zap
MAIS OBRAS MS 3 MESES
   

especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Meio ambiente - 19/11/2009 - 16h09

Pesquisa aponta redução da produção de madeiras e fornos irregulares na Região Norte




Por Redação Pantanal News/Agência Brasil

Rio de Janeiro - Duas produções em queda de 2007 para 2008 são os destaques da pesquisa Produção da Extração Vegetal e da Silvicultura (Pevs), divulgada hoje (19) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE): madeira em tora, carvão e lenha e madeira para papel e celulose.

A primeira é extrativista e foi reduzida à força da ação do governo, sobretudo do Ministério do Meio Ambiente. A fiscalização e a repressão às madeireiras e fornos irregulares diminuíram em 13,8% a produção de madeira em tora, em 12,2% a de carvão vegetal e em 4,1% a de lenha.

A queda de 4,6% na produção de madeira para papel e celulose, silvicultura forte nas regiões Sudeste e Sul, significa cerca de 3 milhões de toneladas a menos – de quase 61 milhões para pouco mais de 58 milhões – e foi consequência da retração do mercado internacional, devido à crise econômica mundial a partir de setembro do ano passado.

A pesquisa foi realizada pelo levantamento de dados com órgãos fiscalizadores, secretarias estaduais e autoridades municipais, incluindo matas naturais onde se pratica o extrativismo, como é exemplo a castanha-do-pará, e áreas cultivadas, ou de silvicultura, como a da madeira para papel e celulose.

Extensas plantações desse tipo de eucalipto e de pínus são cada ano mais características nos estados do Rio Grande do Sul, do Paraná, de Santa Catarina, de São Paulo, de Minas Gerais, do Espírito Santo e da Bahia, além de um único município do Pará, Almerim. O extrativismo de madeira para construção, indústria moveleira, lenha, carvão e outros fins é mais visível na Região Norte.

A pesquisa abrange vários produtos resultantes do extrativismo e da silvicultura, ou de ambos, como a erva-mate, produção extrativista nos estados da Região Sul, onde é também cultivada em larga escala, assim como em Mato Grosso do Sul.

Mas são os sete principais produtos que se destacam na pesquisa por valor de produção, ou seja, pela quantidade produzida e seu valor para o produtor. A relação inclui o açaí, a amêndoa de babaçu, as fibras de piaçava, a erva-mate, o pó de carnaúba, a castanha-do-pará e a cera de carnaúba.

Uma sutileza explica a inclusão da carnaúba duas vezes na lista: o pó que se obtém batendo a carnaúba é a base da cera de uso doméstico e, enquanto muitos municípios produzem apenas o pó, outros, com maior nível de sofisticação, fabricam a cera de carnaúba.

O açaí é destaque na pesquisa pela constância com que figura entre os primeiros por valor de produção, tanto por extrativismo quanto por cultivo. O Pará detém a predominância quase absoluta da produção nacional, com 581.290 toneladas cultivadas e 107.028 toneladas nativas, totalizando 92,2% de todo o açaí consumido no país e exportado.

Para o gerente da Pevs, Luís Celso Guimarães Lins, os resultados da pesquisa estão dentro da expectativa, inclusive a queda de determinadas produções e as ligeiras oscilações de outras, como o açaí. “O açaí teve um pico de produção em 2003, com 144 mil toneladas colhidas apenas na atividade extrativista no Pará, mas vem se mantendo num nível alto de produção”, afirmou Lins.

 

Siga as notícias do Portal Pantanal News no Twitter:
www.twitter.com/PantanalNews

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 

area
Comentários
 
Últimas notícias do canal
10/08/2017 - 11h16
MS registra o maior número de queimadas dos últimos 7 anos
09/08/2017 - 07h53
Em apenas uma semana, agosto já é o 2° mês com mais focos de calor
04/08/2017 - 11h04
Bodoquena, um paraíso de águas, serras e grutas
02/08/2017 - 08h44
Quantidade de focos de calor em julho foi a maior dos últimos 18 anos em MS
02/08/2017 - 08h00
Saúvas "dominam" áreas urbanas e podem matar espécies como ipês
 
Últimas notícias do site
19/08/2017 - 17h12
Vídeo: Ministro oficializa migração de 23 rádios da frequência AM para FM
19/08/2017 - 17h00
Vídeo: Ministro assina documento que autoriza migração de rádios AM para FM em MS
19/08/2017 - 09h45
PMA autua empresa de Mato Grosso e apreende carreta com carga ilegal de madeira
19/08/2017 - 09h01
AGENDONA: Fim de semana tem tradicional 'Bon Odori', espetáculo 'Improváveis' e mais
19/08/2017 - 08h00
Em Campo Grande, ministro autoriza migração de 36 emissoras AM para FM
 

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.