zap
   

especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Artigos - 03/08/2009 - 14h29

Meninos de Rua




Por Bruno Peron Loureiro

É cada vez mais notória a existência de meninos e meninas de rua, que pedem dinheiro ou vendem balas em semáforos, oferecem-se para guardar carros contra furtos, abordam os pedestres na calçada, movem-se em bandos e dormem na rua. Cenário urbano no Brasil que, para uns, é causa de indignação com os rumos deste país e, para outros, do que gera desconforto e insegurança.

Nas cidades grandes, o fenômeno é mais comum, embora comece a inquietar a estabilidade social de que as pequenas e médias se prestigiavam há pouco tempo no que se refere à menor manifestação do problema. Até então Rio de Janeiro e São Paulo levavam a fama. Os olhos dos turistas, para início, denunciam a questão aos moradores que não deveriam entendê-la como normal.

No Brasil, às vezes parece que a pobreza, o desencanto e a desesperança satisfazem a um mercado e convêm a certos grupos. O país faz número. A economia é uma das vinte maiores no mundo. É como se não importasse muito que haja crianças e adolescentes em situação de desestímulo familiar, sem frequentar escolas, drogando-se nas ruas (como a ?Cracolândia? em São Paulo) e destituídos de um futuro.

Aos grupos estabilizados, dá-lhes medo que roubem seus pertences ou risquem seus automóveis; aos familiares dos que podem ser entendidos como indigentes, não lhes preocupa a situação porque não terão mesmo condições de criá-los; e aos representantes políticos amiúde lhes importa mais discutir aumento de férias e do próprio salário dentro de uma pretensa carreira que botar a mão na massa.

            É muito fácil elaborar leis, como a que se reflete no Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei Federal n. 8069/1990), e achar que o melhor se faz desta maneira. Ou só tirar as crianças da rua. Logo os graves problemas do subdesenvolvimento brasileiro se convertem em temas de poesias, do atravancado cinema brasileiro e de notícias que contam a história de uma perspectiva precipitada e meramente emotiva.

             A solução ? e esta é a parte mais esperada ao discutir este tema ? não partirá somente dos políticos de carreira, ou da elite apática, ou da interpretação que toma distância do problema porque acha que não se afeta, senão da confluência de esforços da sociedade civil. Cidadãos, estudantes, empresários, escritores, artistas, profissionais liberais e todo o restante são capazes de opinar, pressionar e lutar para uma solução.

A chave encontra-se na coesão familiar, na assunção de que o problema é de todos, no olhar menos conformista e no reconhecimento de que o futuro do país está nos jovens e na sua necessidade de crescer com oportunidades. Não é justo que um segmento exíguo desta faixa etária esteja a par dos avanços tecnológicos e sujeito às mais variadas oportunidades de educação e trabalho, enquanto outro sequer tem onde morar.

Uma ação que se restringe a tirar os meninos em situação indigente da rua não é capaz por si só de resolver o problema, uma vez que outros estarão cedo ou tarde no mesmo lugar. Políticas ditas sociais em Brasília pagam a passagem de famílias pobres recém-chegadas de volta aos seus estados de origem. Este é o caminho mais fácil para preservar a beleza artificial da ?ilha da fantasia?.

É preciso combater as carências familiares de educação, informação cidadã e projeção econômica. Ainda que se pense num Brasil mais equitativo e justo a longo prazo, a ação começa agora.

 Bruno Peron Loureiro é bacharel em relações internacionais pela Universidade Estadual Paulista (UNESP).

 


 

Os artigos publicados com assinatura não representam a opinião do Portal Pantanal News. Sua publicação tem o objetivo de estimular o debate dos problemas do Pantanal do Mato Grosso do Sul e de Mato Grosso, do Brasil e do mundo, garantindo um espaço democrático para a livre exposição de correntes diferentes de pensamentos, idéias e opiniões.

redacao@pantanalnews.com.br


 

Siga as notícias do Portal Pantanal News no Twitter:
www.twitter.com/PantanalNews

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 

area
Comentários
 
Últimas notícias do canal
28/07/2017 - 16h47
Chapéu Bandeirante
24/07/2017 - 09h01
Atentado à Vida de Plácido de Castro
22/05/2017 - 09h01
Heraldo Pereira e Bosco Martins: um breve reencontro entre amigos
04/05/2017 - 14h30
Dr. Francisco Cavalcante Mangabeira – Parte VI
02/05/2017 - 11h08
O poeta de Sobral
 
Últimas notícias do site
11/08/2017 - 17h12
Vídeo: Ministro oficializa migração de 23 rádios da frequência AM para FM
11/08/2017 - 17h00
Vídeo: Ministro assina documento que autoriza migração de rádios AM para FM em MS
10/08/2017 - 16h10
Municípios estão há mais de 60 dias sem chuva em MS
10/08/2017 - 15h59
Produção de milho é a maior da história, mas preço é o pior desde 2010
10/08/2017 - 15h12
Pesquisa inédita revela que vira-lata é o cão preferido dos brasileiros
 

zap

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.