zap
   

especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Brasil - 20/03/2009 - 07h45

Crise mundial reduz renda de catadores de materiais recicláveis do Rio pela metade




Por Flávia Villela, da Agência Brasil


Os catadores de materiais recicláveis estão sofrendo duplamente com a crise financeira mundial: além da diminuição do crédito e da renda, que causou a queda no consumo e, conseqüentemente, na produção de lixo, o preço pago por alguns materiais recicláveis caiu mais da metade.

O catador Valdinei Ribeiro da Silva, da Cooperativa Coopervape, em Irajá, zona norte do Rio de Janeiro, afirma que está tendo que trabalhar mais de 12 horas por dia para ganhar metade do que ganhava antes da crise. “Antes de dezembro, eu conseguia ganhar até R$ 700, no final do mês. Hoje, se conseguir R$ 400 é muito”. Segundo ele, o quilo do plástico, que chegou a custar cerca de 90 centavos, agora vale menos de 60 centavos, pela mesma quantidade. A latinha, maior fonte de renda dos catadores, que chegava a ser vendida por R$ 3,50, agora não passa de R$ 1,50. O quilo do papelão hoje está sendo vendido por 20 centavos. Antes da crise um catador conseguia vendê-lo por 50 centavos.

“Minha esposa trabalhava comigo e saiu para trabalhar em casa de família, porque com o que estamos ganhando não está dando. A garrafa PET que vendíamos por R$ 1,20, o quilo, agora não conseguimos vender nem por 50 centavos. Estamos trabalhando das 8h às 21h para ver se corremos atrás do prejuízo”.

Catador de material reciclável há dez anos, Agnaldo Moraes diz que nunca passou tanto sufoco. “O preço não está valendo à pena, porque o transporte é muito caro. Pago R$ 200 de frete por retirada”. Moraes espera que a prefeitura, por meio da Companhia de Limpeza Urbana (Comlurb), intensifique o apoio às cooperativas de catadores. “Afinal, a coleta seletiva que realizamos desafoga os aterros sanitários e diminui o gasto da prefeitura, sem contar nossa contribuição para o meio-ambiente e a sociedade”.

Para Lúcio Andrade, morador da Ilha do Governador, a atuação dos catadores é fundamental para a cidade, já que não existe no Rio um sistema de coleta seletiva que viabilize uma cadeia produtiva da reciclagem e de gestão dos resíduos sólidos. “Como a Comlurb não faz coleta de lixo reciclável aqui na rua, entrei em contato com uma cooperativa, pois o lixo reciclável que acumulamos é muito grande”. Andrade diz que a idéia de organizar os vizinhos para separar o lixo orgânico dos recicláveis surgiu após uma viagem à Áustria “Lá a coleta seletiva é coisa séria e a cobrança é grande,” conta..

A Comlurb dá suporte a algumas cooperativas, como cessão do espaço de coleta, uniforme, luvas e máscaras. Além disso, a companhia realiza coletas seletivas em alguns bairros, cujo material é enviado para um depósito em Jacarepaguá, zona oeste da cidade. Os catadores que estiverem legalizados e cadastrados têm direito ao material, mas ficam responsáveis pelo transporte.

Desde 2006, todo o órgão federal é obrigado a doar o material reciclável a cooperativas cadastradas. Desde 2007, o Banco de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) tem um programa de crédito a fundo perdido, para infra-estrutura física, aquisição de máquinas e equipamentos, assistência técnica e capacitação gerencial de cooperativas de catadores. Ao todo, segundo o BNDES, o incentivo é de R$ 38,5 milhões e deve beneficiar 3,2 mil catadores de oito estados brasileiros.

Entretanto, para Sebastião Santos, do Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis, faltam políticas públicas para esses trabalhadores por parte das três esferas do governo. Segundo ele, é fundamental também que haja recursos para investir em capital de giro para as cooperativas. “Se tivéssemos recursos para investir, conseguiríamos estocar o material e manter um valor mínimo para garantir um salário digno aos catadores, em momentos de crise. Hoje, somos forçados a vender o material pelo preço que derem”, afirma o catador.

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 


Comentários
 
Últimas notícias do canal
18/10/2017 - 15h40
Casa pega fogo em Marília e bombeiros salvam casal de cães e oito filhotes
11/10/2017 - 08h00
Horário de verão 2017 começa neste domingo; moradores de 10 estados e DF devem adiantar relógio em 1 hora
14/09/2017 - 10h20
'Geladeira solidária' disponibiliza alimentos de graça em São Carlos, SP
04/08/2017 - 08h50
Luiz Melodia morre aos 66 anos, em decorrência de câncer de medula
24/04/2017 - 10h39
Corpo do cantor Jerry Adriani é velado no Rio
 
Últimas notícias do site
20/10/2017 - 15h38
Asfalto entre Piraputanga e Camisão vai impulsioncar ecoturismo na região
20/10/2017 - 15h06
Alerta prevê tempestades em 43 municípios de Mato Grosso do Sul
20/10/2017 - 14h13
PMA autua proprietária rural por exploração ilegal de madeira
20/10/2017 - 12h30
PMA autua jovem por manter ave silvestre em cativeiro
20/10/2017 - 11h33
Incêndio em parque estadual de MS é controlado após uma semana com ajuda de chuva, diz Imasul
 

zap

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.