zap
   

especiais

seções

colunistas

blogs

enquete

Na sua opinião, o Pantanal já sente os efeitos do desmatamento?
Sim
Não
Não sei
Ver resultados

tempo

newsletter

receba nosso newsletters
   
Rádio Independente

expediente

Pantanal News ®
A notícia com velocidade, transparência e honestidade.

Diretora-Geral
Tereza Cristina Vaz
direcao@pantanalnews.com.br

Editor
Armando de Amorim Anache
armando@pantanalnews.com.br
jornalismo@pantanalnews.com.br

Webmaster
Jameson K. D. d'Amorim
webmaster@pantanalnews.com.br

Redação, administração e publicidade:
Aquidauana:
Rua 15 de Agosto, 98 B
Bairro Alto - CEP 79200-000,
Aquidauana, MS
Telefone/Fax (67) 3241-3788
redacao@pantanalnews.com.br

Escritório:
Corumbá:
Rua De Lamare, 1276 - Centro
CEP 79330-040, Corumbá, MS
Telefone: (67) 9235-0615
comercial@pantanalnews.com.br
pantanalnews4@terra.com.br

 
Meio ambiente - 16/01/2009 - 09h45

Parque das Nações Indígenas: cartão postal de Campo Grande




Fabio Pellegrini

Por Fabio Pellegrini, do Notícias MS

Considerado o “cartão postal” preferido por muitos campo-grandenses, o Parque das Nações Indígenas é um local muito visitado por moradores da Capital e turistas, sendo é ótima opção de lazer, cultura e prática de esportes.

Criado através do Decreto nº 7.354/93, de 17 de agosto de 1993, trata-se de um fundo de vale localizado em uma área ao leste de Campo Grande, com 119 hectares, a poucos minutos do centro da cidade.

O parque foi instalado em terras desapropriadas, compreendidas entre os limites da avenida Afonso Pena, rua Extremosa, rua Rio Prosa (conhecida como Via Parque), rua Antonio Maria Coelho e o Parque Estadual do Parque do Prosa.

O parque preserva parte da vegetação então existente, formada por árvores frutíferas e ornamentais, e de mata ciliar ao longo do córrego Prosa, que corta a extensão do complexo.  Aproximadamente 70% da vegetação são formados por cobertura em grama e árvores plantadas recentemente, dentre elas destacam-se jatobá, aroeira, ipê, angico, figueira, guatambu, manduvi, cedro, entre outras nativas.

Em relação à fauna são comuns os avistamentos de capivaras, tatus-pebas, cotias, tucanos, araras, sagüis, mutuns, patos e gansos. Além disso, como o parque faz divisa com o Parque Estadual do Prosa, unidade de conservação ambiental, em algumas épocas é possível até mesmo ver tamanduás, veados e lobinhos.

Nos últimos anos, com a ocupação das áreas de seu entorno e a construção de grandes empreendimentos como hotéis, shoppings, o Pavilhão de Exposições Albano Franco e loteamentos residenciais, o parque tornou-se um dos mais recomendados locais para atividades de lazer da população que, com seu comportamento, consolidou a vocação do local.

Atualmente o parque oferece restaurante, praça do píer, estacionamento externo, 4100 metros de pistas de caminhada, praça de eventos, iluminação noturna, gradil, conjuntos de aparelhos de ginástica, quadra poliesportiva, quadra de areia, pistas de skate e patins, quatro pontes sobre o córrego Prosa, Lago do Prosa e monumento aos índios cavaleiros Guaicurus. É também no parque que se localizam a Concha Acústica Helena Meireles, o Museu Dom Bosco, o Museu de Arte Contemporânea (MARCO), o prédio da administração, o prédio da Fundação de Turismo (Fundtur), a sede da Polícia Militar Ambiental (PMA) e a sede do Esquadrão de Polícia Montada.

Os portais, como são chamados, são os portões de acesso ao parque e receberam os nomes das nações indígenas: Kaiowa (primeiro portão da Av. Afonso Pena no sentido centro / Parque dos Poderes, o mais perto do lago); Guarani (segundo portão da Av. Afonso Pena no sentido centro / Parque dos Poderes, entrada da FUNDTUR); Ñhandeva (terceiro portão da Av. Afonso Pena no sentido centro / Parque dos Poderes, Entrada do Museu do Índio); Kadiweu (R. Antonio Maria Coelho, ao lado do MARCO); Terena (segundo na Av. Antonio Maria Coelho, sentido centro / Parque dos Poderes); Ofaié/Xavante (Av. Mato Grosso, entrada da  PMA).

A estrutura do parque conta com 26 funcionários que zelam pela limpeza, manutenção, administração e segurança, esta última reforçada pela Polícia Militar.

O Parque das Nações Indígenas é aberto ao público das 6h às 21h30 de terça-feira a domingo. Nas segundas-feiras, apenas o portal Guarani fica aberto. Não é recomendável fornecer alimentos aos animais e é proibido nadar e pescar no lago e no córrego Prosa.

Compartilhe


Deixe o seu comentário

Todos os campos obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.

Nome:

E-mail:

Seu comentário:
Sistema antispam

Digite aqui o código acima para confirmar:


 

area
Comentários
luis marcelo, em 02/02/2009 - 14h37

pessimooooooooooooo

 
Últimas notícias do canal
19/04/2017 - 13h18
Entidades do setor florestal de MS promovem campanha de combate a incêndios
18/04/2017 - 15h15
Fenômeno natural, decoada começa no rio Paraguai causando morte de peixes
10/04/2017 - 09h19
Anastácio: Sucuri de 3 metros é encontrada em terreno onde crianças soltavam pipa
05/04/2017 - 09h08
Corumbá: Exposição mostra impactos do lixo na natureza
05/04/2017 - 08h35
Jacaré é encontrado em varanda de residência durante a madrugada
 
Últimas notícias do site
27/04/2017 - 15h06
Rádio Independente de Aquidauana recebe "Moção de Congratulação" do deputado estadual Paulo Siufi por processo de migração para FM
27/04/2017 - 15h03
Em MS, 27% dos contribuintes ainda não entregaram declaração do IR 2017
27/04/2017 - 07h10
Chuva em municípios de MS passou dos 50 mm e derrubou temperaturas
27/04/2017 - 06h31
Confira as ocorrências dos Bombeiros das últimas horas
27/04/2017 - 06h24
No primeiro frio do ano, quinta-feira amanhece com mínima de 9°C em MS
 

zap

88

Untitled Document
 ® 2009  

CPN - Central Pantaneira de Notícias
PantanalNEWS - Marca registrada 1998-2009
Todos os direitos reservados.