zap
   

especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
O Estado do Pantanal - 01/05/2009 - 07h00

MS supera média nacional de detentos que trabalham




Fotos: Rachid Waqued




Por Waleria Ferraz, do Notícias MS


     O Dia do Trabalho, comemorado amanhã, 1º de maio, no Brasil e em muitos países do mundo, também é representativo para os internos que cumprem pena no sistema prisional de Mato Grosso do Sul, administrado pela Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp), através da Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário (Agepen).

      No Estado, aproximadamente 3,5 mil internos desempenham atividades laborais, de acordo com a Divisão de Trabalho da Agepen, correspondendo à cerca de 32,6% da massa carcerária. Esse índice representa 12 pontos percentuais acima da média nacional que, conforme dados levantados pela Secretaria de Administração Penitenciária de São Paulo, junto ao Sistema de Informações Penitenciárias (Infopen) do Ministério da Justiça(MJ), não ultrapassa 25%.

      As atividades desempenhadas dentro dos presídios ou por internos que já estão em regimes mais brandos são variadas, sendo desenvolvidas por meio de convênios de cooperação mútua entre a Agepen e empresas do setor privado ou público, ou mantidas pelas próprias unidades penais. Muitas vezes também trazem qualificação profissional, como o trabalho de marcenaria e de confecção.


       Os internos que exercem atividades remuneradas correspondem a mais de 50% do total. A remuneração pode ser de no mínimo R$ 348,75 (3/4 do salário mínimo) ou incidir sobre a produção de cada trabalhador.

      Muito além das estatísticas está a função social do trabalho, que vem representando um dos principais fatores que contribuem para ressocialização. Levantamento realizado pelo Conselho da Comunidade de Campo Grande no ano passado aponta que entre os internos encaminhados ao mercado de trabalho, o índice de reincidência  não chega a 5%.

          Trabalhar também é para os reeducandos uma forma de ficar menos tempo na prisão, pois a cada três dias trabalhados eles conquistam um dia na remição na pena.

        Transformação

       Patrícia Costa Vieira, 33 anos, que atualmente cumpre pena em regime condicional, garante que a conquista de um emprego foi fundamental para uma grande transformação em sua vida. “Sempre fui dona de casa e acabei me envolvendo com um bandido que depois foi preso. Aí, eu comecei a traficar e também fui pra cadeia”, conta. “Mas quando me deram a oportunidade de trabalhar enxerguei que era possível deixar de lado muitas coisas que atrasaram minha vida; hoje ando de cabeça erguida, pago meu aluguel e compro o que eu preciso com dinheiro digno”, completa.

      Já José Roberto Vasconcelos, 45 anos, interno da Colônia Penal Agrícola de Campo Grande, diz que se sente realizado em poder ter uma ocupação honesta que garanta o seu sustento. Trabalhando em serviços de manutenção em uma autarquia estadual, ele recebe um salário mínimo mensal (R$ 465). “O dinheiro que recebo uso para ajudar minha família e em gastos pessoais, inclusive já consegui fazer uma economia e comprar uma ‘motinha’ para mim”, conta, ressaltando que “o emprego traz dignidade à pessoa”.

        Avanços

       Segundo o supervisor da Divisão de Trabalho da Agepen, Alcides Rodrigues, está havendo uma conscientização cada vez mais crescente por parte dos empresários e da sociedade como um todo com relação à ocupação da mão-de-obra prisional. “Em janeiro de 2007 contabilizávamos que 26% dos internos estavam envolvidos em atividades laborais, ou seja, em dois anos, o aumento foi superior a seis pontos percentuais, mesmo com o crescimento da massa carcerária”, informa. 

      O supervisor acredita que o aumento no número de parceiros se deve a maior conscientização das pessoas na importância da reinserção social. Outro ponto positivo, segundo ele, é que a ocupação da mão-obra-prisional também é muito viável para os empresários do ponto de vista econômico.


     Keila Oliveira/Agepen

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 


Comentários
 
Últimas notícias do canal
20/04/2017 - 16h02
Ação humana coloca em xeque a conservação de aves do Pantanal
19/04/2017 - 15h06
Pantaneiros querem ser ouvidos na discussão da polêmica Lei do Pantanal
13/04/2017 - 07h52
Governos de MS e MT discutem uniformidade nas leis sobre o Pantanal
12/04/2017 - 16h02
Sindicato Rural, Prefeitura e Famasul levam saúde para trabalhadores rurais da Nhecolândia
22/03/2017 - 12h19
Jiboia é capturada em tanque de combustível de moto no Pantanal
 
Últimas notícias do site
24/04/2017 - 13h30
Polícia prende jovem com maconha e cocaína em Aquidauana
24/04/2017 - 12h55
Clima muda e entressafra faz preço do leite subir 8% ao produtor de MS
24/04/2017 - 10h39
Corpo do cantor Jerry Adriani é velado no Rio
24/04/2017 - 09h56
Declaração do Imposto de Renda termina sexta; fique atento ao prazo
24/04/2017 - 09h53
Dr. Francisco Cavalcante Mangabeira – Parte V
 

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.