zap
   

especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Meio ambiente - 11/05/2009 - 08h30

Reativação de alto-forno expõe importância do setor siderúrgico para MS




Por Painel Florestal

 

A retomada da produção de ferro gusa pela empresa Vetorial em Ribas do Rio Pardo, após uma paralisação de 60 dias, está sendo comemorada. O alto forno que está sendo reativado hoje representa apenas 25% da capacidade de toda a Companhia, que possui unidades de mineração em Corumbá e outra siderúrgica em Campo Grande.

Serão 250 toneladas de ferro gusa produzidos por dia. Um número modesto mas que retrata um sensível reaquecimento de mercado. A Vetorial manteve a produção até meados de março, quando mais de 90% das empresas similares tinham desligado seus alto-fornos no Brasil em consequencia da retração do consumo de aço em todo o mundo.

Nesse período, o grupo anunciou a redução de seu quadro de funcionários em 60%, mantendo apenas os que atuavam no setor administrativo, a maioria em férias coletivas. A compra de carvão vegetal, matéria prima essencial para a produção, também foi interrompida.

De acordo com nota divulgada pela empresa na época, as vendas tinham ido a zero e os estoques acumulavam três meses de produção, algo inédito para o setor.

A paralisação da Vetorial, ao lado das outras siderúrgicas do Estado, teve reflexos imediatos para a economia sul-mato-grossense. Estima-se que mais de 7 mil postos de trabalhos foram suprimidos, boa parte deles ligados à produção de carvão vegetal.

"Deixamos de produzir 200 mil metros de carvão por mês", diz o presidente do Sindicarv (Sindicato da Indústria e dos Produtores de Carvão Vegetal do Estado de Mato Grosso do Sul) Marcos José Brito.

A queda na arrecadação de impostos nos municípios atingidos chegou a 30%. O governo do Estado estima uma perda de R$ 45 milhões em ICMS nesse período. 

Números percebidos na prática, por exemplo, pela população de Ribas do Rio Pardo. O comércio local foi duramente atingido. Portas se fecharam ao mesmo tempo em que o número de desempregados aumentou a demanda social.

"Nossas vendas caíram mais de 60% em período muito curto. Quem não estava muito bem estruturado não aguentou", relata Ivo de Souza Santos, proprietário de uma loja de máquinas e equipamentos focada no setor.

Donos de postos de combustíveis, restaurantes, hotéis, oficinas mecânicas, transportadoras, auto peças e supermercados foram os mais sofreram. "A inadimplência também aumentou. Essa semana, começou a melhorar mas vamos demorar um bom tempo para superar", conclui o comerciante que espera que as autoridades percebam a importância do setor para o estado.

Medidas extremas, como distribuição gratuita de refeições, tiveram que ser tomadas. Todos os dias eram entregues aproximadamente 100 marmitas para pessoas que, além do emprego, tinham perdido sua auto-estima.

A prefeitura também lançou o programa Renda Cidadã, oferecendo uma bolsa temporária para quem se matricular em um dos cursos de qualificação profissional e prestar serviços voluntários ao município.

A situação, não muito diferente da encontrada em Aquidauana e Corumbá, só foi amenizada porque investimentos na modernização do parque industrial da Vetorial foram mantidos.

"Foram R$ 15 milhões aplicados na modernização operacional e ambiental", ressalta o diretor do grupo, Gustavo Corrêa.

Para ele, o momento difícil pelo qual a empresa passou serviu para mostrar a importância do setor para a sociedade. "Ainda assim, paralisamos depois que a maioria das siderúrgicas do Brasil e estamos reativando antes da maioria delas", pondera.

"Se tivéssemos interrompido nossas atividades um ou dois meses antes, a degradação teria sido, talvez, irrecuperável", alerta Corrêa.

Agora, caminhões carregados de carvão vegetal voltam a circular pela cidade. Enquanto isso, 70 famílias comemoram o retorno ao trabalho na indústria. A economia volta a girar, mais lenta, mas com boas perspectivas.

"Acreditamos que em pouco tempo, a vida voltará ao normal. Famílias inteiras dependem da produção de carvão vegetal, da fabricação do ferro gusa ou de empregos ligados ao nosso setor. Sabemos da nossa responsabilidade e estamos trabalhando para, assim que o mercado se estabilizar, voltarmos à capacidade total", concluiu Gustavo Corrêa.

Reflorestamento também sentiu impacto
Ao lado da indústria de papel e celulose, o setor de siderurgia a carvão vegetal é o segundo maior responsável por plantio de florestas de eucalipto em Mato Grosso do Sul.

De acordo com dados da Associação Sul-mato-grossense de Produtores e Consumidores de Florestas Plantadas (Reflore/MS), as empresas associadas encerraram 2008 com 21 mil hectares plantados entre novas áreas e reformas.

Os investimentos que antes eram previstos em R$ 300 milhões foram adaptados à nova realidade. A MMX suspendeu os plantios e permanece apenas com a manutenção do maciço florestal em Dois Irmãos do Buriti.

A Vetorial, que acaba de receber a certificação ISO 9001, adaptou o projeto original e deve plantar aproximadamente 3 mil hectares esse ano, contra 5 mil inicialmente previstos.

Números da cadeia produtiva siderúrgica em MS

1 siderúrgica em operação parcial (Vetorial, Ribas do Rio Pardo e Campo Grande)

2 siderúrgicas paralisadas (MMX, Corumbá e Simasul, Aquidauana)

1 siderúrgica em construção (Sitrel, Três Lagoas) 

16 mil empregos diretos, sendo 14 mil ligados à produção de carvão vegetal

20 mil empregos indiretos, sendo 10 mil ligados à produção de carvão vegetal 

R$ 60 milhões de arrecadação de impostos/mês 

Estima-se que o setor movimente R$ 700 milhões em Mato Grosso do Sul por ano 

5% do PIB de Mato Grosso do Sul

 Fontes: Seprotur e Sindicarv, 2008

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 

zap2
Comentários
 
Últimas notícias do canal
19/04/2017 - 13h18
Entidades do setor florestal de MS promovem campanha de combate a incêndios
18/04/2017 - 15h15
Fenômeno natural, decoada começa no rio Paraguai causando morte de peixes
10/04/2017 - 09h19
Anastácio: Sucuri de 3 metros é encontrada em terreno onde crianças soltavam pipa
05/04/2017 - 09h08
Corumbá: Exposição mostra impactos do lixo na natureza
05/04/2017 - 08h35
Jacaré é encontrado em varanda de residência durante a madrugada
 
Últimas notícias do site
27/04/2017 - 15h06
Rádio Independente de Aquidauana recebe "Moção de Congratulação" do deputado estadual Paulo Siufi por processo de migração para FM
27/04/2017 - 15h03
Em MS, 27% dos contribuintes ainda não entregaram declaração do IR 2017
27/04/2017 - 07h10
Chuva em municípios de MS passou dos 50 mm e derrubou temperaturas
27/04/2017 - 06h31
Confira as ocorrências dos Bombeiros das últimas horas
27/04/2017 - 06h24
No primeiro frio do ano, quinta-feira amanhece com mínima de 9°C em MS
 

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.