zap
   

especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Meio ambiente - 15/08/2009 - 10h09

Geleira da Antártida derrete quatro vezes mais rápido que há dez anos, diz estudo




Por Redação Pantanal News/24 Horas News

Uma das maiores geleiras da Antártida está perdendo espessura quatro vezes mais rápido do que há dez anos, de acordo com uma pesquisa liderada pela University College de Londres (UCL). Um estudo das medidas tomadas por satélite da geleira Pine Island, no oeste da Antártida revelou que a superfície do gelo está baixando 16 metros por ano. Desde 1994, a geleira baixou em até 90 metros, o que traz graves implicações para o aumento do nível do mar.

Cálculos feitos com base na taxa de derretimento registrada há 15 anos sugeriram que a geleira poderia durar 600 anos. Mas, de acordo com as novas informações, a geleira poderá durar apenas mais 100 anos. A taxa de perda de gelo é mais rápida no centro da Pine Island e os pesquisadores temem que, se o processo continuar, a geleira poderá se quebrar e começar a afetar a camada de gelo do continente.

A pesquisa foi liderada pelo professor Duncan Wingham, do University College de Londres e publicada na revista científica "Geophysical Research Letters".

O professor Andrew Shepherd, , da Universidade de Leeds, um dos autores da pesquisa, afirmou que o derretimento no centro da geleira vai aumentar em três centímetros o nível global do mar. "Mas o gelo preso atrás da geleira é de cerca de 20 a 30 centímetros de aumento do nível do mar e, assim que desestabilizarmos ou retirarmos a parte do meio da geleira, não sabemos o que vai acontecer com o gelo na parte traseira", disse Shepherd.

"É algo sem precedentes nesta região da Antártida. Sabíamos que havia o desequilíbrio há algum tempo, mas nada no mundo natural está perdendo a uma taxa de aceleração exponencial como esta geleira", acrescentou.

A geleira Pine Island vem sendo estudada nos últimos anos em meio ao temor de que poderá desabar e levar a uma rápida desintegração da calota polar no oeste da Antártida.

Há cinco anos foi realizado um voo conjunto da Marinha do Chile e da Nasa (a agência espacial americana) que durou 11 horas para analisar a geleira com radar e equipamento a laser. A viagem, que saiu de Punta Arenas, incluiu uma série de sobrevoos baixos sobre a gigantesca geleira, que tem 32 quilômetros de largura e 1,6 quilômetro de espessura.

Naquela época, os pesquisadores a bordo do voo já se preocupavam com a velocidade da mudança que detectavam na geleira. Este último estudo dos dados de satélite será mais uma informação para alarmar os especialistas polares. Esta nova descoberta ocorre num momento em que os cientistas no continente Ártico encontram provas de uma mudança dramática. Os pesquisadores a bordo de um navio do Greenpeace estudaram a parte noroeste da Groenlândia.

Um dos que participaram da pesquisa, o professor Jason Box, da Universidade Estadual de Ohio, nos Estados Unidos, foi surpreendido pela pouca quantidade de gelo no mar que encontraram no Estreito de Nares, entre a Groenlândia e o Canadá. Ele também instalou câmeras para monitorar a gigantesca geleira Petermann. Foram observadas novas rachaduras, enormes, e os cientistas acreditam que uma grande parte da geleira pode se romper em breve.

"A comunidade científica ficou surpresa pela forma como estas grandes geleiras são sensíveis ao aquecimento", afirmou Box à BBC. "Primeiro foram as geleiras no sul da Groenlândia e agora, enquanto vamos mais para o norte da Groenlândia, descobrimos o recuo em grandes geleiras. É como retirar uma rolha de uma garrafa", acrescentou.

 

Siga as notícias do Portal Pantanal News no Twitter:
www.twitter.com/PantanalNews

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 

zap2
Comentários
luana , em 05/03/2010 - 23h11

nossa esso é bem perigoso e tbm maneiro

 
Últimas notícias do canal
25/07/2017 - 10h21
SOS Mata Atlântica monitora a qualidade da água dos rios de Mato Grosso do Sul com o auxílio de voluntários
20/07/2017 - 15h38
Um corredor ecológico que guarda sinais pré-históricos de 8 mil anos
19/07/2017 - 14h16
Julho já teve 167% pontos de calor a mais do que no mês passado em MS
19/07/2017 - 12h48
Parque das Nações ganhará bosque em homenagem aos 40 anos de MS
14/07/2017 - 14h08
Estado registra 108 focos de queimadas em apenas três dias, mostra Inpe
 
Últimas notícias do site
27/07/2017 - 12h14
PMA recolhe filhote de Jaguatirica apreendido com indígena
27/07/2017 - 08h28
PMA prende e autua assentado por exploração e furto de madeira de lei
27/07/2017 - 07h16
Rádios do MT e MS assinam contrato para funcionar em FM
27/07/2017 - 07h00
Em Campo Grande, ministro autoriza migração de 36 emissoras AM para FM
27/07/2017 - 06h15
Vídeo: Ministro assina documento que autoriza migração de rádios AM para FM em MS
 

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.