zap
   

especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Artigos - 22/03/2010 - 07h13

Belo monte para quem




Por Bruno Peron Loureiro

 A construção da usina hidrelétrica de Belo Monte é mais um capítulo do certame entre os pujantes e os despossuídos. O que chama mais a atenção é o apelo oficial à obra em nome do desenvolvimento.

            Temos a impressão de que os vencedores da contenda exibirão, como de costume, os detalhes do empreendimento colossal pelas ferramentas digitais do Google, já que o prejuízo da população regional reduz-se a um mero empecilho. Nas imagens via satélite, os pequenos nem aparecem.

            Indígenas, agricultores e habitantes de áreas ribeirinhas assistem ao advento da terceira maior usina hidrelétrica do mundo e a segunda do Brasil como seres desarmados e passivos.

            A usina hidrelétrica será instalada no rio Xingu, próximo à cidade de Altamira, oeste do estado do Pará. Terá capacidade de geração de 11,2 mil Megawatts (MW) e criará, segundo seus defensores, 18 mil empregos diretos. Não se contam os imigrantes iludidos.

            Paquiçamba e Arara da Volta Grande, por sua vez, são as principais comunidades indígenas afetadas pelo futuro ominoso para suas práticas tradicionais. O pouco que resta das culturas aborígines é incinerado por esse modelo de desenvolvimento.

            A maior hidrelétrica do mundo é a de Três Gargantas, no rio Yang-Tsé, China, enquanto Itaipu, em Foz do Iguaçu na fronteira com o Paraguai, é a segunda.

            A discussão sobre a instalação da usina de Belo Monte já toma pelo menos vinte anos e, a despeito do mérito do tema, atravessou vários carnavais em que mulheres bonitas exibiam a bunda e o peito.

            O projeto, cujo custo é estimado em R$30 bilhões e estimulado pelo Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), é polêmico. A aprovação incondicional pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA) botou lenha na fogueira.

            Um tema que era amargo ficou corrosivo.

            Movimentos sociais, análises ténicas de cientistas, alguns organismos sem fins lucrativos e o Ministério Público Federal opuseram-se ao projeto de construção da usina, que está ratificado por grupos pujantes.

            A questão que permeia um projeto desta magnitude é de qual é o modelo de desenvolvimento que o Brasil se prontifica a seguir, se é sustentável ou não e quem auferirá benefícios e prejuízos.

            O mote da política é ação para maiorias ou minorias. Nunca é para todos.

            Alguém sempre ganha; outro, perde.

            Belo Monte prevê impactos como: diminuição do volume de água no rio Xingu, dificuldades no transporte fluvial, extinção de espécies de peixes, atração de imigrantes excedentes.

            A construção da usina hidrelétrica numa região de vazio populacional confirma o clientelismo de políticos envolvidos no projeto e a vocação tupinica de vender o que a natureza nos presenteia.

            A evacuação de recursos naturais terá novo impulso com essa obra faraônica, assim como se reiterará a decadência de nosso padrão de ocupação das áreas verdes.

            Os rincões do norte do Brasil obedecem a uma lógica submissa aos mandos de grandes empresários nacionais - mas não nacionalistas - e a especulação de estrangeiros interessados no nosso banco de espécies aberto à exploração mundial.

            Belo Monte é o limiar de uma etapa de sondagem que os tomadores de decisão tupinicas - e pretensos representantes do povo - subsidiarão de longe e com os olhos vedados.

            O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), instituição que atira para todos os lados e acaba abatendo tupinicas, financiará o ganhador do leilão de Belo Monte, que está previsto para abril. O tiro mais recente saiu no empréstimo milionário deste banco à Mercedes-Benz.

            Se a preocupação fosse a visão de longo prazo, o BNDES destinaria boa parte de seus recursos aos pequenos e médios empresários nativos deste Brasil onde o come-come é faminto.

            Aquífero Guarani, minério de ferro, pré-sal, terras agricultáveis e potencial hídrico para a construção de barragens são algumas das dádivas com que contamos dentro do modelo de desenvolvimento vigente no Brasil.

            Resta ilustrar a quem este modelo atende.

http://www.brunoperon.com.br

 

Os artigos publicados com assinatura não representam a opinião do Portal Pantanal News. Sua publicação tem o objetivo de estimular o debate dos problemas do Pantanal do Mato Grosso do Sul e de Mato Grosso, do Brasil e do mundo, garantindo um espaço democrático para a livre exposição de correntes diferentes de pensamentos, idéias e opiniões. redacao@pantanalnews.com.br

 

Siga as notícias do Portal Pantanal News no Twitter:
www.twitter.com/PantanalNews

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 

zap2
Comentários
 
Últimas notícias do canal
24/04/2017 - 09h53
Dr. Francisco Cavalcante Mangabeira – Parte V
20/04/2017 - 15h12
Adolescentes em risco de suicídio e o jogo da Baleia Azul
18/04/2017 - 15h00
Dr. Francisco Cavalcante Mangabeira – Parte IV
18/04/2017 - 14h55
Dr. Francisco Cavalcante Mangabeira – Parte III
18/04/2017 - 14h50
Dr. Francisco Cavalcante Mangabeira – Parte II
 
Últimas notícias do site
25/04/2017 - 15h29
Frente fria chega nesta quarta-feira em MS, trazendo mínima de até 9º C
25/04/2017 - 13h43
Sindicatos esperam adesão maciça em ‘greve geral’ que emenda com feriadão
25/04/2017 - 13h23
Escritor Henrique de Medeiros participa do Festival Literário Internacional de Dourados
25/04/2017 - 12h41
Publicação da Conab aponta desafios e oportunidades para a produção de trigo no país
25/04/2017 - 11h16
Divulgada classificação do 2º Desafio Serra da Bodoquena de Mountain Bike
 

zap

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.