zap
   

especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Energia - 21/01/2009 - 14h00

Gasolina é 60% mais cara no Brasil do que no resto do mundo




Por Gazeta do Povo

O preço da gasolina no Brasil está quase 60% acima das cotações internacionais. No caso do diesel, a diferença passa dos 30%. Os números são de especialistas no mercado energético.

Esse fosso entre o que consumidores de outros países pagam para abastecer o carro e o valor dos combustíveis no mercado brasileiro aumentou muito nos últimos meses, com a crise econômica mundial derrubando o preço das commodities. O barril de petróleo, que atingiu os US$ 147 em julho do ano passado, terminou o pregão de ontem cotado a US$ 35 – um recuo de mais de 75% em seis meses.

Ainda assim, nenhum dos analistas acredita que a Petrobras vá promover ajustes agora, uma vez que a empresa ainda não recuperou as perdas por ter mantido os preços inalterados em tempos de petróleo caro. Além disso, a companhia precisa gerar caixa para sustentar seu plano de investimentos, considerado pelo governo um dos principais remédios contra a crise financeira.

A conta a respeito da diferença de preços da gasolina e do óleo diesel varia entre os analistas. Para Adriano Pires, do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE), a gasolina brasileira está hoje 50% mais cara do que a cotação americana, usada como referência pela estatal. Já o diesel está 30% mais caro. Nelson Rodrigues de Mattos, do Banco do Brasil Investimentos (BBI), calcula a diferença em 59% para a gasolina e 40% para o diesel. “O Brasil é o único país que, em meio à crise, não baixou juros nem preço da gasolina”, comenta Pires.

Congelamento - Quando a Petrobras promoveu o último aumento de preços, em maio do ano passado, o barril rondava os US$ 110 por barril. A empresa alega que não repassou ao consumidor a alta do segundo trimestre de 2008. Além disso, manteve os mesmos preços da gasolina e do diesel entre setembro de 2005 e maio de 2008. “Neste mesmo período, o preço do petróleo passou de US$ 65 por barril para US$ 115/barril e a Petrobras suportou esta defasagem, para não impactar o consumidor brasileiro. O último reajuste foi de 10% para a gasolina e de 12% para o diesel, enquanto o preço do petróleo quase dobrou”, afirmou a companhia, por meio de nota.

Mattos, da BBI, calcula que a companhia ainda tenha R$ 1,5 bilhão a recuperar em perdas referentes aos tempos de petróleo alto. Por isso, ele acredita em possibilidade de reajustes apenas a partir de abril. Luiz Otávio Broad, da corretora Ágora, vai além: para ele, reajustes apenas no segundo semestre. “Não dá também para baixar muito os preços, já que a empresa tem que fazer pesados investimentos”, aponta Broad.

Investimentos - A geração de caixa para investimentos é ponto central da questão, dizem os especialistas. Pires lembra que gasolina e diesel representam cerca de 60% da receita da companhia e o consumo tende a cair por conta da crise financeira. Ou seja, uma redução significativa de preços teria grande impacto no caixa. Em relatório, o analista Emerson Leite, do Credit Suisse, calcula que, com os preços atuais, a Petrobras já deve ter um déficit de US$ 8,5 bilhões em seu orçamento, considerando investimentos de US$ 22,8 bilhões este ano.

Tal volume pode ser captado no mercado financeiro, mas é fato que em tempos de crédito escasso e caro, quanto maior a geração de caixa, melhor. Até porque, lembra Mattos, a inflação não chega a ser um problema neste momento, o que reduz a pressão pela redução de preços dos combustíveis – a gasolina é o item de maior peso no IPCA. Pires diz, porém, que pode surgir algum tipo de movimento pedindo redução no preço do diesel, importante fator de custo para indústria e agronegócio.

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 

zap2
Comentários
 
Últimas notícias do canal
09/12/2013 - 09h57
Agência inicia em MS fiscalização de brinquedos e luminárias de Natal
17/10/2013 - 17h30
Horário de verão vai gerar economia de R$ 400 milhões, diz ONS
23/03/2013 - 08h05
No dia mundial da água jovens conhecem eletrodomésticos que preservam mananciais no consumo de energia
21/03/2013 - 15h37
Versão atualizada da cartilha Por Dentro da Conta de Luz
21/03/2013 - 14h05
Energia mensal de duas casas usa 1,5 milhões de litros de água
 
Últimas notícias do site
17/11/2017 - 16h03
Viralizou: cachorrinho 'penetra' na balada é a imagem mais fofa que você vai ver hoje
17/11/2017 - 10h18
Fim de semana tem sertanejo, funk, comédia e teatro
17/11/2017 - 07h53
Confira as ocorrências dos Bombeiros das últimas horas
17/11/2017 - 07h44
Proprietários rurais são autuados por manterem carvoarias ilegais
17/11/2017 - 06h14
Confira as ocorrências dos Bombeiros das últimas horas
 

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.