zap
   

especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Artigos - 04/01/2010 - 10h17

Brasil de Pernas Abertas




Por Bruno Peron Loureiro

O setor produtivo ocupa esferas inimagináveis. Mal temos tempo para pensar. A respiração, por sorte, realiza-se involuntariamente. Como se não bastasse, decisões importantes para o Brasil têm sido tomadas por pessoas ineptas e que sustentam o interesse próprio. Este artigo desembaralha a visão dos que ainda definem suas vidas em função das “exigências do mercado”.
Há rastros tão fortes de mediocridade neste país, que temos perdido o senso de coletividade: empresas assenhoreiam-se do espaço público, direitos só servem para dar emprego a burocratas e ludibriar os que ainda creem na cidadania, o clientelismo corrói segmentos diversos da vida em sociedade e há os que dizem – prefiro resistir – que fenecem os que não fizerem parte do “sistema”.
Confesso que, quando divago sobre as mazelas do Brasil, não sei por onde começar. Enfoco um problema e logo descubro que há uma série de outras peças de dominó que não tomei em conta. O contraponto básico a que me refiro, a fim de que não haja chiado na estação, é de que tudo é voltado ao setor produtivo em nosso país. Uma conversa descontraída pode-se converter em negócio.
O crescimento exagerado da população é um negócio; o excesso de mão-de-obra desqualificada é um negócio; os recursos naturais, desde que recebemos naus portuguesas, é um negócio; a ignorância é um negócio; a perenidade de um campo de oposição entre Estado e mercado nos debates políticos é também um negócio. Sobre este último argumento: pagamos impostos elevadíssimos à máquina pública, porém temos ainda que dispor de planos de saúde, seguros de automóveis e pedágios em rodovias.
Palestras de motivação empresarial me dão asco, qualquer tentativa de conversão de algo em negócio me provoca repúdio, e o caminho que tem trilhado o Brasil tanto interno como externo é de uma prostituição barata. Nossos jovens estão sendo convidados a se “profissionalizar” para servir o resto da vida como mão-de-obra descartável de grandes empresas sanguessugas.
O país está de pernas abertas. Nossos políticos ainda se acham “autoridades” e não notam o funeral que se lhe reserva à categoria. A solução encontrada por muitos é a de descentralizar a política, criar formas paralelas de poder através de movimentos sociais e organizações não-governamentais, mostrar-lhes que não nos serve uma política que não escuta os cidadãos.
E o tal do setor produtivo como volta nesta história? Dogmas do trabalho incentivam a inserção nele o quanto antes por necessidade, valor ou para engordar indiretamente o bolso de poucos. O labor no capitalismo é muito diferente do conceito num sistema alternativo, socializante, onde se trabalha para a humanidade. O primeiro modelo está vinculado a uma ordem concentradora, cruel e enganadora.
O trabalhador é iludido até mesmo em suas poucas horas dedicadas ao lazer. Entra novamente o setor produtivo quando se faz uso da televisão aberta, mas com investimento elevado em publicidade de grandes marcas que não dão vez às pequenas, ou de espaços que se cedem à iniciativa privada para a emulação da modernidade. Os shopping centers são uma mostra dos males urbanos.
Não fazemos idéia do que significa contratar um mal motorista para a locomotiva chamada Brasil. O país está uma desgraça. Útil para investidores porque só querem espoliar o nosso dinheiro. Pagamos caro nos impostos, combustíveis, pedágios. Não sei como não estamos em guerra civil. Dizem que somos um povo pacífico. Discordo. Somos explorados, ignorantes e submissos.

 

Bruno Peron Loureiro é mestre em Estudos Latino-americanos.

 

 

Os artigos publicados com assinatura não representam a opinião do Portal Pantanal News. Sua publicação tem o objetivo de estimular o debate dos problemas do Pantanal do Mato Grosso do Sul e de Mato Grosso, do Brasil e do mundo, garantindo um espaço democrático para a livre exposição de correntes diferentes de pensamentos, idéias e opiniões. redacao@pantanalnews.com.br

 

Siga as notícias do Portal Pantanal News no Twitter:
www.twitter.com/PantanalNews

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 


Comentários
 
Últimas notícias do canal
13/11/2017 - 08h00
Expedição Centenária – F. Coimbra – Corumbá I
09/10/2017 - 13h44
Joaquim Francisco de Assis Brasil
09/10/2017 - 13h43
Assis Brasil, Acre
09/10/2017 - 13h34
O Assassinato de Chico Mendes
09/10/2017 - 13h31
Epopeia Acreana - Parte VII
 
Últimas notícias do site
17/11/2017 - 16h03
Viralizou: cachorrinho 'penetra' na balada é a imagem mais fofa que você vai ver hoje
17/11/2017 - 10h18
Fim de semana tem sertanejo, funk, comédia e teatro
17/11/2017 - 07h53
Confira as ocorrências dos Bombeiros das últimas horas
17/11/2017 - 07h44
Proprietários rurais são autuados por manterem carvoarias ilegais
17/11/2017 - 06h14
Confira as ocorrências dos Bombeiros das últimas horas
 

zap

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.