zap
   

especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Artigos - 21/01/2010 - 09h25

Barcelos / Moura




Por Hiram Reis e Silva

Acordamos às cinco horas e, das cinco horas e trinta minutos até as seis horas, aguardamos pelo Sargento PM Pepes e sua viatura. Como ele não aparecesse, solicitamos o apoio de um graduado do 3º Batalhão de Infantaria de Selva que nos levou até o porto de onde partimos às seis horas e quarenta minutos.

- Partindo para o Sítio do Sr. Abeni (09 de janeiro de 2010)

Ao passar pelo posto de combustível flutuante, observamos o Queen II atrelado a ele. As dívidas do Lodge Hotel, com o dono do posto, ultrapassavam o valor da embarcação. Mais uma mostra de como o poder público corrupto pode favorecer estrangeiros sem qualquer critério a implantação de mega-projetos em regiões de preservação. Novamente, os enormes bancos de areia e os banzeiros que iniciaram por volta das oito horas retardaram nossa progressão. Eu continuava extasiado contemplando, nos paredões de tabatinga, as enormes raízes expostas daqueles moribundos gigantes da floresta. As lúgubres formas artísticas tanto dos troncos tombados, como de suas raízes, tinham uma beleza rude e fúnebre. O Teixeira, depois da última parada, ficou encarregado de achar o melhor local para pararmos e decidiu pelo sítio do senhor Abeni, que ali reside com a esposa, filhos e netos. O Osmarino, logo que aportamos, por volta das catorze horas, preparou o almoço fritando as piranhas que havia pescado no caminho. A isca artificial que o Teixeira havia comprado em Barcelos estava funcionando. Depois do almoço, concluímos a montagem do acampamento e tomamos um banho no Negro. Só então iniciei a análise da rota do dia seguinte. A hospitalidade ribeirinha, mais uma vez, ficou patente, quando o irmão do senhor Abeni veio visitá-lo no sítio. Ele queria que o Teixeira tivesse escolhido o sítio dele para o pernoite onde tinha frutas a nossa disposição, ancoradouro protegido dos banzeiros e uma cobertura para as barracas. A chegada de visitantes é, sempre, uma novidade para estes valorosos ribeirinhos. O Osmarino, neste dia, pescou duas traíras, algumas piranhas e dois barba-chatas garantindo o almoço do dia seguinte.

- Partindo para Acampamento 2 (10 de janeiro de 2010)

O dia transcorreu sem grandes novidades com os banzeiros tradicionais e pancadas de chuvas até o quilometro quarenta. A seca tinha colocado um grande banco de areia na rota prevista forçando-nos a percorrer um outro canal que aumentou em cinco quilômetros a rota. A energia adicional minou minhas forças, mas o esforço foi recompensado com um belo local de acampamento. Era, pelos vestígios das fogueiras, pelos cascos de tartaruga, um local usado sistematicamente pelos pescadores da região. Montamos as barracas no meio da vegetação buscando proteger as barracas da ação dos fortes ventos do quadrante este. Comemos arroz e peixe e, como nossas reservas pesqueiras fossem suficientes, o Osmarino ficou a ler a bíblia na sua rede após cumprir as habituais tarefas. A noite foi quente, mas de bom tempo, de modo que tirei o teto da barraca para poder admirar a abóbada celeste que nesse imenso deserto humano é muito mais bela.

- Partindo para Moura (11 de janeiro de 2010)

Os ventos começaram às oito e não pararam mais. O grande e largo braço que navegávamos formava grandes ondas e minha velocidade foi reduzida para uma média de 5,5 quilômetros por hora. Na segunda parada, encontrei a equipe de apoio na altura de Carvoeiro e, nessa oportunidade, o leme bateu no barranco quebrando o seu suporte. Navegar sem leme com os fortes banzeiros seria uma prova de resistência física e controle mental, ainda faltavam trinta e cinco quilômetros para nosso destino. Combinei com a equipe de apoio de encontrá-los na entrada do furo que permite uma abordagem a Moura livre dos inconvenientes ventos e consequentes banzeiros. Continuei lutando com as ondas e resolvi fazer uma abordagem pela margem direita da foz do rio Branco. Escolhi o melhor ponto de ataque para a foz do rio Branco, onde o rio se torna mais estreito, fiz uma parada antes para recompor as forças e me lancei na travessia. Os banzeiros que quase afundaram o ‘bonguinho’ de minha equipe formavam ondas de até setenta centímetros que vinham de todos os lados. Naveguei em zigue-zague pelas pedras à direita da foz do rio Branco e só consegui encontrar águas mais calmas, quando a margem esquerda do Branco me deu certa proteção dos ventos. Era reconfortante observar o encontro das águas negras com as cristalino-esverdeadas do Branco. Tive de refrear minha vontade de aportar e mergulhar naquelas belas águas, mas como os ventos dessem uma súbita trégua resolvi seguir em frente. As águas do Branco, espremidas pela torrente do Negro, permaneciam sem se misturar até a altura de Vila Remanso, a trinta quilômetros da Foz do Branco. As curiosas ilhas de pedra eram uma constante e depois de passar pelas inscrições rupestres de uma delas resolvi aportar e tirar algumas fotos das praias e das pedras incrustadas com cristais de rocha. Logo que reiniciei a navegação, avistei minha equipe e nos reunimos numa praia paradisíaca para ultimar os preparativos para a abordagem em Moura. Faltavam ainda vinte quilômetros e afirmei que se tudo corresse bem chegaria por volta das dezesseis horas e quinze minutos. Como sempre o imponderável acompanha os indômitos, uma hora antes de chegar a Moura a chuva acompanhada de fortes ventos me fez aportar e colocar a saia no caiaque. A estreita praia era protegida por uma ilha de pedras e o barranco mostrava belas árvores com suas grandes raízes quase que totalmente expostas. Os cíclopes das matas aguardavam resignadamente seu destino, uma nova cheia e os temidos banzeiros lhes solapariam continuamente os alicerces até arrancá-las do alto do barranco. A chuva passou rápida e as ondas diminuíram um pouco permitindo que eu chegasse às dezesseis horas e vinte minutos, depois de remar quase dez horas. O Teixeira já tinha engrenado com o administrador local, Senhor Zeca, para acantonarmos na Escola Santa Rita e com o pessoal da Comara de Moura para nos apoiar com viatura.

- Moura

Jantamos no bar da senhora Lane e fui deitar cedo. No dia seguinte, depois do café na Lane, levamos o caiaque até a Comara para soldar o suporte do leme. A solda de material inox foi feita com precisão e esperamos que não volte a apresentar problemas futuros. Depois do almoço na Lane fomos descansar um pouco, nada funciona na cidade até às catorze horas. Contatamos o administrador, senhor Zeca, para conseguirmos uma voadeira para ir até a foz do rio Branco tirar algumas fotos e ele sugeriu que contatássemos o senhor Léo. Alugamos a voadeira e seguimos de voadeira até o rio Branco, fotografando as imagens que não tínhamos conseguido registrar em virtude das chuvas e dos banzeiros. Especial atenção foi dada à série de inscrições rupestres. A variedade dos símbolos representando animais, seres humanos e formas que não conseguimos interpretar eram muito grandes. Visitamos a foz do rio Branco, desta vez, com muito mais calma e segurança e fotografamos o belo rio de águas claras. As ilhas de belas praias e rochas exóticas fazem de Moura um pólo de turismo inigualável. Quem sabe um dia com uma estrutura de apoio adequada seu povo gentil possa receber turistas de todas as origens. O dia estava um tanto nublado o que, certamente, diminui um pouco a qualidade das fotografias, mas vale o registro.

 

Coronel de Engenharia Hiram Reis e Silva
Professor do Colégio Militar de Porto Alegre (CMPA)
Acadêmico da Academia de História Militar Terrestre do Brasil (AHIMTB)
Presidente da Sociedade de Amigos da Amazônia Brasileira (SAMBRAS)
Site: http://www.amazoniaenossaselva.com.br

 

Os artigos publicados com assinatura não representam a opinião do Portal Pantanal News. Sua publicação tem o objetivo de estimular o debate dos problemas do Pantanal do Mato Grosso do Sul e de Mato Grosso, do Brasil e do mundo, garantindo um espaço democrático para a livre exposição de correntes diferentes de pensamentos, idéias e opiniões. redacao@pantanalnews.com.br

 

Siga as notícias do Portal Pantanal News no Twitter:
www.twitter.com/PantanalNews

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 

area
Comentários
 
Últimas notícias do canal
22/05/2017 - 09h01
Heraldo Pereira e Bosco Martins: um breve reencontro entre amigos
04/05/2017 - 14h30
Dr. Francisco Cavalcante Mangabeira – Parte VI
02/05/2017 - 11h08
O poeta de Sobral
24/04/2017 - 09h53
Dr. Francisco Cavalcante Mangabeira – Parte V
20/04/2017 - 15h12
Adolescentes em risco de suicídio e o jogo da Baleia Azul
 
Últimas notícias do site
24/07/2017 - 09h15
Polícia Militar atende ocorrências de perturbação do sossego e briga generalizada
24/07/2017 - 07h31
PMA apreende carreta transportando diesel ilegalmente
24/07/2017 - 06h13
Rádio Independente de Aquidauana irá migrar para FM
23/07/2017 - 13h23
Governo prepara licitação para levantar duas pontes de concreto em Bodoquena
22/07/2017 - 14h34
Bonito é eleito o melhor destino de ecoturismo do Brasil pela 14ª vez
 

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.