zap
   

especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Artigos - 18/09/2008 - 09h17

O sub-prime do petróleo




Por Luiz Leitão da Cunha (*)

Pouco se tem dito a respeito da extração de petróleo das areias betuminosas do Canadá, talvez a prática extrativa mais agressiva ao meio ambiente dentre as inúmeras que maltratam nosso planeta.

As reservas petrolíferas de Alberta, no Canadá, são seis vezes maiores que as da Arábia Saudita, mas a sua prospecção e o processo de retirada do óleo impregnado em areia são caros, demandam enormes quantidades de água e gás natural. Nada disso, no entanto, impede a atividade frenética que se desenvolve incessantemente, até sob o rigoroso inverno da região (as temperaturas chegam a -40º C), cujos índios usavam o óleo para impermeabilizar suas embarcações.

O custo de extração do hidrocarboneto ali é estimado em cerca de US$ 27 por barril, e só a Shell, pretende processar 500 mil barris diários, de um total de 1.200, incessantemente, por até 50 anos. Ainda que a tecnologia atual só permita à industria retirar dez por cento do petróleo das areias de Atabasca, a região produz atualmente mais que o Kuwait. O trabalho, extremamente árduo e sujo, é feito por hordas de imigrantes de várias partes do mundo.

Os moradores da cidade de Fort Mac Murray já pagam o preço da maldição do petróleo, com altos índices de alcoolismo, prostituição, depressão, tráfico de drogas e ouros males. A chuva ácida resultante das atividades vai destruindo a vegetação e incontáveis árvores. Grandes lagos artificiais com água altamente envenenada por hidrocarbonetos carcinogênicos e metais pesados completam o cenário pré-apocalíptico.

Não obstante o perigo ambiental esta modalidade de exploração de petróleo esconde também um nada desprezível risco econômico. É o que revela reportagem de 17 de setembro do jornal inglês The Guardian.Segundo o diário, a indústria petrolífera pode estar à beira de uma crise equivalente à das hipotecas, o chamado sub-prime, que assola os Estados Unidos e já contamina as economias européia e japonesa.

As empresas Shell e British Petroleum (BP) foram alertadas por investidores que seu envolvimento em processos de produção de hidrocarbonetos como o que desenvolvem no Canadá pode desencadear uma crise tão grave quanto a do mercado imobiliário americano.

A reportagem se baseia em um relatório de autoria do Fórum de Investimentos Sociais do Reino Unido em co-autoria com o Greenpeace, intitulado “BP e Shell, crescentes riscos financeiros dos investimentos em areias betuminosas”.

À medida que muitas empresas estrangeiras são expulsas da Venezuela e da Rússia, aumenta o olho grande sobre as reservas canadenses, inclusive sob o argumento de o país ser politicamente estável, próximo dos EUA e confiável.

A crise bancária demonstrou a facilidade que os operadores do mercado financeiro têm de cometer erros de avaliação dos riscos que costumam rondar a economia mundial. A Shell e a BP são duas das empresas mais bem conceituadas no mercado acionário. A Shell, no entanto, tem trinta por cento de suas reservas petrolíferas em areias betuminosas, o que representa um risco nada desprezível quando os custos desta modalidade de extração crescem e os preços do petróleo caem abaixo de noventa dólares – um alerta para o Brasil, que comemora efusiva e exageradamente as descobertas do pré-sal.

Estima-se que as areias canadenses contenham 180 bilhões de barris de óleo, e os ambientalistas alertam para o fato de a conversão de betume em óleo cru sintético contribuir entre três e cinco vezes mais para o efeito estufa do que as formas tradicionais de prospecção de petróleo. Para se ter uma idéia, o processo de conversão de um barril de areia betuminosa em petróleo sintético para uso em refinarias comuns consome 14 m³ de gás natural e grandes quantidades de água.

A Shell e outras empresas do ramo alegam poder reduzir substancialmente as emissões de carbono resultantes da atividade através de técnicas de seqüestro de carbono – uma tecnologia muito cara.

A Rede para a Conservação da Natureza (WWF) observa que estas formas de prospecção de hidrocarbonetos poderão levar o mundo a um processo irreversível de mudanças climáticas.

 Se a economia mundial recuperar-se rapidamente da crise atual a demanda crescente por energia redundará na continuidade e ampliação de novas e perigosas formas de obtenção de hidrocarbonetos, presentes em grande quantidade também sob o leito submarino do Ártico.

Mas este velho mundo sempre colocou os interesses político-econômicos à frente de muitas questões cruciais para a humanidade, e não há sinais de mudanças no horizonte.

Luiz Leitão da Cunha  luizmleitao@gmail.com

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 

area
Comentários
José Carlos, em 18/09/2008 - 18h43

Excelente texto. Já sabia do petróleo no Canadá, mas em si tratando de Canadá, não achava que estivesse nesse ponto, tão negativo para o meio ambiente e a sociedade canadense, como um todo. Peço permissão, inclusive, para postar este texto em meu blog. Obrigado.

 
Últimas notícias do canal
22/05/2017 - 09h01
Heraldo Pereira e Bosco Martins: um breve reencontro entre amigos
04/05/2017 - 14h30
Dr. Francisco Cavalcante Mangabeira – Parte VI
02/05/2017 - 11h08
O poeta de Sobral
24/04/2017 - 09h53
Dr. Francisco Cavalcante Mangabeira – Parte V
20/04/2017 - 15h12
Adolescentes em risco de suicídio e o jogo da Baleia Azul
 
Últimas notícias do site
26/06/2017 - 10h15
Rotai captura mais dois foragidos da justiça em Aquidauana
26/06/2017 - 09h40
Concursos em MS reúnem quase 300 vagas e salários de até R$ 14,9 mil
25/06/2017 - 15h13
Em Furnas do Dionísio, governador entrega obra de R$ 315 mil e anuncia novos investimentos
24/06/2017 - 10h02
Em época de festas juninas, cuidado com fogos e fogueira; confira dicas de segurança do Corpo de Bombeiros
23/06/2017 - 16h02
TVE em Maracaju: governador Reinaldo e prefeito Maurílio Azambuja reativam sinal neste sábado
 

zap

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.