BANNER GOV EDUCAÇÃO JAN
   

especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Meio ambiente - 20/05/2009 - 15h02

Compensação ambiental será de até 0,5%, como defendido pela CNI

Governo publica decreto que estabelece forma de cálculo de quanto o investidor terá que destinar às obras para mitigar efeitos sobre o meio ambiente e limita o valor em 0,5% do total do empreendimento




Por Unidade de Comunicação Social


Uma das questões institucionais que mais restringia o investimento produtivo no Brasil, a compensação ambiental, foi solucionada pelo governo na semana passada. Na sexta-feira (15), foi publicado no Diário Oficial da União (DOU) o decreto 6.848, que limita em 0,5% do total investido em um empreendimento o valor que deve ser destinado à compensação dos eventuais danos causados por ele ao meio ambiente.

O decreto dispõe que esse percentual será calculado a partir dos Estudos de Impacto Ambiental e seus Relatórios (EIA/RIMA), excluindo-se desse cálculo os investimentos feitos pela empresa “nos planos, projetos e programas exigidos no procedimento de licenciamento ambiental”. Os encargos e custos incidentes sobre o financiamento do empreendimento, além de custos com apólices e prêmios de seguros, também ficam de fora do cálculo.

A regulamentação dada pelo decreto vai ao encontro do defendido pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) que, além de ter atuado no Judiciário para solucionar a questão, mobilizou o setor empresarial para mostrar ao governo a necessidade de se regulamentar o assunto adequadamente. “A CNI definiu uma posição pró-investimento, reconhecendo que a compensação ambiental não poderia ser marcada pela incerteza e imprecisão. A definição de uma metodologia de cálculo e de um limite permite maior previsibilidade para os investimentos produtivos e reduz a insegurança jurídica”, afirma o presidente da CNI, Armando Monteiro Neto.

O decreto acaba com uma pendência jurídica que vem desde 2000, quando foi instituído o Sistema Nacional de Unidades de Conservação (lei 9.985/2000). Essa lei determinava que o empreendedor deveria apoiar a implantação e manutenção de unidade de conservação por meio do pagamento mínimo de 0,5% dos custos totais do empreendimento. Ficava a critério do licenciador a fixação do percentual a ser pago a título de compensação, sem a definição de um limite para o pagamento nem tampouco a explicitação da metodologia de cálculo.

Por isso, a Confederação Nacional da Indústria (CNI) ajuizou Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) no Supremo Tribunal Federal (STF) questionando o fato de a lei ter deixado a critério do órgão licenciador a fixação do percentual a ser pago a título de compensação, sem definir limite máximo para o pagamento nem a metodologia de gradação do impacto.

O STF havia definido, em abril do ano passado, que o valor a ser pago deveria ter como base o “significativo impacto ambiental causado”, sem definir, de novo, a metodologia de cálculo nem tampouco esclarecer se a decisão valeria apenas para os empreendimentos feitos a partir daquela data ou se seria retroativo.

Diante dessa decisão da corte, a CNI entrou com embargos de declaração no STF pedindo que esses pontos fossem esclarecidos, o que até hoje não ocorreu. O decreto publicado na sexta-feira passada regulamenta a questão e preenche a lacuna normativa que a decisão do STF havia produzido.

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 

area
Comentários
 
Últimas notícias do canal
22/01/2018 - 13h13
PMA multa fazendeiro em R$ 16,8 mil por desmatamentos durante a operação Cervo-do-Pantanal
11/01/2018 - 08h00
PMA captura lagarto dentro de banheiro de escola
03/01/2018 - 07h44
MS quebra recordes de queimadas e fecha 2017 com 7.446 focos
19/12/2017 - 08h01
PMA autua pecuarista por desmatamento ilegal
18/12/2017 - 13h38
PMA autua assentado por construir drenos em área de nascentes
 
Últimas notícias do site
23/01/2018 - 13h23
Brasil entra na corrida para desenvolver mandioca com amido ceroso
23/01/2018 - 13h02
Inmet alerta para risco de tempestade com granizo em 19 municípios
23/01/2018 - 10h42
Marinha tem vagas para temporários com salário de até R$ 3,1 mil
23/01/2018 - 10h20
Unidades de conservação podem ser administradas por parcerias público-privadas
23/01/2018 - 09h40
Perguntas e respostas sobre o julgamento do recurso de Lula no TRF-4
 

zap

88

ZAP NOVO
Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.