zap
   

especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Meio ambiente - 27/02/2009 - 06h30

Animais silvestres em ambiente urbano: veja cuidados




Fabio Pellegrini

Por Nadjanara Morbeck, do Notícias MS

 

Mato Grosso do Sul é um dos poucos estados brasileiros onde podemos nos deparar costumeiramente com animais silvestres como lobinhos, veados campeiros, capivaras, quatis, tucanos e araras no nosso dia-a-dia. Essa presença constante de animais silvestres é um excelente indicador da qualidade de nosso meio ambiente e da qualidade de vida de nossas cidades.

Na capital, por exemplo, as travessias dos quatis nas vias públicas do Parque dos Poderes e das capivaras na avenida Senador Filinto Muller, em frente ao Lago do Amor, área de reserva natural da UFMS, já se tornaram atrativos turísticos. Nos fins de semana, famílias campo-grandenses e turistas vão ao local contemplar a beleza e fotografar as capivaras que saem do lago e vão para a mata no fim de tarde.

Porém, é necessário que a população que reside ou trabalha nas imediações dessas áreas de reservas naturais e que costuma ver esses e outros bichos, tome alguns cuidados.

O biólogo Vinicius Andrade Lopes, coordenador do Centro de Reabilitação de Animais Silvestres (Cras), explica que a proximidade intensa entre animais silvestres e humanos é uma relação conflituosa, havendo riscos para ambos.

“Recentemente, ao longo da primavera, os animais se reproduziram e algumas espécies, como os quatis, já estão circulando com os filhotes. Apesar do apelo emotivo que têm, os animais podem atacar as pessoas em busca de alimentos ou transmitir doenças específicas dos animais, as chamadas zoonoses. O ideal é apenas admirá-los, e nunca tocá-los ou alimentá-los”, esclarece Vinicius.

Atropelamentos

Com os filhotes, os grupos tendem a se locomover com freqüência em busca de alimentos para o bando, com isso, os animais correm riscos de serem atropelados. “É necessária atenção redobrada próximo às áreas de reservas naturais e jamais exceder a velocidade máxima permitida, pois os animais têm comportamento inesperado. Se o líder do bando atravessa a rua, mesmo havendo fluxo de trânsito, o resto tende a segui-lo, aí acontecem os atropelamentos”, esclarece o capitão Ednilson Queiroz, chefe do Núcleo de Educação Ambiental da Policia Militar Ambiental (PMA).

Alimentação inadequada

Quando os animais são alimentados frequentemente por humanos sem nenhum rigor cientifico, há os seguintes riscos para os animais: obesidade, intoxicação, ocasionando doenças fisiológicas e aumento de gordura. Além disso, os animais se acostumam com o alimento fornecido e perdem o instinto natural de caça, de forma que os filhotes se acostumem a fazer o mesmo. “Isso pode ocasionar numa superpopulação, além do que os animais podem invadir casas e prédios em busca dos alimentos ou facilitar a caça deles, e o conjunto disso tudo era um desequilíbrio ecológico”.

A flora também sofre com isso, pois muitos animais comem frutos e sementes e, ao defecarem, dispersam as sementes, que germinam na maioria das vezes, porém, com a alimentação inadequada, o processo não ocorre e as árvores não são reproduzidas.

Em caso de aparições de animais silvestres em áreas urbanas, as pessoas podem comunicar a Polícia Militar Ambiental (PMA) pelo telefone 67 3314 4920 ou o Corpo de Bombeiros, pelo fone 193.

 Fabio Pellegrini

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 

zap2
Comentários
carlos, em 07/03/2009 - 12h26

isso é tudo mentira

 
Últimas notícias do canal
10/08/2017 - 11h16
MS registra o maior número de queimadas dos últimos 7 anos
09/08/2017 - 07h53
Em apenas uma semana, agosto já é o 2° mês com mais focos de calor
04/08/2017 - 11h04
Bodoquena, um paraíso de águas, serras e grutas
02/08/2017 - 08h44
Quantidade de focos de calor em julho foi a maior dos últimos 18 anos em MS
02/08/2017 - 08h00
Saúvas "dominam" áreas urbanas e podem matar espécies como ipês
 
Últimas notícias do site
21/08/2017 - 17h12
Vídeo: Ministro oficializa migração de 23 rádios da frequência AM para FM
21/08/2017 - 17h00
Vídeo: Ministro assina documento que autoriza migração de rádios AM para FM em MS
20/08/2017 - 14h01
Concurso para delegado usa pela 1ª vez aparelho contra fraudes
19/08/2017 - 09h45
PMA autua empresa de Mato Grosso e apreende carreta com carga ilegal de madeira
19/08/2017 - 09h01
AGENDONA: Fim de semana tem tradicional 'Bon Odori', espetáculo 'Improváveis' e mais
 

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.