zap
GOV EMPREGO 22-06
   

especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Meio ambiente - 16/10/2010 - 09h09

A vida dos sem-floresta




Por Redação Pantanal News/G1.com.br

Animais ameaçados de extinção estão se adaptando a lavouras e até a cidades. Será que os ambientes naturais são imprescindíveis para a conservação?

Alguns bichos estão mudando de casa em nome da própria sobrevivência. Eles fogem de uma onda de extinção de espécies que assola o planeta nas últimas décadas. A principal causa disso é o desaparecimento de seus ambientes naturais, os hábitats – substituídos por cidades, lavouras ou estradas. Mas agora alguns cientistas começam a observar que certos animais estão conseguindo, aparentemente, se adaptar bem às transformações.

O que chama a atenção dos pesquisadores é a rapidez com que os bichos dão mostras de se harmonizar nos novos meios – e como esses ambientes estão cada vez mais inusitados. Há onças habitando canaviais, capivaras nadando no poluído Rio Tietê, aves trocando mata nativa (e rica em alimentos) por reflorestamentos vazios de biodiversidade. Como essas espécies sobrevivem? Será que as florestas nativas não são mais necessárias?

Custo Coimbra e Amilton Vieira

NOVOS HABITATS
A onça-parda (à esquerda) prospera nos canaviais. E o charão (à direita) gosta de eucaliptos plantados

Uma das descobertas curiosas foi feita pelo engenheiro florestal Laury Cullen, pesquisador do Instituto de Pesquisas Ecológicas (Ipê). Ele concluiu que, em alguns lugares do interior de São Paulo, as onças estão gostando da expansão dos canaviais. Animais de topo de cadeia, que geralmente precisam de longas áreas de florestas nativas para sobreviver, passaram a frequentar com assiduidade as plantações de cana-de-açúcar da vizinhança. Usam os canaviais como corredores de passagem até o próximo oásis de mata rica em presas e abrigo no Parque Estadual Morro do Diabo.

Para as onças, os canaviais de agora são melhores que os pastos, que ocupavam as fazendas da região. Quando os bois eram predominantes, as onças deixavam a floresta em busca de lanche grátis nas pastagens do vizinho. O vizinho não gostava e costumava abater felinos a tiros para proteger seu rebanho. O conflito com os proprietários era grande, até a pecuária sair de cena. “As onças comem boi, mas não chupam cana. Aí acabou o conflito”, diz Cullen. Há registros de animais que tiveram a ninhada no meio dos plantios. “Desde que não haja queimadas, essas plantações funcionam como bons hábitats para os carnívoros.”

Menos corriqueiro ainda é ver a proliferação dos bichos nas cidades – as florestas de concreto. Recentemente, cientistas americanos descobriram que Nova York funciona como um hot spot (região de alta concentração de biodiversidade) mais diverso e farto que muitas áreas rurais do entorno. A natureza está prosperando por ali. Os ursos e as lontras desapareceram. Mas o ecossistema como um todo nunca foi embora.

Há onças em plantações de cana e capivaras nas águas poluídas do Tietê, em plena cidade de São Paulo

Um olhar rápido para a história da metrópole explica as causas da abundância em fauna e flora. Nova York foi fundada sobre regiões de manguezais, riquíssimas em diversidade, onde o rio encontra o mar. Uma área repleta de riachos, matas, baías e enseadas. Está inserida em um dos mais complexos estuários ecológicos do mundo. O pesquisador Richard Pouyat, do Serviço Florestal dos Estados Unidos, concluiu que as matas urbanas não só têm prosperado nas cidades, mas por causa das cidades. “A velha ideia de que as áreas urbanas não são ecologicamente interessantes é falsa”, diz ele. “A única diferença é que elas foram alteradas.”

Não é preciso ir longe para observar a adaptação de algumas espécies à civilização. Quem passa pelas marginais dos rios Tietê e Pinheiros, em São Paulo, já deve ter se perguntado como algumas aves têm estômago para viver nessas vias. São dezenas de espécies de pássaros, como corujas, gaviões, joões-de-barro e até tucanos, que sobrevoam diariamente as águas fétidas dos rios. Sem falar nas capivaras, que mergulham com tranquilidade em meio ao lixo e à poluição. Segundo o governo estadual, no mínimo 150 delas se radicaram nas proximidades das pistas expressas nos últimos anos. Elas resistem bem à sujeira e ao esgoto. Escolheram estar ali depois de despejadas de seu hábitat original, quando a cidade invadiu a Mata Atlântica local.

Mesmo que algumas espécies se adaptem aos novos ambientes, eles não substituem as paisagens naturais. Para começar, a adaptação extrema é para poucos. “Só as espécies generalistas, menos restritivas, conseguem permanecer”, diz o biólogo Fabio Olmos. Além disso, a fauna frequentemente sai perdendo, até quando encontra novos locais para viver. É o caso do papagaio-charão em Santa Catarina e no Rio Grande do Sul. Antigos habitantes das florestas de araucárias do Sul do Brasil, eles se viram na iminência da falta de abrigo depois da derrubada em massa de sua moradia original. A araucária, hoje ameaçada de extinção, tornou-se raridade nas redondezas – e o charão precisou encontrar uma nova vegetação. Os grupos escolheram os reflorestamentos de pínus e eucaliptos que vêm tomando conta do Sul do país.

O biólogo Jaime Martinez, professor da Universidade de Passo Fundo, acompanha os charões há quase 20 anos. Já chegou a ver bandos de 20 mil animais dormindo em poucos hectares de floresta plantada. Eles usam a área só para pernoitar. Há algumas hipóteses para explicar o comportamento. Uma delas, a mais plausível, é que as aves estejam à procura de segurança. Por serem locais descampados, com maior visibilidade e pobres em predadores, os reflorestamentos inspiram confiança nos papagaios. Mas as áreas funcionam apenas como ajuda. Não há comida em abundância nem condições para reprodução. “Eles continuam precisando da araucária para sobreviver”, diz Martinez.

 

Siga as notícias do Portal Pantanal News no Twitter:
www.twitter.com/PantanalNews

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 


Comentários
 
Últimas notícias do canal
22/06/2017 - 15h50
Cães para adoção serão vacinados gratuitamente nesta sexta
21/06/2017 - 13h32
Coordenador ambiental alerta sobre incêndios florestais no inverno em MS
21/06/2017 - 11h16
Monumento natural que funciona como balneário ganha plano de manejo em Bonito, MS
09/06/2017 - 08h40
Moradores transformam terreno baldio em horta comunitária em MS
08/06/2017 - 15h42
Dourado está para os rios como onça para o Pantanal, compara pesquisador
 
Últimas notícias do site
26/06/2017 - 14h16
Outro foragido da Justiça é capturado pela Getam em Aquidauana
26/06/2017 - 12h41
Policiamento Montado garante a segurança nas escolas de Aquidauana
26/06/2017 - 10h15
Rotai captura mais dois foragidos da justiça em Aquidauana
26/06/2017 - 09h40
Concursos em MS reúnem quase 300 vagas e salários de até R$ 14,9 mil
25/06/2017 - 15h13
Em Furnas do Dionísio, governador entrega obra de R$ 315 mil e anuncia novos investimentos
 

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.