zap
   

especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Meio ambiente - 20/03/2009 - 07h10

Savana pode aumentar 215% na Amazônia até 2100, diz Inpe




Por Redação do Amazonia.org.br


Um estudo inédito do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), liderado pelo climatologista Carlos Nobre, procurou avaliar, pela primeira vez, os efeitos conjuntos das mudanças climáticas e do desmatamento na Amazônia.  A pesquisa utilizou modelos computacionais para entender o impacto dos dois fatores na floresta.  As informações são do jornal Folha de S. Paulo.

No cenário mais pessimista, considerando um aumento de temperatura de 5ºC e a destruição de 60% da floresta amazônica na América do Sul, a savana na região crescerá 215,6% até 2100.  Menos da metade da floresta (44,2%) manterá a capacidade de se regenerar.

Já num cenário otimista, em que o aumento da temperatura seja de 3ºC e o desmatamento de no máximo 40%, a savana na região aumentará 170%, e apenas 66,2% da floresta poderá se regenerar.

Segundo Nobre, o clima muda até tal ponto que não é mais possível manter o ecossistema original.  "Aquelas áreas que foram perdendo floresta foram ganhando savana", afirma.  A savana que surge no lugar da floresta é pobre em espécies.

Queimadas

Carlos Nobre explica que o principal problema é a maior sensibilidade da Amazônia a incêndios.  "Quando você tem aquecimento global, tem secas mais intensas, mais fogo.  E se você tem desmatamento, você aumenta a temperatura, diminui a chuva, tem mais seca e mais fogo", afirma.

Ele explica que a vegetação da floresta amazônica é úmida, o que impede a propagação do fogo.  Mas com um aumento na temperatura global e com a exploração de madeira, abrindo "buracos" na floresta, a vegetação fica mais suscetível às queimadas.


(Envolverde/Amazônia.org.br)

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 


Comentários
 
Últimas notícias do canal
14/09/2017 - 05h50
Incêndio florestal que durou 10h consumiu pelo menos mil hectares
08/09/2017 - 07h45
Em uma semana, setembro já é o 3º mês com mais queimadas no ano
06/09/2017 - 10h22
PMA autua jovem presa pela PM com 32 filhotes de papagaios
29/08/2017 - 14h53
Bombeiros já combateram mais de 3 mil queimadas em MS em 2017
22/08/2017 - 06h20
Florada de ipê trouxe beleza à oficina mecânica que recebe amigos da cidade toda
 
Últimas notícias do site
14/09/2017 - 17h12
Vídeo: Ministro oficializa migração de 23 rádios da frequência AM para FM
14/09/2017 - 17h00
Vídeo: Ministro assina documento que autoriza migração de rádios AM para FM em MS
14/09/2017 - 10h45
Raras girafas brancas são observadas em parque no Quênia
14/09/2017 - 10h20
'Geladeira solidária' disponibiliza alimentos de graça em São Carlos, SP
14/09/2017 - 10h05
Corpo de Bombeiros combate incêndio de grandes proporções em frigorífico
 

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.