zap
ANIVERSÁRIO CORUMBÁ 2017
   

especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Antidrogas - 12/03/2009 - 07h12

Governo ainda não tem política específica de combate ao crack




Por Mariana Jungmann, da Agência Brasil

Dados da Polícia Federal mostram um aumento das apreensões de crack que passaram de 145 quilos em 2006 para mais de 578 quilos em 2007. Mas, segundo o secretário nacional Antidrogas (Senad), general Paulo Uchôa, existem poucas informações sobre o tema e nenhuma política pública específica para o controle do crack está nos planos do órgão.

"Não vamos ter plano voltado exclusivamente para o crack. Mas estamos nos preparando para fazer uma pesquisa mais voltada para essa droga. Nas estatísticas, ainda aparece muito como se fosse cocaína e seus derivados, apenas em alguns momentos vemos o crack em separado", explica.

 

A Senad considera que somente uma pesquisa, de âmbito nacional, poderá dar a real dimensão do problema. "Qualquer que seja a droga, as políticas devem estar baseadas em pesquisas epidemiológicas que nos garantam o rigor científico do dado. Temos internações, algumas informações, a imprensa tem divulgado, a apreensão também tem aumentado. Mas a gente não pode confundir aumento da apreensão com aumento do consumo”, justifica.

 

Especialistas como a socióloga Sílvia Ramos, coordenadora do Centro de Estudos de Segurança e Cidadania da Universidade Cândido Mendes, entretanto, alertam que o problema é grave e exige maior sensibilidade das autoridades. "O crack é um tragédia que desperta pouco interesse. Mas não é possível que o Estado tenha uma postura de desistência. Tem que treinar pessoal, profissionais das áreas de assistência social, médicos, enfermeiros, mobilizar a sociedade civil e o setor de segurança", ressalta.

As críticas também partem de quem trabalha diretamente com as vítimas da dependência. César Ricardo Rodrigues da Cunha já foi viciado em cocaína e, há 23 anos, coordena um grupo de recuperação de dependentes. "Um governo que é conivente com a divulgação de álcool, que mata milhões e milhões de pessoas no mundo, não vai fazer trabalho de prevenção contra o crack", afirma.

 

Na área de assistência social, as ações voltadas para os moradores de rua – população mais vulnerável e mais atingida pelo avanço da droga – são as mais próximas do problema.

 

"Transferimos dinheiro para 93 municípios com mais de 250 mil habitantes para que eles ofereçam serviços de abrigo e acolhimento para a população de rua", explicou a diretora da Secretaria Nacional de Assistência Social, Valéria Gonelli. "As pessoas ficam internadas e retornam, mas nem sempre elas têm um serviço de casa-apoio ou albergue. Precisamos trabalhar a qualidade deste acolhimento.”

 

A Senad diz que investe em capacitação de educadores, lideranças comunitárias e até líderes religiosos para tratar do problema. Aqueles que se sentirem com "uma certa agonia", segundo o secretário, podem também ligar para o serviço 0800 510 0015.

"É um serviço gratuito. Quando você liga para lá, de forma anônima, você relata o seu problema e alguém do último ano de graduação da área médica vai dar orientação."

A Senad é ligada ao Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República e tem papel articulador. A secretaria não possui orçamento para executar diretamente os projetos. Por isso, as políticas são propostas e tocadas com outros ministérios e com os governos estaduais e municipais.

A Secretaria de Assistência Social garante que o atendimento e o tratamento sobre o uso de substâncias psicoativas estarão previstos no Plano Nacional de Assistência Social. Os dois órgãos, contudo, ressaltam a importância de que os prefeitos tomem a iniciativa. "Cada município precisa criar o seu conselho antidrogas. Capacitamos gratuitamente os conselheiros", afirma Uchôa.

* Colaborou Marco Antonio Soalheiro

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 

area
Comentários
 
Últimas notícias do canal
20/09/2016 - 08h16
Está proibida venda a adolescentes de produtos usados para fazer “loló”
21/06/2016 - 09h45
Polícia queima droga avaliada em R$ 66 milhões; apreensões cresceram 7%
06/11/2015 - 15h06
Senador Moka diz que Brasil erra no combate ao tráfico nas fronteiras
06/08/2015 - 06h18
Drogas e álcool: conheça os efeitos da Síndrome de Abstinência Neonatal
13/07/2015 - 08h11
Combate às drogas não envolve apenas segurança, avalia Antonieta
 
Últimas notícias do site
22/09/2017 - 17h12
Vídeo: Ministro oficializa migração de 23 rádios da frequência AM para FM
22/09/2017 - 17h00
Vídeo: Ministro assina documento que autoriza migração de rádios AM para FM em MS
22/09/2017 - 08h46
PMA autua campeiro preso pela PM com 112 filhotes de papagaios
22/09/2017 - 07h50
Arena Aberta une empresas, academia e Exército em Santa Catarina
22/09/2017 - 07h45
Operação Paraná: perfeita integração entre os Exércitos do Brasil e do Paraguai
 

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.