasileiro só não é mais caro que o de sete países ou regiões (o que envolve toda a União Europeia).

A oscilação do valor do dólar pode ser analisada em função de investidores que inserem o dólar no Brasil porque os juros são altos e o dinheiro rende mais que alhures menos "atrativos".

As medidas do Banco Central do Brasil e o ministro da Fazenda, Guido Mantega, tentam corrigir a entrada torrencial de dólares no país e evitar a desvalorização do Real.

A queda da cotação do dólar, entre outras consequências para as trocas comerciais, encarece as exportações e barateia as importações. O efeito esperado é o aumento de produtos importados no país e o financiamento indireto das indústrias e os trabalhadores de onde vêm os produtos enquanto aumenta a vulnerabilidade interna ao desemprego.

O Brasil tenta aderir-se ao engodo delirante do livre mercado, mas o governo sobretaxa em 60% os produtos importados para que as empresas nacionais, muitas delas oligopólicas e oportunistas, possam competir. Esta política deve ser revista urgentemente, portanto.

Se, por um lado, a queda do dólar inibe as exportações e reduz os lucros das empresas nacionais, por outro, o governo brasileiro não vê a desvalorização da moeda estadunidense com pessimismo, visto que se trata de um mecanismo natural de combate à inflação. As empresas nacionais baixam os preços para concorrer com as estrangeiras e sobreviver.

As políticas públicas econômicas, deste modo, nem sempre intervêm rigorosamente no mercado financeiro porque os benefícios de alguns grupos compensam os prejuízos de outros. A queda do dólar, portanto, favorece o consumo dos brasileiros ao mesmo tempo em que dificulta os negócios de empresários exportadores.

Este sincronismo justifica por que o governo demora para tomar atitudes e elaborar políticas econômicas "corretivas", como a do aumento do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) para empréstimos no exterior. O governo brasileiro mostrou que suas políticas nem sempre desprezam as maiorias e se lançam ao gosto de grupos minoritários e poderosos.

A temporada de proteção aos brasileiros põe-se em xeque-mate, porém, quando se avaliam outros critérios econômicos. Temos a falsa impressão, por exemplo, de que o poder de compra aumentou porque o salário mínimo passou de R$510 a R$545 em fevereiro de 2011, e nunca se pôde adquirir tantos bens supérfluos, como televisores grandes de tela fina, em pagamentos a crédito, mas a inflação tem-nos perseguido sorrateiramente nos preços dos produtos.

Apesar de os conceitos econômicos comporem a mesa de burócratas e estudiosos do assunto, a economia tem um poder enorme de inundar os consumidores de produtos ou congelar suas contas bancárias subitamente, como ocorreu no governo liberalizador de Fernando Collor de Melo em 1990 sob pretexto de controle da inflação.

As políticas de câmbio seguem tendências da economia mundial e ganham eficiência de acordo com o êxito econômico de cada país, a menos que se arrisquem experiências de paridade artificial, como na Argentina que quebrou em 2001.

A subordinação das economias nacionais ao dólar estadunidense em todo o mundo ainda não vê alternativa melhor que as boas intenções que propuseram os governos de China e Venezuela, desafiadores da hegemonia desta moeda.

Fiquemos atentos se as políticas econômicas do Banco Central e nosso ministro da Fazenda favorecem os brasileiros ou as indústrias.



http://brunoperon.com.br



Os artigos publicados com assinatura não representam a opinião do Portal Pantanal News. Sua publicação tem o objetivo de estimular o debate dos problemas do Pantanal do Mato Grosso do Sul e de Mato Grosso, do Brasil e do mundo, garantindo um espaço democrático para a livre exposição de correntes diferentes de pensamentos, idéias e opiniões. redacao@pantanalnews.com.br

 

Siga as notícias do Portal Pantanal News no Twitter:
www.twitter.com/PantanalNews

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 


Comentários
 
Últimas notícias do canal
22/05/2017 - 09h01
Heraldo Pereira e Bosco Martins: um breve reencontro entre amigos
04/05/2017 - 14h30
Dr. Francisco Cavalcante Mangabeira – Parte VI
02/05/2017 - 11h08
O poeta de Sobral
24/04/2017 - 09h53
Dr. Francisco Cavalcante Mangabeira – Parte V
20/04/2017 - 15h12
Adolescentes em risco de suicídio e o jogo da Baleia Azul
 
Últimas notícias do site
29/05/2017 - 15h40
Em audiência pública, deputado Dr. Paulo Siufi propõe anteprojeto de combate e prevenção à depressão
29/05/2017 - 13h12
Cheia no Pantanal deverá atingir cerca de quatro metros e meio na metade do ano
29/05/2017 - 12h40
Polícia Militar prende dois homens por violência doméstica no fim de semana
29/05/2017 - 12h01
Comandante recepciona novos sargentos do 7º BPM de Aquidauana
29/05/2017 - 09h37
Fim de semana marcado pela prisão de condutores embriagados
 

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.