zap
ANIVERSÁRIO CORUMBÁ 2017
   

especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Pesquisa no Pantanal - 17/03/2010 - 09h29

Produção de biocombustíveis a partir de aguapés é discutida na Embrapa Pantanal




Foto: Ana Maio

Camalotes no Pantanal: produção de biocombustíveis
Por Redação Pantanal News/Embrapa Pantanal

Acontece nesta quinta e sexta-feira, dias 18 a 19 de março, uma reunião interna na Embrapa Pantanal para a discussão de um projeto de pesquisa que avalia a viabilidade da produção de biocombustíveis a partir de aguapés que descem o rio Paraguai.
 
O projeto se chama “Produção de biocombustíveis a partir de ilhas flutuantes de biomassa em planícies de inundação do Brasil: estudo de caso no Pantanal” e será apresentado nesta quarta-feira à tarde, dia 17, à Prefeitura de Corumbá (MS).

Ele integra instituições como Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), Embrapa Labex EUA, Embrapa Agroenergia, Grupo Combustíveis Alternativos e Laboratório de Engenharia Ecológica, ambos da Unicamp, a empresa Bioware de Campinas (SP) e a  Embrapa Pantanal (Corumbá-MS), Unidade da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - Embrapa, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

O pesquisador Ivan Bergier, da Embrapa Pantanal, vem monitorando o fluxo dos aguapés, conhecidos como camalotes, pelo rio Paraguai desde janeiro de 2008.  Uma câmera de vídeo foi instalada às margens do rio em meados de 2009 para monitorar a passagem das plantas aquáticas, permitindo mensurar a quantidade de biomassa exportada ao longo do tempo e verificar a sazonalidade da exportação. “Com esses dados, vamos definir a estratégia de captura das plantas. Já se sabe que o auge da exportação coincide com o período de cheia que vai de maio a julho”, disse Ivan.

 A parceria com a Unicamp vai permitir o desenvolvimento de uma dissertação de mestrado que aborda a questão da sustentabilidade da produção de biocombustível a partir do camalote do Pantanal.  “O uso do recurso natural deve dinamizar a economia local, mas sem comprometer a estrutura e o funcionamento do ecossistema”, afirmou o pesquisador.

 
A dissertação deverá abordar ainda o uso do aguapé no projeto “Sustentabilidade da Suinocultura em São Gabriel do Oeste”, liderado pelo pesquisador Ivan Bergier. “A proposta é utilizar o aguapé como elemento filtrante do biofertilizante líquido produzido pelos biodigestores, de modo a reduzir o potencial de contaminação do solo, água e emissão de gases de efeito estufa”, explica.
 
A biomassa do aguapé “cultivada” nas lagoas pode ter destinos nobres como a produção de fertilizantes, fibras e bioenergia, incrementando a renda de pequenos e grandes produtores de suínos.

A produção de biocombustível a partir do aguapé nativo do Pantanal ou cultivado em sistemas integrados de produção é interessante do ponto de vista da renovabilidade. Se a biomassa é plantada em solo, como a soja para produzir biodiesel, seria preciso o emprego de insumos não renováveis, como fertilizantes e combustíveis de origem fóssil, o que reduz substancialmente sua sustentabilidade.
 
No caso do camalote nativo, como a planta é produzida na planície e se desloca naturalmente pelo rio, esses insumos são desnecessários. “No caso da produção de aguapé em lagoas de suinocultura também não haveria necessidade de deslocar áreas de produção de alimentos para produzir biocombustíveis”, explicou.

A Embrapa Pantanal identificou o potencial de produção do biocombustível a partir desta biomassa e buscou parcerias para o início da pesquisa. A Embrapa Agroenergia, em articulação com a Embrapa Labex-EUA, realizará a caracterização da biomassa dos aguapés e do óleo extraído desta matéria-prima.
 
Também está sendo desenvolvida, sob orientação do pesquisador Ivan, uma dissertação de mestrado em Estudos Fronteiriços (UFMS-CPAN), pela aluna Cristiane Nogueira de Jesus, cujo objetivo é avaliar o papel socioeconômico e cultural que o camalote desempenha na sociedade fronteiriça e com isso subsidiar as bases para o uso sustentável dessa biomassa.
 
PROCESSO
 
O projeto vai estudar o potencial dos camalotes para a produção de gás de síntese (syngas). Amostras de ilhas flutuantes de aguapé, que descem o rio Paraguai, serrão secas, moídas e processadas em um reator, onde serão transformadas em bio-óleo. Após todo esse processo, esse bio-óleo será convertido em syngas, que, atualmente no Brasil é produzido a partir do petróleo. O aguapé também é encontrado em represas de hidrelétricas e barragens. Neste contexto, a retirada dessas plantas soluciona problemas técnicos nas turbinas.
 
“O aguapé é uma alternativa potencial para produção de energia renovável”, afirma o pesquisador da Embrapa Agroenergia, José Dilcio Rocha, que estará presente na reunião. Segundo ele, o syngas, além de ser um biocombustível, também pode ser utilizado na produção de fertilizantes, diesel sintético e outros produtos químicos. 
 
A partir das informações apresentadas, de acordo com Carlos Alberto Luengo, líder do projeto e pesquisador da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), é possível identificar oportunidades para fomentar o desenvolvimento sustentável regional por meio do incentivo e criação de tecnologias para a conversão em biocombustíveis de plantas aquáticas flutuantes exportadas pelo rio Paraguai.
 
O projeto é liderado pela Unicamp e Embrapa Pantanal e será desenvolvido com recursos do CNPq, por meio do edital CT-Energ52, do MCT (Ministério da Ciência e Tecnologia), e da Embrapa, por meio do Macroprograma 2. Macroprogramas fazem parte do sistema de gestão da Embrapa para o desenvolvimento de pesquisas.


Siga as notícias do Portal Pantanal News no Twitter:
www.twitter.com/PantanalNews

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 


Comentários
 
Últimas notícias do canal
14/10/2015 - 11h00
Expedição de barco pelo Pantanal de MS discute preservação ambiental
26/08/2013 - 08h03
Em MS, médicos de outros países fazem provas para revalidar diploma
30/01/2013 - 08h45
Embrapa Pantanal firma convênio para o fortalecimento da Apicultura em Mato Grosso do Sul
30/10/2012 - 16h45
PRF apreende veículo com CRLV falso
05/09/2012 - 13h45
Pesquisadores questionam alterações da Lei de Pesca do Mato Grosso
 
Últimas notícias do site
26/09/2017 - 17h12
Vídeo: Ministro oficializa migração de 23 rádios da frequência AM para FM
26/09/2017 - 17h00
Vídeo: Ministro assina documento que autoriza migração de rádios AM para FM em MS
26/09/2017 - 08h39
PMA autua proprietários rurais por exploração ilegal de madeira
26/09/2017 - 06h21
Terça-feira tem previsão de chuvas isoladas e máxima de 37ºC
26/09/2017 - 05h50
Confira as ocorrências dos Bombeiros das últimas horas
 

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.