zap
   

especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Artigos - 14/04/2009 - 08h25

Não dá vontade de chorar?




Por Elias Mattar Assad (*)


Narra um colega que, constituido, assumiu defesa criminal na Região Metropolitana de Curitiba. No processo havia outro réu que, por hipossuficiência, o juiz nomeou-lhe um advogado dativo (no Paraná não existe defensoria pública).

Além dos procedimentos rotineiros, o advogado constituido, para bem elaborar seu trabalho e requerer provas (defesa preliminar), se viu no dever de conversar com o outro defensor. Segundo narra, foi a experiência mais deprimente de sua vida profissional.

Ao chegar ao escritório do "dativo" e ao esclarecer o assunto, foi friamente atendido. Imediatamente pensou que o colega estaria com algum compromisso agendado, foi logo adiantando: "Estou aqui para tratarmos de um processo onde eu defendo um e o senhor outro acusado... Se não tiver tempo, volto outra hora..."

Identificando o processo pelas cópias que o advogado constituido portava, foi logo disparando: "Não conheço o acusado e atendo essas encrencas dativamente a pedido do juiz..." Muito bom, disse o visitante, embora esse dever seja do Estado, admiro quem se propõe a fazer o trabalho e, não querendo tomar ainda mais seu tempo, que provas vamos produzir? Qual a linha de defesa do seu cliente, já que ambos se reservaram ao silêncio na fase policial?

A resposta do "causídico" foi no sentido de não ter nenhuma linha de defesa; de não conhecer o acusado; de não ter interesse sequer em conversar sobre o assunto e que só falaria com o acusado no dia da audiência. Em suma, observando mais tarde a "defesa preliminar" do dativo, o advogado constituido constatou que o mesmo não requereu qualquer prova, limitando-se, em poucas linhas, a negar tudo (defesa meramente formal).

Dia da audiência, no primeiro contato com o pobre acusado o "defensor" dativo, que, sem abrir o processo ou ter cópias dele, inclusive o aconselhou a confessar a prática do crime imputado sob o argumento de que o juiz reduziria a pena pela confissão... Em suma, não fez nenhuma repergunta para as testemunhas da denúncia, nem qualquer pedido de esclarecimento nos interrogatórios...

Tendo o juiz concedido prazo para as partes ofertarem razões escritas, veio o encerramento do ato. em seguida, o juiz ao se despedir dos presentes e da escolta policial que conduzia os acusados, fez um registro: "fulano é um colaborador da justiça e atende dativamente incontáveis casos da nossa carregada pauta criminal..." Encerra sua carta indagando: "Não dá vontade de chorar?"

A resposta está não somente no EOAB, como violação dos indeclináveis deveres profissionais (severa punição), como no Código Penal, em seu artigo 355, que preceitua: "Trair, na qualidade de advogado ou procurador, o dever profissional, prejudicando interesse, cujo patrocínio, em juízo, lhe é confiado" (pena até 3 anos).

Sem dúvida, uma farsa processual! Embora a Súmula nº 523 do STF considere "anulável o processo", o pobre que não teve sequer defesa de fato, em Estado que não tem defensoria, terá como arguir nulidade e provar tal prejuízo em instâncias superiores?

Emerge, da narrativa, destoante visão que acentua injustiças e desigualdades sociais, onde dar a cada um o que é seu significa assegurar aos ricos as suas venturas e aos pobres as suas misérias!

 

(*) Elias Mattar Assad
é ex-presidente da Associação Brasileira dos Advogados Criminalistas,
eliasmattarassad@yahoo.com.br

Os artigos publicados com assinatura não representam a opinião do Portal Pantanal News. Sua publicação tem o objetivo de estimular o debate dos problemas do Pantanal do Mato Grosso do Sul e de Mato Grosso, do Brasil e do mundo, garantindo um espaço democrático para a livre exposição de correntes diferentes de pensamentos, idéias e opiniões. redacao@pantanalnews.com.br

 

 

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 

area
Comentários
 
Últimas notícias do canal
24/04/2017 - 09h53
Dr. Francisco Cavalcante Mangabeira – Parte V
20/04/2017 - 15h12
Adolescentes em risco de suicídio e o jogo da Baleia Azul
18/04/2017 - 15h00
Dr. Francisco Cavalcante Mangabeira – Parte IV
18/04/2017 - 14h55
Dr. Francisco Cavalcante Mangabeira – Parte III
18/04/2017 - 14h50
Dr. Francisco Cavalcante Mangabeira – Parte II
 
Últimas notícias do site
24/04/2017 - 10h39
Corpo do cantor Jerry Adriani é velado no Rio
24/04/2017 - 09h56
Declaração do Imposto de Renda termina sexta; fique atento ao prazo
24/04/2017 - 09h53
Dr. Francisco Cavalcante Mangabeira – Parte V
24/04/2017 - 09h45
Aproveite as sobras num delicioso feijão tropeiro feito em uma panela só
24/04/2017 - 09h35
Corumbaense vence Operário e está na final do Estadual após 30 anos
 

zap

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.