zap
   

especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Meio ambiente - 20/08/2009 - 08h37

Polícia aguarda laudo para investigar extermínio de árvores




Por Redação Pantanal News/Midiamax

Laudo ambiental deverá ser a ponta do iceberg para elucidar a suspeita de crime ambiental através de envenenamento de onze árvores em área situada ao lado do empreendimento da Plaenge, no bairro Miguel Couto, na Capital. A denúncia feita em matéria do dia 17 de agosto pelo Midiamax levou a Semadur (Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano) a providenciar exames técnicos da vegetação. São 8 árvores mortas na Rua Ambrosina, ao lado do tapume da empreiteira e três árvores na Rua 15 de novembro.

O terreno, de meio quarteirão, perto da Anhanguera Uniderp é da construtora e incorporadora Plaenge. Um funcionário da empresa disse à reportagem que ali será erguida mais uma torre de apartamentos, o condomínio Machado de Assis, e que as árvores teriam sido alvo de formigas. A situação está na mira da polícia e coloca em xeque até onde os interesses econômicos podem se sobrepor ao direito coletivo na cidade em desenvolvimento e pontilhada por 150 mil árvores.

Cauteloso, o delegado titular da Decat (Delegacia Especializada contra Crimes Ambientais e Proteção ao Turista), Fernando Villa de Paula, diz que ainda é cedo para conclusões, mas já foi comunicado pela Semadur de que uma vistoria já está em andamento. “Precisamos do laudo para agir”, diz Villa de Paula.

Entretanto, ouvido pelo Midiamax na sexta-feira (14), o chefe de Divisão de Áreas Verdes e Postura Ambiental da Prefeitura, Orcival Simões Júnior, disse que uma equipe de técnicos esteve no local para saber o que teria provocado a morte das árvores. A suspeita é de envenenamento, assegura. “Tudo leva a crer, mas não tem como provar”, lamenta. Seria necessário levar amostras da casca ou da terra coletada no pé da planta a um laboratório para fazer a análise. 

Outro lado

A empresa diz que o local onde estão as árvores pertence à Prefeitura de Campo Grande e lá, foram colocados o tapume como medida de segurança para que a construção fosse iniciada.

O Midiamax buscou contato com o secretário da Semadur, Marcos Cristaldo, para saber sobre quando o laudo ambiental ficará pronto e quais as punições no caso de crime ambiental, mas até o fechamento dessa reportagem não houve retorno da ligação.

Recorrente

Problemas ambientais têm sido freqüentes na cidade.

A Capital tem 15 mil árvores com risco de queda, segundo dados da Semadur. A Lei municipal de número 3.201 de 1995, assinada pelo então prefeito Juvêncio César da Fonseca, dispõe sobre as regras ambientais, mas não é clara quanto às responsabilidades em caso de crimes ambientais.

Em 2007, um jatobá foi alvo de envenenamento dentro de praça pública do bairro Cidade Jardim, segundo o delegado. Foi provado o crime, mas não se descobriu o culpado. Casos como estes ocorrem no intuito de driblar as autorizações para retiradas de árvores e se for comprovado crime ambiental a punição é multa e prisão, conforme a Lei de Crimes Ambientais de número 9.605 de 1998, diz o delegado. “Não é fácil saber quem foi. Precisamos de provas e denúncias podem ser feitas pelo telefone da delegacia o 3318 9007”.

Lei de Crimes Ambientais

Art. 48. Impedir ou dificultar a regeneração natural de florestas e demais formas de vegetação:

Pena - detenção, de seis meses a um ano, e multa.

Art. 49. Destruir, danificar, lesar ou maltratar, por qualquer modo ou meio, plantas de ornamentação de logradouros públicos ou em propriedade privada alheia:

Alessandra Carvalho
Delegado diz que laudo dará pontapé nas investigações; empreendimento é colocado em xeque

Pena - detenção, de três meses a um ano, ou multa, ou ambas as penas cumulativamente.

Parágrafo Único - No crime culposo, a pena é de um a seis meses, ou multa.

 

Siga as notícias do Portal Pantanal News no Twitter:
www.twitter.com/PantanalNews

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 

area
Comentários
 
Últimas notícias do canal
19/10/2017 - 14h22
Tamanduá-mirim é capturado dentro de residência
19/10/2017 - 13h30
Projeto Florestinha planta mudas nativas para recuperação de área
19/10/2017 - 08h00
PMA captura lagarto em quintal de residência
18/10/2017 - 08h13
Calor e vento propagam incêndio que já destruiu 30 mil hectares de parque
16/10/2017 - 18h59
Incêndio consome parque estadual há 4 dias em MS
 
Últimas notícias do site
20/10/2017 - 15h38
Asfalto entre Piraputanga e Camisão vai impulsioncar ecoturismo na região
20/10/2017 - 15h06
Alerta prevê tempestades em 43 municípios de Mato Grosso do Sul
20/10/2017 - 14h13
PMA autua proprietária rural por exploração ilegal de madeira
20/10/2017 - 12h30
PMA autua jovem por manter ave silvestre em cativeiro
20/10/2017 - 11h33
Incêndio em parque estadual de MS é controlado após uma semana com ajuda de chuva, diz Imasul
 

zap

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.