zap
   

especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Artigos - 06/12/2010 - 08h37

Sandices de um mundo à deriva




Por Bruno Peron Loureiro

As tentativas de ascensão - ou sobrevivência? - da América Latina frente a um mundo tomado pelo capital, a hegemonia e a intolerância causam perplexidade.

Mais de 1600 haitianos morreram de cólera - doença que se espalha pela água e alimentos contaminados - desde que se detectou um surto da doença em outubro de 2010, segundo o Ministério de Saúde e População do Haiti. O terremoto de 12 de janeiro de 2010 entregou o país ao acaso e à especulação de países aproveitadores e oportunistas, já que o governo de René Preval comprovou sua incompetência em lidar com a situação de crise humanitária.

A imprensa tupinica, enquanto isso, comemora a vitória das "forças de segurança" sobre os traficantes da favela do Alemão, Rio de Janeiro, Brasil. Ainda se tem a esperança, pelo que os esforços indicam, de resgatar o incompreensível título de "Cidade Maravilhosa" para a atual arena de guerra, de um lado, e condomínios luxuosos de atores de telenovela, de outro.

Qual seria o cenário frente à legalização das drogas? Casos de polícia passariam a compor índices de saúde pública, o tráfico de drogas deixaria de ser um negócio altamente rentável para se tornar um bem fácil de adquirir, e ficaria mais fácil identificar o dependente químico a fim de orientá-lo no tratamento. Por estas e outras razões, sou veementemente a favor da legalização dos tipos de drogas cuja produção, comercialização e consumo são punidos pelas "forças de segurança".

É um jeito de tratar o drogado em vez de puni-lo como um ser degradado!

Os morros cariocas hospedam estilos de vida bastante diversos: desde famílias humildes e trabalhadoras a cooptadores de menores e malandros dispostos ao dinheiro fácil. A notícia de que casas foram invadidas, destruídas e espoliadas indiscriminadamente pelos grupos policiais entristece o país e os coloca - com a devida exceção - no mesmo patamar dos bandidos caçados.

O "Complexo do Alemão" esconde muito mais que a comemorativa Globo expôs nas cenas do conflito. A tal da "libertação" da comunidade não convence porque o Estado tupinica oprime mais que qualquer bandido em favela, alberga a cúpula da pirâmide do tráfico (de armas, drogas, medicamentos) e desrespeita o contribuinte com a impunidade aos crimes de "colarinho branco", como aquele governador que foi flagrado escondendo dinheiro de propina nas meias.

A Globo, em vez de valorizar a expressão comum e pobre do Rio de Janeiro, entrevistou, no ínterim em que se dava o triste e inócuo conflito, o verdugo Joe Jackson porque lhe traz maior audiência. Este sujeito veio ao Brasil de Los Angeles, EUA, para expressar, junto com um escritor sequaz de Atlanta, que a grana póstuma de Michael Jackson pertence à família Jackson e não às gravadoras.

Ao mesmo tempo em que o Brasil vive experiências idílicas de inserção internacional e prepara o cenário das Olimpíadas na fatídica Rio de Janeiro, a União Europeia injeta dinheiro na economia da Irlanda e se discute, como poucas vezes antes, por que aumentou a emigração de Portugal, país que, por pouco, não teria condições mínimas de estar no bloco de integração daquele continente.

Portugal é uma das matrizes culturais mais importantes de formação do Brasil e o povo tupinica, mas é aqui onde se fala um idioma meio português, meio inglês, mas ao mesmo tempo nenhum dos dois. E chamam isso de assimilação, miscigenação, diversidade, receptividade, e o diabo a quatro.

A polêmica em torno do Irã e seu programa nuclear, ainda, abafou-se temporariamente. Em seu lugar, fala-se de ataques da Coreia do Norte aos irmãos da Coreia do Sul. O país meridional, destarte, iniciou manobras militares com EUA no mar Amarelo, que fica oeste da península.

Está cada vez mais difícil saber em quem acreditar, visto que os detentores da "verdade" distanciam-se de oferecer bons exemplos. Sendo a Coreia do Norte um país fechado, como conhecer a versão dos fatos daquele país a fim de que formemos a nossa opinião sobre o assunto?

A perplexidade a que me referi no primeiro parágrafo se deve à convicção de alguns de que, por um lado, seus países devem trilhar um caminho de "desenvolvimento" (emprego este termo propositalmente entre aspas no lugar de "evolução") capitalista, de redução drástica dos impostos (já que o Estado, na visão deles, atrapalha) e industrialização da vida.

Por outro lado, eu e outros não conseguimos admitir que se exauram os recursos da natureza para manter um depósito de mercadorias (que poderão ou não ser consumidas), concentre-se a renda e as terras de modo que há fazendas no Brasil que têm o tamanho de países inteiros, e tome-se a saúde como negócio ou um serviço disponível a quem puder pagar, como nos EUA.

Tampouco podemos admitir que o mundo chore pelos três mil (não dez mil como nos fizeram crer, mas ainda um número expressivo) que morreram nas torres gêmeas em Nova York, EUA, em 11 de setembro de 2001, mas poucos se sensibilizem com um número muito maior que contraiu o cólera no Haiti, doença até então tida por controlada e fora de risco.

Esta perplexidade, porém, varre o mundo todo, que está à deriva, mas se endireitará com os esforços dos cidadãos de bem, como você.

As tolices deste mundo causam-nos perplexidade, mas nada impede que mantenhamos um feixe de luz aceso e erguido.


http://brunoperon.com.br

Os artigos publicados com assinatura não representam a opinião do Portal Pantanal News. Sua publicação tem o objetivo de estimular o debate dos problemas do Pantanal do Mato Grosso do Sul e de Mato Grosso, do Brasil e do mundo, garantindo um espaço democrático para a livre exposição de correntes diferentes de pensamentos, idéias e opiniões. redacao@pantanalnews.com.br

 

 

Siga as notícias do Portal Pantanal News no Twitter:
www.twitter.com/PantanalNews

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 

area
Comentários
 
Últimas notícias do canal
09/10/2017 - 13h44
Joaquim Francisco de Assis Brasil
09/10/2017 - 13h43
Assis Brasil, Acre
09/10/2017 - 13h34
O Assassinato de Chico Mendes
09/10/2017 - 13h31
Epopeia Acreana - Parte VII
09/10/2017 - 13h29
Epopeia Acreana - Parte VI
 
Últimas notícias do site
23/10/2017 - 09h54
Prefeito de Corumbá representa o Brasil em seminário internacional do FONPLATA sobre hidrovia
23/10/2017 - 08h55
Semana em MS começa com 169 vagas em concursos públicos
23/10/2017 - 07h41
PMA e parceiros realizam Educação Ambiental para alunos em escolas ribeirinhas e indígenas
23/10/2017 - 07h40
Em oito dias, Mato Grosso do Sul registra queda de 55 mil raios
23/10/2017 - 07h02
Medidas anunciadas por Temer farão ressurgir o rio Taquari, diz Ruiter
 

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.