zap
ANIVERSÁRIO CORUMBÁ 2017
   

especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Meio ambiente - 02/04/2011 - 07h57

Projeto patrocinado pela Petrobras Ambiental é lançado em municípios do Pantanal e Cerrado




Por Redação Pantanal News/REPAMS

O Projeto BRPPN – Gerando Serviços Ambientais, uma das duas propostas patrocinadas em Mato Grosso do Sul pela Petrobras através do Programa Petrobras Ambiental, será lançado a partir de abril em cinco municípios do Estado. Numa era marcada pelas mudanças climáticas e pelos desafios da sustentabilidade planetária, a iniciativa vai conhecer o papel das Reservas Particulares do Patrimônio Natural (RPPNs) na redução das emissões de CO2 (gás carbônico), identificando tipos de Pagamento por Serviços Ambientais (PSAs) e restaurando áreas degradadas em Mato Grosso do Sul.

Nos próximos dois anos (2011 – 2012) a Associação de Proprietários de RPPNs do MS (REPAMS), proponente do projeto, vai aplicar metodologias para avaliar os estoques de carbono nas reservas privadas do Cerrado e Pantanal, especialmente nos municípios de Corguinho, Aquidauana, Miranda, Bonito e Jardim. Em pelo menos cinco propriedades serão identificados serviços ambientais que podem garantir, no futuro, pagamento em dinheiro aos proprietários pela conservação de florestas, água, solo, biodiversidade e outros bens naturais de uso coletivo.

Os resultados podem subsidiar políticas públicas e serão compartilhados com os governos, instituições de pesquisa, imprensa, organizações da sociedade civil e, principalmente, com os proprietários das RPPNs, principais interessados nas alternativas de geração de renda e sustentabilidade de suas terras.

Agenda de lançamento:

 

CORGUINHO: 4 de abril

Às 14h na Câmara Municipal de Corguinho

Rua Antônio Furtado de Mendonça, nº 10.

 

AQUIDAUANA: 5 de abril

Às 14h no auditório Profª Vilma Begossi (UFMS – Unidade II)

Rua Oscar Trindade de Barros, nº 740, bairro Serraria.

 

MIRANDA: 6 de abril

Às 14h na Secretaria Municipal de Turismo,

Meio Ambiente e Recursos Hídricos (SecTur)

Antiga Estação Ferroviária, rua Firmo Dutra S/Nº, centro.

 

JARDIM: 11 de abril

Às 9h da manhã no Centro de Atendimento ao Turista (CAT)

Rua Tenente Ary Rodrigues, nº 515, Praça Getúlio Vargas, centro.

 

BONITO: 18 de abril

Às 20h (após o Jornal Nacional) no Sindicato Rural de Bonito

Rodovia do Turismo, Km 1.


SAIBA MAIS

O que é RPPN?

Cachoeira da RPPN Vale do Bugio – Corguinho/MS. Foto: Daniel de Granville/REPAMS


A Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) é uma área privada, gravada com perpetuidade, com o objetivo de conservar a diversidade biológica (SNUC, 2000). Elas possuem características biológicas que, na maioria das vezes, são únicas e contribuem fundamentalmente para conservação de importantes amostras da biodiversidade mundial.

O Brasil é o país que abriga uma das maiores diversidades biológicas do mundo, cerca de 10% de todas as espécies conhecidas (Myers et. Al., 2000), o que representa 1,5 milhão de espécies, que fornecem enorme variedade de serviços ambientais em conjunto com os recursos naturais e conhecimentos de sociedades tradicionais.

Atualmente somam-se no Brasil mais de mil RPPNs protegendo 691 mil ha e, destes, 131.852,53 ha (37 RPPNs) estão em MS, representando cerca de 20% do total do país. Hoje, o maior desafio dos proprietários é garantir sustentabilidade buscando linhas de financiamento e apoio para a gestão e manutenção das RPPNs.

Pagamento por Serviços Ambientais (PSA)

O Pagamento por Serviços Ambientais (PSA) é um instrumento econômico que beneficia proprietários com incentivos para maximizar seus lucros já que parte de suas terras abriga importantes recursos naturais. Basicamente o PSA remunera quem preserva (direta ou indiretamente) o meio ambiente, pagando determinada quantia de dinheiro. No Brasil, o Projeto de Lei No 271, de 2010, criou um Grupo de Trabalho Interministerial que discute a regulamentação deste mecanismo.

Em Mato Grosso do Sul, cinco RPPNs terão valoração de seus serviços ambientais. O pagamento será baseado no custo de produtividade que a área teria caso não fosse abdicada pelos proprietários para a conservação. Na região abrangida pelo BRPPN, as principais atividades econômicas estão baseadas no turismo e pecuária.

Fixação de carbono

Além de estimular o desenvolvimento sustentável, permitindo educação ambiental, pesquisas científicas e atividades com fins econômicos como ecoturismo ou venda de cotas (com preço do hectare produtivo) para outros proprietários impossibilitados de regularizar in loco suas Reservas Legais (RLs), as RPPNs funcionam como estoques de carbono. Conservadas para sempre, as áreas não podem ser desmatadas ou alteradas, o que evita emissão do principal elemento causador do efeito estufa e do aquecimento global.

Para estimar o estoque de carbono nas RPPNs serão utilizadas técnicas de campo, de espacialização, sensoriamento remoto e medição de biomassa com dados da literatura científica, inclusive do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC).

Recuperação, comunicação e educação

Pelo menos 100 hectares de áreas degradadas de RPPNs nos biomas Pantanal e Cerrado serão recuperados como parte das ações do Projeto BRPPN, dando oportunidade para se observar e registrar a produção e fixação de CO2 nas áreas em regeneração.

O envolvimento das comunidades e escolas locais no projeto ocorre por meio de oficinas e capacitações em comunicação popular (ou educomunicação) e educação ambiental. A ampla difusão de informações por meio das redes sociais, sites, radios e TVs para a população de Mato Grosso do Sul democratizará os resultados alcançados. Entre outras atividades previstas estão a produção de placas de identificação para todas as RPPNs de MS, de materiais didáticos para as populações e do primeiro atlas com informações sobre as reservas do Estado.

 

 

Siga as notícias do Portal Pantanal News no Twitter:
www.twitter.com/PantanalNews





Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 

area
Comentários
 
Últimas notícias do canal
22/09/2017 - 14h39
Projeto Florestinha realizou Educação Ambiental para alunos em comemoração ao dia da árvore
21/09/2017 - 12h44
Dia da Árvore tem plantio e coral do Rede Solidária na Sedhast
21/09/2017 - 08h23
Campo Grande recebe primavera colorida pelos tarumãs e jacarandás
14/09/2017 - 05h50
Incêndio florestal que durou 10h consumiu pelo menos mil hectares
08/09/2017 - 07h45
Em uma semana, setembro já é o 3º mês com mais queimadas no ano
 
Últimas notícias do site
22/09/2017 - 17h12
Vídeo: Ministro oficializa migração de 23 rádios da frequência AM para FM
22/09/2017 - 17h00
Vídeo: Ministro assina documento que autoriza migração de rádios AM para FM em MS
22/09/2017 - 15h58
Aquidauana sedia encontro para debater inclusão no IFMS
22/09/2017 - 14h39
Projeto Florestinha realizou Educação Ambiental para alunos em comemoração ao dia da árvore
22/09/2017 - 13h11
PMA apreende redes e liberta peixes dos petrechos ilegais
 

zap

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.