zap
   

especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Artigos - 29/07/2008 - 10h33

Desconstruindo o Próximo




Por (*)Adilson Luiz Gonçalves

 

Outro dia, um comentarista de televisão, após ler um e-mail com críticas, passou a desqualificar duramente seu autor, não pelas opiniões expressadas, mas pelos erros ortográficos existentes, muito comuns na Internet e, infelizmente, cada vez mais fora dela. Será que faria o mesmo se a mensagem estivesse repleta de falhas, mas cheia de elogios?

Expressar-se corretamente é necessário, sem dúvida, mas havia um agravante na postura do comentarista: ele tinha um veículo de comunicação a sua disposição! Por mais absurdos que fossem os argumentos ou intenções do espectador, outras soluções poderiam ter sido adotadas, em vez de ridicularizá-lo, no ar, pela falta de pontuação e letras maiúsculas.

A desqualificação de argumentos vale quando envolve questões de mérito e o embate ocorre em igualdade de condições entre as partes, permeado por suporte científico e bom-senso. Esse não é o caso quando um indivíduo usa de sua erudição ou poder para intimidar ou ridicularizar pessoas cujas opiniões sejam divergentes, sem abordar propriamente o tema; nem quando um desembesta a gritar, com ou sem torcida, impedindo que o outro se expresse.

Imaginem se a resposta de um, que se diz culto, ao questionamento de outro, de pouca instrução, fosse: “Vá aprender a expressar-se direito, antes de falar comigo!”.  A arrogância e o esnobismo às vezes disfarçam deficiências intelectuais, de caráter, ou segundas intenções!

Infelizmente, essa forma de intimidação é muito comum nas relações humanas, sejam elas: familiares, religiosas, profissionais, políticas... Existem até cursos que ensinam “técnicas” para explorar os aspectos psicológicos envolvidos. Como qualquer “arma”, nas mãos erradas elas podem provocar sérios e duradouros danos.

Nem sempre isso é simples, no entanto. Dependendo do interlocutor e do ambiente, uma discussão pode engendrar uma escalada assimétrica do tipo “quem grita mais”, com final imprevisível. Qualquer que seja o tipo do “Bateu? Levou…”, ele pode “fazer sucesso” com cabos eleitorais, fãs e parentes, mas só serve para demonstrar despreparo para o diálogo daqueles que sempre querem ter a “última palavra”, mesmo quando estão errados.

É certo que as relações humanas são complexas, os humores são variáveis. Também é verdade que alguns adoram fazer picuinha e semear o caos, por iniciativa própria ou sob encomenda. Mas, entre indivíduos civilizados, a argumentação ponderada e coerente sempre deve prevalecer. É assim que a civilização evolui! Se bem que uma “explosão controlada”, na hora certa, às vezes é necessária. Além disso, é preciso ter consciência do poder que se tem à mão, para não utilizá-lo de forma indevida, injusta, tirânica.

O ideal é que aprendamos a dosar a “paciência de Jó” com a “fúria de titãs”, e o amor próprio com o respeito ao próximo.

 

 


 

ESTILHAÇOS

 

Lancei uma pedra!

Quebrei a vidraça!

Chamei a atenção

de quem estava na praça.

 

Gritei o meu credo,

sem medo ou pudor.

Maldisse a injustiça

e a falta de amor.

 

Um clamou: "É louco!",

entre irado e pasmo.

Eu causava estorvo

àquele marasmo.

 

Se isso é ser louco, bendita loucura!

Se é ser ingênuo, bendita candura!

Pois não há sentido em vagar cego e mudo ,

deixando a maldade se apropriar de tudo.

 

Tomei os pedaços de vidro, um a um,

e entreguei a quem encontrei na calçada,

dizendo: "São peças do jogo da vida:

sozinhas são vagas, não servem pra nada."

 

Mas não me incriminem, nem digam: "É um vândalo!";

tampouco me creiam amante do escândalo.

A pedra atirada era um grito de alerta,

e a vidraça quebrada, metáfora esperta!

 

Prefiro estilhaços, no mundo da lua,

que a vida em pedaços, jogada na rua!

 

 

(*)Adilson Luiz Gonçalves

Mestre em Educação

Escritor, Engenheiro, Professor Universitário (UNISANTOS e UNISANTA) e Compositor

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 


Comentários
 
Últimas notícias do canal
24/04/2017 - 09h53
Dr. Francisco Cavalcante Mangabeira – Parte V
20/04/2017 - 15h12
Adolescentes em risco de suicídio e o jogo da Baleia Azul
18/04/2017 - 15h00
Dr. Francisco Cavalcante Mangabeira – Parte IV
18/04/2017 - 14h55
Dr. Francisco Cavalcante Mangabeira – Parte III
18/04/2017 - 14h50
Dr. Francisco Cavalcante Mangabeira – Parte II
 
Últimas notícias do site
27/04/2017 - 15h06
Rádio Independente de Aquidauana recebe "Moção de Congratulação" do deputado estadual Paulo Siufi por processo de migração para FM
27/04/2017 - 15h03
Em MS, 27% dos contribuintes ainda não entregaram declaração do IR 2017
27/04/2017 - 07h10
Chuva em municípios de MS passou dos 50 mm e derrubou temperaturas
27/04/2017 - 06h31
Confira as ocorrências dos Bombeiros das últimas horas
27/04/2017 - 06h24
No primeiro frio do ano, quinta-feira amanhece com mínima de 9°C em MS
 

zap

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.