zap
   

especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Artigos - 14/10/2008 - 14h58

A Vocação do Brasil




Por Rosildo Barcellos (*)

         O carvão vegetal é produzido a partir da lenha pelo processo de carbonização ou pirólise. No Brasil, o uso industrial do carvão vegetal continua sendo largamente praticado. O nosso país é o maior produtor mundial desse insumo energético. No setor industrial (quase 85% do consumo), o ferro-gusa, aço e ferro-ligas são os principais consumidores do carvão de lenha, que funciona como redutor (coque vegetal) e energético ao mesmo tempo. O setor residencial consome cerca de 9% (cocção) seguido pelo setor comercial com 1,5%, representado por pizarias, padarias e churrascarias e ainda uma pequena porcentagem é empregada como medicamento, pois o carvão vegetal apresenta capacidade de adsorver considerável quantidade de gases que são produtos da decomposição alimentar formados pela ação bacteriana, auxiliando na redução dos incômodos causados pela flatulência.

 

 

     Em Mato Grosso do Sul,uma empresa de mineração,  anunciou recentemente a aquisição de aproximadamente 1 milhão de metros cúbicos de floresta plantada de pinus, no município de Ribas do Rio Pardo (MS). A madeira oriunda desta região será transformada em carvão vegetal, que suprirá cerca de 25% da demanda da planta de ferro gusa da empresa, situada em Corumbá (MS), entre 2009 e 2011. O ferro gusa é obtido a partir da redução do minério de ferro, sendo utilizado para a produção de aço.     

 

 

 

 

     Antevendo, então um  incremento no transporte desse material   o Contran, através da Resolução 293/08 publicada em seis de outubro passado, fixou requisitos de segurança para circulação de veículos que transportam produtos siderúrgico que é o caso do carvão a granel  ou ensacado.

 

 

 

 

     A título de esclarecimento; o carvão acondicionado em sacos, poderá ser transportado em caminhões com carroçarias convencionais, desde que atendidas as seguintes condições:

 

 

I - A carga não poderá exceder a largura e o comprimento da carroçaria, nem as dimensões previstas na Resolução nº 210/2006 - CONTRAN.

II - A carga não poderá apresentar desalinhamento longitudinal ou vertical à carroçaria do veículo, de forma a comprometer sua estabilidade.

III - Quando ultrapassarem a altura das guardas laterais da carroçaria do veículo, limitada a 4,40m (quatro metros e quarenta centímetros), as pilhas de sacos de carvão serão obrigatoriamente amarradas com cordas, cabos de aço ou cintas, com resistência total à ruptura por tração correspondente a 2 (duas) vezes o peso da carga transportada, inclusive quando acomodadas na forma denominada 'fogueira'.

 

 

     Urge ressaltar que no transporte de carvão a granel, só poderão ser utilizados veículos dotados de carroçarias com guardas laterais fechadas ou guarnecidas de telas metálicas com malhas de dimensões tais que impeçam o derramamento do material transportado, cuja carga não poderá ultrapassar a altura das guardas laterais da carroçaria; e a parte superior da carga será, obrigatoriamente, protegida com lona fixada à carroçaria, de forma a impedir o derramamento da carga sobre a via. Atente ao fato que o referido transporte poderá ser penalizados pelos ditames do CTB e da ANTT.

 

 

 

 

     Entendemos que pululam atreladas a atividade de carvoejamento, denúncias de associação com condições desumanas de trabalho. Esta realidade deve ser modificada em curto espaço de tempo com o aumento da fiscalização policial concomitantemente com o emprego de novas tecnologias, como por exemplo: o processo de briquetagem a partir do café, sim a casca de café pode ser um substituto para o carvão vegetal, além de outros estudos que vislumbrem uma indústria limpa e realmente sustentável e renovável, geradora de empregos dignos e de divisas num país de vocação florestal cujo próprio nome é de uma árvore : Brasil.

 

 

(*) Articulista

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 


Comentários
Marcos Roberto, em 14/10/2008 - 19h02

extremamente interessante e esclarecedor.Não sabia quão importante era o Carvão para nossa vida.Vamos preservar.Parabéns Professor!

 
Últimas notícias do canal
24/04/2017 - 09h53
Dr. Francisco Cavalcante Mangabeira – Parte V
20/04/2017 - 15h12
Adolescentes em risco de suicídio e o jogo da Baleia Azul
18/04/2017 - 15h00
Dr. Francisco Cavalcante Mangabeira – Parte IV
18/04/2017 - 14h55
Dr. Francisco Cavalcante Mangabeira – Parte III
18/04/2017 - 14h50
Dr. Francisco Cavalcante Mangabeira – Parte II
 
Últimas notícias do site
24/04/2017 - 10h39
Corpo do cantor Jerry Adriani é velado no Rio
24/04/2017 - 09h56
Declaração do Imposto de Renda termina sexta; fique atento ao prazo
24/04/2017 - 09h53
Dr. Francisco Cavalcante Mangabeira – Parte V
24/04/2017 - 09h45
Aproveite as sobras num delicioso feijão tropeiro feito em uma panela só
24/04/2017 - 09h35
Corumbaense vence Operário e está na final do Estadual após 30 anos
 

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.