especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Olimpíadas 2008 - 24/08/2008 - 02h31

Vôlei: Seleção masculina conquista prata e encerra participação do Brasil nos Jogos




Por Redação Pantanal News/Eusébio Galvão, da Assessoria de imprensa do COB

O Brasil conquistou neste domingo (24), a medalha de prata no torneio masculino dos Jogos Olímpicos Pequim 2008. No Ginásio da Capital da China, a equipe perdeu para os Estados Unidos, de virada, no último dia de competição dos Jogos: 3 sets a 1, parciais de 20/25, 25/22, 25/21 e 25/23. No sábado, 23, a seleção brasileiro feminina havia derrotado a norte-americana pelo mesmo placar e faturou o ouro.

É a segunda medalha olímpica de Bernardinho com o time masculino, a primeira foi o ouro em Atenas 2004, na Grécia. Antes, ele conquistara dois bronzes com a seleção feminina, em Atlanta 96, nos EUA, e Sydney 2000, na Austrália, e a equipe dos homens, uma prata em Los Angeles 84, também nos EUA (com Bernardinho como levantador reserva) e um ouro em Barcelona 92, na Espanha, com o técnico José Roberto Guimarães, que ganhou o ouro com o feminino. Está é também a sétima medalha que o vôlei dá ao Brasil na história dos Jogos Olímpicos, a segunda de prata, que se soma a três ouros e dois bronzes.

O time do Brasil entrou em quadra atento, disposto a não deixar passar as oportunidades que surgissem. Rapidamente, colocou vantagem no placar. Nesse início, os EUA pontuaram mais nos erros de saque brasileiros (parecia haver a tática de forçá-los desde o começo). O primeiro tempo técnico veio com vantagem de quatro pontos para o Brasil. As jogadas de meio de rede com André Heller funcionavam e deixavam a marcação norte-americana distante. O técnico Hugh McCutcheon pediu novamente tempo quando sua equipe perdia por 12/7, com medo de ver o set escapar precocemente. Veio o tempo técnico com o mesmo panorama. Com 21/15, mais um pedido técnico. De nada adiantou. O Brasil continuou sua marcha até fechar em 25/20.

Quem voltou para a quadra vibrante foram os EUA. Porque sabiam que deixar um time como o Brasil abrir vantagem de 2 sets a 0 é entregar o jogo. Com Stanley forte no saque, abriram 3/0. Bernardinho parou o jogo, mas, ainda com Stanley servindo, o placar foi a 6/0. Os EUA mantiveram o ritmo e não deixaram que os brasileiros encostassem. Nem uma passagem de quatro pontos de Marcelinho no saque conseguiu fazer com que o time emparelhasse o set. Até que chegou perto e teve a chance de fazer 21/21, mas uma desatenção na defesa manteve os EUA com vantagem e o set terminou em 25/22.

Os EUA são uma grande equipe e sabem como marcar o Brasil. Fizeram isso há um mês no Rio de Janeiro, na semifinal da Liga Mundial que ganharam por 3 a 0. Com tudo igual novamente, os dois times voltaram aguerridos, num grande rali já no primeiro ponto. O bloqueio dos EUA funcionava ao menos para facilitar a defesa, enquanto o do Brasil chegava atrasado. Mesmo assim, o time conseguia virar as bolas e se manter na luta. Mas o bloqueio começou a falar mais alto e os norte-americanos abriram três pontos e fizeram 12/9. Bernardinho pediu tempo. Ao contrário do primeiro set, o time brasileiro não conseguia aproveitar as chances que se apresentavam. Os EUA, sim. Por isso, se mantiveram na frente até o fim e fecharam em 25/21.

Se quisesse defender seu título olímpico, o time brasileiro não podia mais vacilar. Na volta para a quadra, a equipe passou a jogar em seu capitão, Giba, as bolas que ele virou com vontade. Os ataques em geral funcionaram melhor. Mas os EUA mantiveram seu grande volume de jogo e isso deixou o jogo parelho - à espera apenas do descuido de um dos lados que decidiria a sorte da partida. Ele veio. O Brasil chegou a abrir 20/17, mas uma distração fatal permitiu que o adversário fizesse cinco pontos em seqüência e conseguisse a virada em 22/20. Dali em diante, os norte-americanos só administraram sua vantagem rumo ao 25/23 que valeu o ouro olímpico.

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 


Comentários
 
Últimas notícias do canal
07/12/2009 - 08h37
Motociclista morre ao bater em traseira de carreta na Guaicurus
25/08/2008 - 06h57
Lula considera 'razoável' participação brasileira nos Jogos Olímpicos
24/08/2008 - 09h30
Chama se apaga em festa com Beckham e Jimmy Page
24/08/2008 - 08h20
Maurren Maggi é a porta-bandeira do Time Brasil na cerimônia de encerramento
24/08/2008 - 06h05
COB constata evolução do esporte brasileiro e registra conquistas inéditas em Pequim
 
Últimas notícias do site
15/12/2017 - 16h34
Acumulada, Mega-Sena sorteia prêmio de R$ 39 milhões neste sábado
15/12/2017 - 16h02
Veado e tatu são resgatados e devolvidos a natureza
15/12/2017 - 12h35
Comandante e Subcomandante da PMA de Corumbá são homenageados
15/12/2017 - 12h01
PMA autua proprietário rural por armazenamento ilegal de embalagens de agrotóxicos
15/12/2017 - 10h56
Fazendeiro é autuado por armazenamento ilegal de madeira
 

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.