zap
   

especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Artigos - 04/10/2010 - 09h45

Apedeuta e o senso comum




Por Bruno Peron Loureiro

A manifestação e ascensão das esquerdas latino-americanas incomodam enormemente os grupos que detêm o poder econômico, principalmente os metidos a policiais do mundo. Para eles, convém manter a maior parte da população na ignorância, contentando-se com pouco. A sobrevivência tem sido a recompensa de um povo que transpira para ganhar a vida.

O presidente venezuelano Hugo Chávez rejeitou a escolha do estadunidense Larry Palmer para o cargo de embaixador na Venezuela e acusou o governo de Barack Obama de "assassino", "irresponsável" e "golpista". O mandatário latino-americano não poupa palavras e atitudes que visam a posicionar seu país no lado da autonomia decisória.

Os Estados Unidos poderiam voltar-se ao problema do aumento do desemprego e da violência em seu território em vez de sangrar nações indefesas. Nota-se, porém, que a política exterior deste país é prioridade, uma vez que a opressão a países mais fracos é requisito para o bem-estar interno.

São raros os governos que desafiam a ordem mundial capitalista, que se fundamenta na reprodução de um modelo de desenvolvimento concentrador e insustentável, inimigo da decência. Os poucos que se atrevem a contradizê-lo são chamados de loucos, ditadores, guerrilheiros ou terroristas. E o povo repete esta fórmula queném papagaio.

Dilma Rousseff recebeu, em período de propaganda eleitoral, calúnias de todo tipo. Correios eletrônicos de deboche circularam no tempo em que paradoxalmente se estigmatizou seu nome como "guerrilheira" que pegou em armas contra a opressão ignominiosa da ditadura militar.

Os valores corromperam-se tanto no Brasil que já não se define mais o limite entre apedeuta e o senso comum, duas caras da mesma moeda. Cidadãos tupinicas apressaram-se em escolher seus candidatos a fim de se livrar do fardo da obrigatoriedade do voto e seguir suas rotinas.

A capacidade manobrista dos grandes poderes estabelecidos é tanta que a oposição ao "milagre econômico" da ditadura militar é pecaminosa, coisa de comunista. A luta contra a ditadura militar, período de covardia e afronta aos cidadãos de bem, e o exílio de centenas de intelectuais transformam-se em razão de desmerecimento de personalidades. Que esperar deste país?

Um dos fatores, contudo, que deslocam a candidata Rousseff do campo das esquerdas latino-americanas é a migração de sua militância da luta revolucionária ao "capitalismo pragmático". Esta negociação justifica a inserção de lutadores das causas sociais num quadro político que dispõe de pouca mobilidade. Em outras palavras, o candidato vitorioso nas eleições terá o dever de administrar a máquina estatal instituída com a diligência de não afetar interesses de grupos poderosos, que governam de fato por trás de qualquer personalidade carismática.

O panorama no Brasil é bem pessimista: convocam-se pessoas que não sabem o que fazer com seu poder de voto às urnas eletrônicas ao mesmo tempo em que os grandes meios de comunicação selecionam para os debates os candidatos que terão melhores condições de administrar a engrenagem que já está estabelecida e exclui outros que oferecem mudanças consistentes. Não é à toa que o único candidato convidado da esquerda, o caduco Plínio Arruda Sampaio, não soube o que fazer com o precioso tempo que lhe concederam na televisão.

É praticamente um consenso entre as esquerdas latino-americanas que o Estado deve-se responsabilizar pelos serviços que garantem a melhora de qualidade de vida da população em contraposição à iniciativa privada. Ao longo do tempo, a própria sociedade criará mecanismos para saciar a demanda por serviços comunitários e o Estado se torna desnecessário. Falta corrigir a tendência de acomodação que corrói a categoria de servidores públicos.

Para citar Cuba: existe uma reforma em curso da economia cubana, que envolve a demissão de funcionários públicos, a permissão para abertura de pequenos negócios e a formação de cooperativas. Seus formuladores, porém, garantem que aquela não atrapalha a construção do socialismo e o projeto iniciado com a revolução.

Há um esforço pueril de desqualificar conquistas sociais e governos progressistas na América Latina. Os avanços políticos e a autonomia que alguns de seus países têm conquistado, contudo, são incontornáveis. As elites culturais e econômicas apelam, portanto, à difamação e o escândalo.

Os partidos que apareceram menos nos meios de comunicação contestam o jogo eleitoral desigual e unem-se numa luta a favor de uma reforma que iniba aqueles de maiores recursos financeiros de aparecer mais. O financiamento público de campanha, porém, é questionável, a menos que o Estado regule a aparição de todos os partidos por igual e libere pouca verba.

Os Estados Unidos forjaram um ataque terrorista em Nova York em setembro de 2001, invadiram nações e mataram civis inocentes para desovar a indústria bélica milionária, e determinaram em quais países "subdesenvolvidos" cada acessório material de seus cidadãos deve ser produzido, desde os tênis até peças de computadores.

A ganância gera a própria desgraça, uma vez que os EUAnos são os principais consumidores dos entorpecentes latino-americanos. A conivência do presidente mexicano Felipe Calderón, do Partido da Ação Nacional (PAN), com os Estados Unidos tem provocado massacres no México em reação à política de combate ao tráfico de drogas.

Colômbia, Peru e Bolívia são os três maiores produtores de cocaína no mundo. É alarmente o dado de que o narcotráfico representou em 2009 de 1,5 a 3% do Produto Interno Bruto da Bolívia e movimentou de 300 a 700 milhões de dólares.

O tráfico de entorpecentes é um negócio execrável e deve ser abolido com todo vigor, assim como o comércio de armamentos. A América Latina, no entanto, acaba inserindo-se no mercado internacional em função do que dispõe para incrementar a renda de seus países e atender à economia.

É preciso rever a prática cidadã, os programas de governo e a inserção da América Latina no mundo antes de que se anule a diferença entre apedeuta e senso comum.



http://www.brunoperon.com.br


Os artigos publicados com assinatura não representam a opinião do Portal Pantanal News. Sua publicação tem o objetivo de estimular o debate dos problemas do Pantanal do Mato Grosso do Sul e de Mato Grosso, do Brasil e do mundo, garantindo um espaço democrático para a livre exposição de correntes diferentes de pensamentos, idéias e opiniões. redacao@pantanalnews.com.br

 

Siga as notícias do Portal Pantanal News no Twitter:
www.twitter.com/PantanalNews

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 


Comentários
 
Últimas notícias do canal
22/05/2017 - 09h01
Heraldo Pereira e Bosco Martins: um breve reencontro entre amigos
04/05/2017 - 14h30
Dr. Francisco Cavalcante Mangabeira – Parte VI
02/05/2017 - 11h08
O poeta de Sobral
24/04/2017 - 09h53
Dr. Francisco Cavalcante Mangabeira – Parte V
20/04/2017 - 15h12
Adolescentes em risco de suicídio e o jogo da Baleia Azul
 
Últimas notícias do site
29/05/2017 - 15h40
Em audiência pública, deputado Dr. Paulo Siufi propõe anteprojeto de combate e prevenção à depressão
29/05/2017 - 13h12
Cheia no Pantanal deverá atingir cerca de quatro metros e meio na metade do ano
29/05/2017 - 12h40
Polícia Militar prende dois homens por violência doméstica no fim de semana
29/05/2017 - 12h01
Comandante recepciona novos sargentos do 7º BPM de Aquidauana
29/05/2017 - 09h37
Fim de semana marcado pela prisão de condutores embriagados
 

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.