TRANSPARENCIA GOV DEZ
   

especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Brasil - 21/05/2009 - 08h45

Brasil manteve tendência na redução do número de pobres




Por Em Questão


   Ao contrário de outros momentos de retração da economia mundial, o Brasil continua a reduzir a pobreza durante a atual crise financeira. Segundo estudo do presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Marcio Pochmann, políticas públicas têm impedido que os mais pobres sofram primeiro o impacto de um menor crescimento da economia. A elevação do valor real do salário mínimo e a existência de uma rede de garantia de renda aos pobres contribuem decisivamente para que a base da pirâmide social não seja a mais atingida. A análise se baseia em informações da Pesquisa de Emprego e Desemprego do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) feita nas seis principais regiões metropolitanas do País: Rio de Janeiro, São Paulo, Salvador, Recife, Belo Horizonte e Porto Alegre.

   Desde a crise da dívida externa (1981-83), o Brasil não mais tinha registrado um período tão longo de expansão dos investimentos como o verificado nos últimos cinco anos. Entre março de 2002 e abril de 2004, a população de pobres residentes nas principais regiões metropolitanas cresceu em 2,1 milhões, enquanto no período de abril de 2004 e março de 2009 essa quantidade foi reduzida em quase 4,8 milhões de pessoas.

   Metrópoles - No último trimestre de 2008, o País foi contaminado pela crise internacional e teve dois trimestres seguidos de queda do Produto Interno Bruto (PIB). Apesar disso, até março de 2009 não houve interrupção no movimento de queda da pobreza nas seis principais regiões metropolitanas. A proporção de pobres (30,7%), registrada em março de 2009, foi 1,7% menor que a de março de 2008. A queda de 4,5% no número de pobres significa que 670 mil pessoas deixaram a condição de pobreza. Para Pochmann, esse efeito também são válidos para o interior do País, onde o Bolsa Família e, sobretudo, a aposentadoria rural e o Benefício de Prestação Continuada (BPC) são ainda mais presentes em termos da proporção sobre a população.

   “Tudo isso ocorre de forma distinta do verificado em outros períodos em que o Brasil registrou forte desaceleração econômica”, avalia Pochmann. A pobreza no Brasil metropolitano cresceu entre 1981 e 1983, na crise da dívida externa; e entre 1990 e 1992, por conta da adoção de programas de combate à inflação e abertura comercial. De 1998 a 99 (crise cambial), ainda que a taxa de pobreza não tenha se elevado tanto como nos períodos recessivos, a desaceleração impôs perdas importantes à base da pirâmide social.

   Inclusão - Mesmo sem os efeitos de uma crise financeira, as políticas públicas inclusivas são necessárias à redução da pobreza. Nos primeiros seis meses de manifestação da atual crise internacional no Brasil, de outubro de 2008 a março de 2009, registra-se a diminuição em quase 316 mil pessoas da condição de pobreza no Brasil metropolitano. No período anterior à desaceleração econômica de 1998/99, a quantidade de pobres aumentou em quase 1,9 milhão de pessoas. “Nos períodos recessivos, a pobreza aumentou mais”, segundo Pochmann. Entre 1982/83, a quantidade de pobres cresceu em quase 7,7 milhões de pessoas nas seis regiões metropolitanas, enquanto em 1989/90 o número de pobres cresceu em mais de 3,8 milhões de brasileiros.

   “Considerando a crise atual ainda não tenha se manifestado plenamente, observa-se que o País conta com uma rede de atenção pública voltada, sobretudo, à base da pirâmide social, outrora pouco ou quase nada desenvolvida”, comenta. Durante os quatro momentos de desaceleração estudados por Pochmann, somente agora o salário mínimo conseguiu aumentar seu valor real (8%). Entre 1998/99, o salário mínimo perdeu 3,1% do poder aquisitivo. Na recessão de 1989/90, seu valor real caiu 33,6% e entre 1982/83 a perda no poder de compra foi de 8,2%.

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 

area
Comentários
 
Últimas notícias do canal
10/11/2017 - 08h57
Márcia Cabrita morre aos 53 anos
18/10/2017 - 15h40
Casa pega fogo em Marília e bombeiros salvam casal de cães e oito filhotes
11/10/2017 - 08h00
Horário de verão 2017 começa neste domingo; moradores de 10 estados e DF devem adiantar relógio em 1 hora
14/09/2017 - 10h20
'Geladeira solidária' disponibiliza alimentos de graça em São Carlos, SP
04/08/2017 - 08h50
Luiz Melodia morre aos 66 anos, em decorrência de câncer de medula
 
Últimas notícias do site
14/12/2017 - 06h35
Após trégua, 5ª-feira terá pancadas de chuva em várias cidades de MS
13/12/2017 - 08h34
Acumulada, Mega-Sena sorteia prêmio de R$ 33 milhões nesta quarta-feira
13/12/2017 - 07h58
Azambuja se reúne com empresa e dá posse ao novo secretário de Saúde
13/12/2017 - 06h54
'Dog itinerante': Este cachorrinho já visitou mais cidades que muita gente
13/12/2017 - 06h38
Dia amanhece com sol entre nuvens, mas previsão é de temperatura alta
 

88

ZAP NOVO
Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.