especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Pesquisa no Pantanal - 26/08/2008 - 07h00

Comunidade pantaneira desenvolve meios sustentáveis de renda com bocaiúva




Por Redação Pantanal News/Fabio Pellegrini, do Notícias.MS

Foto: Divulgação
recurso

         Uma despolpadeira de bocaiúva é a nova aquisição tecnológica da Associação de Pescadores de Iscas Vivas do município de Miranda, em Mato Grosso do Sul. Com o maquinário a comunidade terá a oportunidade de desenvolver novos meios sustentáveis de renda a partir do extrativismo da fruta regional.

A bocaiúva é uma palmeira encontrada em quase todo o Brasil (do Pará até São Paulo e Mato Grosso do Sul), ocorrendo também na Bolívia, Paraguai e Argentina. No município de Miranda é encontrada com grande facilidade em meio à vegetação nativa.

 

Carinhosamente chamada de “chiclete pantaneiro” a bocaiúva tem sabor exótico e dela pode se aproveitar tudo: a casca, como combustível de queima de biomassa; a polpa para produção de alimentos, como compotas, farinha e sorvete, além do aproveitamento de seu óleo para a indústria de cosméticos, para a produção de sabão ou mesmo óleo para culinária, tal qual o dendê; a castanha da semente pode ser utilizada também de forma alimentícia e também extrair seu óleo. Estudos já são realizados para a utilização do óleo da bocaiúva como biocombustível.

 

Desde que iniciou seu projeto com comunidades de pescadores de iscas no Pantanal, a organização não-governamental Ecoa os incentiva na pesquisa de meios alternativos de renda, principalmente durante o período do defeso quando é proibida a prática da pesca. Entre as ações estão capacitações na utilização de frutos nativos.

 

Percebendo a potencialidade da bocaiúva, a Ecoa iniciou, desde então, a procura por um maquinário que facilitasse a separação da polpa da semente sem que esta prejudicasse a qualidade do produto e que também associasse resistência e custo acessível.

 

A máquina encontrada foi idealizada por um engenheiro mecânico que solicitou a produção do modelo piloto para Universidade Federal de Viçosa (UFV), em Minas Gerais, Estado de longa tradição no aproveitamento da fruta, lá conhecida como macaúba.

 

“A nossa bocaiúva é mais adocicada e agradável ao paladar. Quando encontramos a despolpadeira ela teve de ser adaptada para o fruto da nossa região de modo que não prejudicasse a qualidade da polpa para a produção de alimentos. Assim, partes que entram em contato com a polpa que eram de ferro foram trocadas por aço inoxidável para evitar ferrugem”, explica o coordenador de trabalho de campo da Ecoa, Jean Fernandes. Este é o primeiro equipamento desenvolvido pela instituição mineira comercializada para outro Estado.

 

Uma parceria com o Departamento de Tecnologia de Alimentos (DTA) da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) irá desenvolver boas práticas na utilização do maquinário e de higiene de acordo com a preparação de cada produto. Além de ser estudado os produtos de maior demanda e adaptação à realidade local.

 

Para a pesquisadora Darli Castro Costa, do DTA, a nova empreitada tem todos os componentes para gerar produtos de qualidade garantida. “A bocaiúva é um fruto completo. Contém vitamina A, sais minerais, gordura e carboidratos. Estudos e pesquisas não faltam para que se comprove isso. O grande diferencial será trabalhar a sua utilização que é pouca, e essa máquina vem sanar isso. Esse trabalho irá mostrar à comunidade que eles têm um produto que ainda não foi valorizado”, constata.

  

Com informações da Coalização Rios Vivos/Ecoa

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 

zap2
Comentários
 
Últimas notícias do canal
14/10/2015 - 11h00
Expedição de barco pelo Pantanal de MS discute preservação ambiental
26/08/2013 - 08h03
Em MS, médicos de outros países fazem provas para revalidar diploma
30/01/2013 - 08h45
Embrapa Pantanal firma convênio para o fortalecimento da Apicultura em Mato Grosso do Sul
30/10/2012 - 16h45
PRF apreende veículo com CRLV falso
05/09/2012 - 13h45
Pesquisadores questionam alterações da Lei de Pesca do Mato Grosso
 
Últimas notícias do site
23/11/2017 - 15h48
Em Brasília, prefeito viabiliza recursos para Corumbá e busca apoio para curso de Medicina
23/11/2017 - 15h31
No Ministério do Turismo, prefeito discute liberação de verbas para distrito turístico
23/11/2017 - 14h46
Corumbá comemora neste dia 23 o Dia Municipal da Cultura
23/11/2017 - 14h26
PMA prende e autua em R$ 60 mil trio de pescadores no rio Paraguai
23/11/2017 - 08h46
Durante fiscalização PMA apreende caminhão com uma tonelada de agrotóxico
 

zap

88

ZAP NOVO
Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.