zap
   

especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Forças Armadas - 10/11/2009 - 14h09

Exército “estoura” trilhas de drogas na fronteira com MS




Divulgação/Exército

Operação cadeado tenta barrar armas e drogas que entram pela fronteira
Por Redação Pantanal News/Campo Grande News

O Exército vai “estourar” as trilhas de entrada de drogas na fronteira entre Brasil e Bolívia, via Corumbá, cidade distante 426 quilômetros de Campo Grande.

A ação faz parte da operação “Cadeado”, que foi deflagrada na noite de ontem na fronteira de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul com Bolívia e Paraguai, na tentativa de impedir a entrada de drogas e armas para as facções criminosas que atuam no Sudeste, especialmente no Rio de Janeiro.

A idéia é destruir com retroescavadeiras e até dinamite as trilhas que ligam o território boliviano a Corumbá.

É por ali, segundo a polícia do Rio, que ingressa no Brasil parte das armas usadas por traficantes. Na Bolívia, o foco do tráfico de armas é a região de Puerto Suárez, a 11 quilômetros do marco da fronteira seca em Corumbá.

De lá o Brasil pode ser alcançado com facilidade, por via terrestre e fluvial. O policiamento no lado da Bolívia é inexiste.

No Brasil, é precário. Em Corumbá, os efetivos da PF (Polícia Federal), com 40 policiais, e da Polícia Civil, com 50, são considerados insuficientes pelos próprios delegados que os comandam.

Em área, Corumbá é o maior município sul-matogrossense. São 65.165,8 km2, dois terços desabitados por causa da extensão do Pantanal.

Da operação deflagrada pelo Exército, participam PF, PRF (Polícia Rodoviária Federal), Receita Federal, polícias Civil e Militar dos dois Estados, Marinha e Ibama.

Na região de Corumbá, o Exército vai atuar com 450 homens, com o apoio de lanchas, para o bloqueio do rio Paraguai e afluentes, ao longo de cerca de 400 km de fronteiras.

Desde 2005, segundo a Folha de São Paulo, o Exército já realizou quatro ações do tipo, sem sucesso.

As quadrilhas continuam a trazer dos países vizinhos armas como metralhadoras, fuzis e pistolas, além de maconha e cocaína, para as facções CV (Comando Vermelho), TC (Terceiro Comando) e ADA (Amigo dos Amigos), no Rio, e PCC (Primeiro Comando da Capital), em São Paulo.

Ao todo, cerca de 1.600 quilômetros de fronteiras serão vigiados em MT e MS. Haverá barreiras simultâneas nas estradas e acessos entre os países. A operação deve durar até a próxima sexta-feira.

A PF, a Polícia Civil e o Exército mantiveram entendimentos prévios sobre a operação com a Polícia Boliviana, em Puerto Suárez.

A intenção era a de que os bolivianos fizessem uma fiscalização mais efetiva ao longo desta semana, o que, até ontem, não estava definido.

O quartel da Polícia Boliviana na cidade é desprovido de equipamentos. Não há sequer um telefone capacitado para ligações internacionais. O único número disponível é o 110, para chamadas de cidadãos na Bolívia que precisem de ajuda.

Para manter contato com o comando de Fronteira Policial da Polícia Boliviana em Puerto Suárez, os policiais brasileiros cederam um celular ao coronel Osvaldo Peláez Ramos. Também não há computadores ligados à internet no quartel.

A 100 metros da sede municipal da Polícia Boliviana, há um cais de madeira de onde zarpam embarcações que seguem para o Brasil, pela laguna Cáceres e pelo canal Tamengo, até chegar ao rio Paraguai.

Não há nenhuma vigilância ou fiscalização sobre o que elas carregam.

 

Siga as notícias do Portal Pantanal News no Twitter:
www.twitter.com/PantanalNews

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 

area
Comentários
 
Últimas notícias do canal
31/05/2017 - 16h15
Distrito Naval em Ladário comemora Batalha Naval do Riachuelo
31/05/2017 - 09h01
Exército anuncia doação de área para Parque Tecnológico de Ponta Porã
25/05/2017 - 11h43
Forças Armadas começam a deixar Esplanada dos Ministérios
15/05/2017 - 13h40
Marinha abre inscrições para oficiais e prova poderá ser feita em MS
26/04/2017 - 16h02
Marinheiros realizam curso de manejo rural
 
Últimas notícias do site
23/06/2017 - 09h40
Aprovado PL do Deputado Paulo Siufi que obriga a presença de um tecnólogo em estabelecimentos de estética de MS
23/06/2017 - 09h01
PMA autua pescadores em R$ 80 mil por acampamento e pesca subaquática
23/06/2017 - 08h34
PMA autua assentados por manter gado em área protegida
23/06/2017 - 08h00
Confira as ocorrências dos Bombeiros das últimas horas
22/06/2017 - 15h54
PIS/Pasep está disponível para saque até a próxima semana
 

zap

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.