especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Brasil - 05/08/2009 - 07h29

Brasil enfrenta a crise e mantém redução da desigualdade




Por Redação Pantanal News/Governo Federal

A trajetória de queda da desigualdade social nas regiões metropolitanas se manteve, mesmo no período de auge do impacto da crise financeira, segundo estudo do Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas (Ipea). Em junho deste ano, o índice de Gini, que mede a desigualdade, chegou ao menor patamar nas seis principais regiões metropolitanas brasileiras: 0,493 - 4,1% menor do que o registrado em janeiro (0,514). Essa foi a maior queda registrada em um período de seis meses desde 2002. O Gini vai de 0 a 1, sendo que quanto mais próximo de 0, menor a desigualdade. O presidente do Instituto, Marcio Pochmann, avalia que, ao contrário do que ocorreu em outras crises internacionais, a pobreza continuou a cair no Brasil, mesmo após a quebra dos bancos nos Estados Unidos.

As regiões metropolitanas que diminuíram mais rapidamente a taxa de pobreza foram Belo Horizonte (35,5%), Porto Alegre (33,6%) e Rio de Janeiro (31,2%). Quedas menos intensas do que as da média nacional no período (26,8%) foram registradas em São Paulo (25,2%), Salvador (23,9%) e Recife (14,1%).

Pobreza - Depois de ter aumentado entre agosto de 2002 e abril de 2003, a taxa de pobreza nas metrópoles pesquisadas passou a ter tendência de queda. Em março de 2002, 18,5 milhões de brasileiros estavam em situação de pobreza. Em junho de 2009, esse número havia baixado para 14,4 milhões. A diferença de 4 milhões de pessoas representa uma queda de 26,8% da taxa de pobreza, que passou de 42,5% para 31,1% no período. Entre março de 2002 e junho de 2009, a região metropolitana que registrou maior queda no número de pobres (1,4 milhão) foi a do Rio de Janeiro, seguida por São Paulo (1,3 milhão) e Belo Horizonte (600 mil pessoas). Recife e Salvador, que detêm as maiores taxas, retiraram da condição de pobreza 100 mil e 200 mil pessoas, respectivamente.

No conjunto das regiões analisadas, a taxa de pobreza caiu 2,8%, passando de 31,9% para 31%, na comparação entre outubro de 2007 a junho de 2008 e outubro de 2008 a junho de 2009. A maior queda ocorreu na região metropolitana de São Paulo (-3,9%), e a menor, na do Rio de Janeiro (-1,3%).Recife teve queda de 1,9%; Salvador e Porto Alegre, de 3,3%; e Belo Horizonte, de 3,5%.

Políticas sociais - Para o ministro de Desenvolvimento Social, Patrus Ananias, os dados comprovam que o Brasil está conseguindo enfrentar a crise. “Logo no início, o presidente Lula havia anunciado que os pobres não pagariam a conta e penso que esses números mostram que ele conseguiu manter a palavra, com políticas que protegeram a população mais pobre”. O ministro avalia que as políticas sociais vêm conseguindo um impacto positivo na redução da pobreza. “A crise encontrou um país mais preparado, em processo de crescimento econômico e também de desenvolvimento social”, diz o ministro.

Consumo popular ajudou a manter atividade econômica - Ao comentar o estudo do Ipea, o ministro do Desenvolvimento Social, Patrus Ananias, avalia que a manutenção do poder de compra dos mais pobres foi importante para que o mercado interno superasse a crise financeira internacional. Veja os principais trechos da entrevista do ministro, que abre nesta quarta-feira (5), em Brasília , às 17h, o Simpósio Internacional sobre Desenvolvimento Social.

Em Questão - A manutenção do poder de compra dos mais pobres favoreceu a permanência da redução da pobreza durante a crise?
Patrus Ananias - Estudos anteriores mostraram que as políticas de transferência de renda do governo federal são responsáveis por 29% na redução das desigualdades no Brasil. Junto com outras medidas fundamentais, como a valorização do salário mínimo, isso tem um impacto anticrise importante. As políticas sociais, além da dimensão ética de garantir o direito à alimentação e proteger a vida, têm também um efeito prático de dinamizar as economias locais. Isso porque, além de cidadão, estamos criando também consumidores. Os pobres, já disse o presidente Lula, não guardam o dinheiro, eles gastam - e as pesquisas demonstram que eles gastam bem, usando o dinheiro com alimentação, material escolar e compra de bens duráveis, como fogão e geladeira, principalmente. Essa demanda estimula a produção, gera emprego e produz mais renda. Isso tem consequência principalmente para os mais pobres.

EQ - Recife, São Paulo e Salvador estão abaixo da média nacional de redução da pobreza. O que é possível fazer para melhorar a média nessas regiões metropolitanas?
PA - No que diz respeito às políticas sociais, é importante observar que o seu foco, em um primeiro momento, foi atingir, sobretudo, pessoas, famílias e comunidades mais marginalizadas. Isso reforçou a nossa presença em cidades menores, mais afastadas, com baixos indicadores de desenvolvimento humano para atacar a situação de desigualdade. Não estivemos ausentes dos grandes centros, onde localizamos nossos investimentos justamente nos lugares mais pobres e mais periféricos das grandes cidades. A questão das regiões metropolitanas é um desafio para nós. Tanto é que o próprio presidente Lula, ao me convidar para assumir o ministério, me pediu que mantivesse uma atenção especial com essas regiões. Temos de não só intensificar nossas políticas, mas também investir em maneiras de potencializar os efeitos, principalmente por meio de ações coordenadas nas regiões dos grandes centros e envolvendo vários setores das políticas públicas. O que temos feito, e acredito que deva ser reforçado, é fortalecer a agenda do Plano Setorial de Qualificação nesses grandes centros e efetivar a expansão do Bolsa Família, que tem grande peso nas regiões metropolitanaso que se dará neste ano sobretudo nesses municípios. Essa expansão tem de contemplar a busca ativa da população mais difícil de ser encontrada, que constitui o que podemos chamar de pobreza oculta.

 

Siga as notícias do Portal Pantanal News no Twitter:
www.twitter.com/PantanalNews

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 

zap2
Comentários
 
Últimas notícias do canal
10/11/2017 - 08h57
Márcia Cabrita morre aos 53 anos
18/10/2017 - 15h40
Casa pega fogo em Marília e bombeiros salvam casal de cães e oito filhotes
11/10/2017 - 08h00
Horário de verão 2017 começa neste domingo; moradores de 10 estados e DF devem adiantar relógio em 1 hora
14/09/2017 - 10h20
'Geladeira solidária' disponibiliza alimentos de graça em São Carlos, SP
04/08/2017 - 08h50
Luiz Melodia morre aos 66 anos, em decorrência de câncer de medula
 
Últimas notícias do site
14/12/2017 - 06h35
Após trégua, 5ª-feira terá pancadas de chuva em várias cidades de MS
13/12/2017 - 08h34
Acumulada, Mega-Sena sorteia prêmio de R$ 33 milhões nesta quarta-feira
13/12/2017 - 07h58
Azambuja se reúne com empresa e dá posse ao novo secretário de Saúde
13/12/2017 - 06h54
'Dog itinerante': Este cachorrinho já visitou mais cidades que muita gente
13/12/2017 - 06h38
Dia amanhece com sol entre nuvens, mas previsão é de temperatura alta
 

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.