zap
   

especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Artigos - 14/04/2011 - 16h53

O urgente resgate da competitividade




Por Fernando Pimentel

O crescente déficit na balança comercial de manufaturados preocupa muito os setores produtivos e exige a urgente implementação de medidas que aumentem a competitividade sistêmica do Brasil. Para isso, são prementes a redução dos encargos trabalhistas, a isenção tributária dos investimentos e a desoneração das exportações. Propostas nesse sentido já foram encaminhadas ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior pela Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (ABIT), com a justificada inquietação de uma entidade representativa de 30 mil empresas, empregadoras de 1,7 milhão de pessoas, ou oito milhões, se considerarmos os postos de trabalho indiretos e os gerados pelo efeito renda.

         A agenda da competitividade é muito mais ampla, mas é preciso mostrar com clareza e rapidez à sociedade, empresários e trabalhadores que o País avançou das discussões à prática. Não há mais como postergar soluções, pois a valorização aguda do Real agravou os efeitos de problemas estruturais de nossa economia, como os juros e impostos elevados, estrutura tributária onerosa e complexa, infraestrutura cara e deficiente, alto custo para manter empregos e preço proibitivo da energia elétrica. O momento é propício à implementação de providências, considerando o grau de confiança na economia e o respaldo político de um governo recém-eleito com expressiva votação.

         Conectada ao processo de resgate de nossa competitividade está a estratégia de defesa comercial, a partir da correta leitura do presente cenário da economia globalizada, ainda não recuperada da crise de 2008/2009. São emblemáticas as conseqüências desse quadro na indústria têxtil e de confecção. As nações desenvolvidas, tradicionalmente grandes importadoras de vestuário, continuam com elevado desemprego e consumidores céticos. Com isto, busca-se um novo ponto de equilíbrio mundial entre oferta e demanda. Neste contexto, o aquecido mercado brasileiro é um alvo cobiçadíssimo.

         Portanto, o País não pode ficar passivo ante uma inequívoca prática de concorrência desigual: nações de grande representatividade utilizam mecanismos desequilibradores do comércio, em especial a depreciação de suas moedas. Para mitigar  as assimetrias, precisamos ser ágeis em aumentar nossa competitividade interna e estabelecer mecanismos ainda mais eficientes e de rápida implementação na legítima defesa comercial.
         Enganam-se os que imaginam haver riscos de desabastecimento em decorrência dessas medidas. A indústria têxtil e de confecção nacional tem batido recordes de investimentos, que superaram US$ 2 bilhões em 2010. Assim, está apta a atender o mercado interno e disputar o mercado mundial. Ademais, não estamos falando de fechamento dos portos. As ações defensivas que preconizamos objetivam, respeitando as regras da Organização Mundial do Comércio (OMC), combater a competição desleal e muitas vezes irregular.

Os números históricos corroboram os crescentes danos provocados por esse problema. Em 2005, o Brasil importava vestuário por US$ 7 FOB o quilo. Este valor não tinha paralelo em economias como a dos Estados Unidos e Argentina. Na ocasião, diziam que nossos preços eram mais baixos porque, como país tropical, comprávamos mercadorias mais leves e com menor qualidade. São argumentos inconsistentes e irreais. Ações sistemáticas e bem conduzidas fizeram com que, sem prejuízo do comércio, os preços atingissem hoje os patamares mundiais em torno de US$ 16 FOB por quilo.

Porém, mesmo com os investimentos e medidas de defesa adotadas, as importações dispararam, alcançando US$ 5 bilhões em 2010, quando o déficit da indústria têxtil e de confecção atingiu US$ 3,5 bilhões. Isto significou a não criação de 135 mil empregos. Ante a questão cambial aguda e os problemas de competitividade sistêmica, não têm sido suficientes os nossos diferenciais competitivos civilizados e politicamente corretos, representados pelo respeito ao ambiente e à sustentabilidade dos recursos naturais, design avançado, tecnologia, inovação, conhecimento, novos materiais e serviços de qualidade. Por isso, sem jamais descuidar desses valores agregados, carecemos de condições concorrenciais isonômicas.

         O Brasil tem a quinta maior indústria têxtil e de confecção. Possivelmente, passaremos ao quarto lugar em 2011. As empresas distribuem-se em todo o território nacional e mesclam, como poucas atividades, uma base produtiva forte, ampla, diversificada e fomentadora de conhecimento e inovação. Temos semanas de moda com importância global, uma cadeia de distribuição com mais de 100 mil pontos de venda e um dos maiores mercados consumidores do mundo.

         O setor não quer benesses, mas sim condições equânimes para competir. Temos tudo para suprir a demanda interna e externa e não tememos a concorrência pautada pelas normas da civilidade e da economia de mercado. Os procedimentos sociais, ambientais e de manufatura, assim como os produtos, devem ser globais. Portanto, não cabe condescendência com a prática predatória dos que burlam esses preceitos para conquistar mercados, sequestrando os empregos e a prosperidade dos brasileiros.


 
*Diretor-superintendente da ABIT (Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção).


Os artigos publicados com assinatura não representam a opinião do Portal Pantanal News. Sua publicação tem o objetivo de estimular o debate dos problemas do Pantanal do Mato Grosso do Sul e de Mato Grosso, do Brasil e do mundo, garantindo um espaço democrático para a livre exposição de correntes diferentes de pensamentos, idéias e opiniões. redacao@pantanalnews.com.br

 

 

Siga as notícias do Portal Pantanal News no Twitter:
www.twitter.com/PantanalNews

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 


Comentários
 
Últimas notícias do canal
04/09/2017 - 09h11
3ª Etapa da Expedição Centenária Roosevelt-Rondon (Parte III)
04/09/2017 - 09h06
3ª Etapa da Expedição Centenária Roosevelt-Rondon (Parte II)
04/09/2017 - 09h01
3ª Etapa da Expedição Centenária Roosevelt-Rondon (Parte I)
28/07/2017 - 16h47
Chapéu Bandeirante
24/07/2017 - 09h01
Atentado à Vida de Plácido de Castro
 
Últimas notícias do site
19/09/2017 - 17h12
Vídeo: Ministro oficializa migração de 23 rádios da frequência AM para FM
19/09/2017 - 17h00
Vídeo: Ministro assina documento que autoriza migração de rádios AM para FM em MS
19/09/2017 - 16h05
Censo Agropecuário será lançado em MS
19/09/2017 - 15h55
Em Paranaíba, governador dobra investimentos e injeta R$ 4 milhões em obras de infraestrutura
19/09/2017 - 15h13
Setembro Amarelo: no mês de prevenção ao suicídio, Hospital Regional apresenta dados para alertar população
 

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.